Zumba. O negócio milionário que começou com uma distracção de um colombiano

@ZumbaBeto / Twitter

Beto Pérez, o colombiano que criou a zumba.

Foi uma distracção que levou o bailarino colombiano Beto Pérez a criar a zumba e a construir um dos negócios actuais com mais sucesso em todo o mundo, avaliado em mais de 450 milhões de euros.

Em 1986, Beto Pérez tinha apenas 16 anos e dava aulas de aeróbica na sua cidade natal, Cali, no sudoeste da Colômbia. Ele usava uma cassete com uma sequência de músicas escolhidas pelo patrão, com faixas de artistas como Madonna e Michael Jackson.

Mas, num certo dia, esqueceu-se da cassete em casa e teve de pensar rapidamente numa solução. “Não tive escolha a não ser usar uma outra cassete que tinha no carro e improvisar”, conta Beto Pérez, hoje com 49 anos, em declarações divulgadas pela BBC.

A cassete estava repleta de canções latinas, especificamente de salsa e de merengue, que ele tinha gravado da rádio. Então, resolveu fingir perante os alunos que tinha planeado uma aula especial e, durante 30 minutos, improvisou movimentos que combinavam com as músicas.

A aula foi um sucesso e os alunos divertiram-se muito mais do que o habitual. Beto Pérez decidiu então investir nos sons e ritmos latinos. “Tudo cresceu muito rapidamente”, conta agora.

“Sempre que eu dava uma aula, mais e mais pessoas apareciam. Havia filas de pessoas à porta à espera para participar” e assim, “foi o começo da zumba”, relata.

A partir daí, Beto Pérez criou a sua própria empresa, a Zumba Fitness, sediada em Miami, nos EUA.

Actualmente, prevê-se que cerca de 15 milhões de pessoas em todo o mundo frequentem regularmente aulas de zumba.

A empresa vale pelo menos 450 milhões de euros, enquanto a fortuna pessoal de Beto Pérez está estimada em cerca de 27 milhões de euros, uma realidade bem distante da sua infância humilde.

Em busca do “sonho americano”

Beto Pérez começou a trabalhar quando tinha apenas 14 anos de idade para ajudar a mãe que o criava sozinha.

Depois de ter sido atingida por uma bala perdida, a mãe mudou-se para os EUA para tentar uma nova vida. Mãe e filho não se viram durante 10 anos.

Para se sustentar, Beto Pérez teve uma série de empregos. Foi embalador de supermercado, operário da construção civil, vendeu gelados e trabalhou num café antes de se tornar professor de aeróbica.

“Quando vi o “Grease” [o filme de 1978] aos 8 anos de idade, fiquei apaixonado pela dança. Cresci a dançar nas ruas e nos clubes de música latina, mas também adorava a dança americana”, conta Beto Pérez.

À medida que as aulas de zumba ficaram mais populares, ele mudou-se para Bogotá, a capital da Colômbia, e atraiu ainda mais seguidores nos 13 anos seguintes.

Chegou a ser contratado pela cantora colombiana Shakira para coreografar os movimentos de dança de algumas das suas canções.

Apesar do sucesso na Colômbia, Beto Pérez queria viver o “sonho americano” e em 1999, mudou-se – ilegalmente – para Miami.

O início da vida nos EUA foi difícil porque não falava inglês muito bem e não tinha levado consigo muito dinheiro. “Estava basicamente sozinho. Dormi num banco do parque até poder morar num apartamento”, conta.

As coisas melhoraram quando começou a dar as suas aulas de exercícios embalados por música latina. “As pessoas adoraram. Era diferente de tudo o que existia na época”, diz Beto Pérez.

Com as aulas cheias de gente, ele não fazia ideia de como podia fazer crescer o seu negócio. Mas um dos seus alunos apresentou-o ao filho, Alberto Perlman, e ao amigo, Alberto Aghion. Foi com estes dois americanos de origem colombiana que inventou a palavra e a marca zumba em 2001.

Inicialmente, começaram por vender vídeos caseiros de fitness, com Beto Pérez a dar aulas de zumba. “A nossa primeira gravação foi na garagem de Alberto Aghion, em frente a um lençol”, revela.

Pouco tempo depois, começaram a ser contactados por pessoas que queriam tornar-se instrutores de zumba. Em 2003, 150 pessoas inscreveram-se num curso de formação. No ano seguinte, o número subiu para 700 e continuou a disparar.

