Zuckerberg “lamenta imenso” falhas que ajudaram a eleger Trump

B!T

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, reconheceu “erros” e prometeu melhorar a rede social depois de ter sido revelado o uso indevido de dados pessoais de milhões de utilizadores pela empresa britânica Cambridge Analytica.

O Facebook “cometeu erros”, afirmou Zuckerberg, na primeira vez que falou sobre este caso, admitindo ser “responsável pelo que está a acontecer” na rede social e prometendo disponibilizar formas de os utilizadores controlarem melhor a utilização dos seus dados pessoais.

“Há mais a ser feito, precisamos de ir mais rápido e atuar”, escreveu Zuckerberg na sua página pessoal da rede social.

I want to share an update on the Cambridge Analytica situation — including the steps we've already taken and our next…

Publicado por Mark Zuckerberg em Quarta-feira, 21 de Março de 2018

“Temos a responsabilidade de proteger os vossos dados pessoais e, se não conseguimos fazê-lo, não merecemos servir-vos”, escreveu o fundador da rede social, acrescentando que a empresa analisará de perto as aplicações do Facebook para garantir que não existam abusos de dados pessoais.

O Facebook tem estado no centro de uma vasta polémica internacional com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de 50 milhões de utilizadores da rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, favorecendo a campanha de Donald Trump.

A empresa fundada por Mark Zuckerberg afirmou-se “escandalizada por ter sido enganada” pela utilização feita com os dados dos seus utilizadores e disse que “compreende a gravidade do problema“.

O escândalo levou a uma descida das ações do Facebook e Mark Zuckerberg foi convocado por uma comissão parlamentar britânica e pelo Parlamento Europeu para se explicar.

Em entrevista à CNN, Zuckerberg disse estar “muito feliz por testemunhar”. O fundador da maior rede social do mundo acrescentou que a empresa vai enviar ao Congresso a pessoa que tem mais conhecimento do assunto e que se essa pessoa for ele, ficará feliz em fazê-lo.

Nos Estados Unidos, os procuradores de Nova Iorque e de Massachusetts e a Comissão Federal do Comércio anunciaram que vão investigar o caso.

De acordo com o The Times, os investidores estão a processar a rede social, alegando que a empresa fez “falsa e enganadoras declarações” sobre a sua política que falhou em prevenir que uma empresa britânica obtivesse os dados de 50 milhões de utilizadores.

Fan Yuan, um dos acionistas, preencheu a ação judicial em São Francisco em nome de um número desconhecido de investidores que alega que as “omissões” do Facebook levaram a um declínio “precipitado” no valor das ações da empresa, que perdeu quase 50 mil milhões de dólares – cerca de 40 mil milhões de euros – só na segunda e terça-feira.

Novas medidas de proteção

O Facebook prometeu ser mais cauteloso com a forma como partilha os dados dos utilizados e mais transparência na forma como o faz.

A partir deste mês, a empresa vai auditar todas as aplicações que tenham tido acesso a grandes quantidades de dados antes de 2014, altura em que o portal passou por uma forte reestruturação. As que infringirem quaisquer regras de utilização destas informações, serão excluídas do Facebook.

Em adição, a rede social promete notificar todos os utilizadores que forem afetados por aplicações maliciosas e barrar o acesso de apps a dados de quem não as tenha utilizado por três meses consecutivos.

Esta última medida serve para manter a sua lista de permissões atualizada, uma vez que é muito provável que algumas das apps a que aderiu quando fez a sua conta ainda estejam a utilizar as informações no seu negócio. Para rematar a decisão, o portal vai ainda facilitar o controlo de permissões a certas aplicações