Diversão e saúde

Actualmente, há mais de 100 mil instrutores de zumba credenciados em todo o mundo. Para obter a certificação, é preciso pagar cerca de 200 euros para fazer o curso. Os instrutores pagam ainda uma taxa mensal de cerca de 27 euros para receberem treino contínuo, CDs, DVDs e orientações de coreografia.

Com outras receitas como a venda de roupas, de compilações de músicas e até de jogos de computador que permitem praticar movimentos de zumba, a facturação anual da empresa é estimada em centenas de milhões de euros – os números exactos não são divulgados.

O especialista em empreendedorismo Jay Maharjan diz à BBC que a zumba faz sucesso porque tem um “modelo de negócios” divertido e “direccionado para a saúde” que “transcendeu culturas e atingiu mais de 180 países”.

Beto Pérez refere que a empresa continua a expandir-se e a “crescer rapidamente em países como Coreia do Sul e Indonésia”. “É um movimento global que está mais forte do que nunca”, garante.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Salários mais baixos da Função Pública sobem 10 euros. Férias não aumentam

Esta quarta-feira, o Governo revelou à Frente Comum que os salários mais baixos da Função Pública vão subir 10 euros, em vez de sete. Em relação aos dias de férias, não há abertura. O Jornal de …

Costa não é Alice no País das Maravilhas, mas levou os "óculos cor-de-rosa" ao debate quinzenal

No primeiro debate quinzenal do ano, António Costa lembrou, um a um, os números da economia do último ano. O episódio que tem manchado as primeiras páginas dos jornais desta semana também marcou presença, ainda …

Os dinossauros tinham sangue quente ou frio? A resposta está escondida nas cascas dos seus ovos

Um dos grandes e antigos mistérios do estudo dos dinossauros é a questão sobre se o seu sangue era quente ou frio. A resposta for encontrada escondida nas cascas dos seus ovos. Tradicionalmente, acreditava-se que os …

Eureka. Trabalhadores foram despedidos e fábrica fechou, mas estão a apresentar nova marca em Milão

A empresa responsável pela marca Eureka Shoes, que fechou as lojas e a fábrica, e despediu 150 trabalhadores em Portugal, está agora a apresentar uma nova marca em Milão. No mês passado, a empresa de calçado …

Tribunal de Contas critica modelo de financiamento do Ensino Superior (e diz que Governo não cumpriu lei de bases)

No seguimento de uma auditoria ao método de financiamento do ensino superior, para o Tribunal de Contas (TdC), entre 2016 e 2018, o modelo de financiamento concretizado pelo governo não cumpriu o estipulado na Lei …

Cientistas encontram no Ébola um aliado inesperado contra os tumores cerebrais

Cientistas encontraram um gene do vírus do Ébola que mostrou ser útil no combate contra os glioblastomas, que são tumores cerebrais que reaparecem após serem eliminados. O gliobastoma é um tumor que cresce e espalha-se depressa …

Estivadores do Porto de Lisboa iniciam greve de três semanas

Os estivadores do Porto de Lisboa iniciam, esta quarta-feira, uma greve de três semanas em protesto contra os salários em atraso e incumprimento dos acordos celebrados por parte da Associação de Empresas de Trabalho Portuário …

Michael Vang. Passou despercebido por Portugal, mas carrega os sonhos de toda uma etnia

Michael Vang é dos pouquíssimos jogadores de origem Hmong a jogar futebol profissionalmente. Agora nos Estados Unidos, o jovem teve uma passagem apagada por Portugal. Os Hmong são um grupo étnico asiático originário das regiões montanhosas …

Há pessoas sem a parte olfativa do cérebro que conseguem cheirar (e cientistas não sabem porquê)

Cientistas encontraram casos em que as pessoas não tinham bulbo olfativo, a parte do cérebro responsável pelo olfato, mas mesmo assim conseguiam cheirar. Anosmia consiste na perda total ou parcial do olfato e esta é uma …

Cientistas detetam estranhos movimentos de gás na Via Láctea (em redor de algo "invisível")

Os astrónomos detetaram movimentos de nuvens de gás incomuns perto do centro da Via Láctea, que podem sugerir a presença de um desconhecido buraco negro de classe intermediária. Os investigadores que rastrearam os gases no centro …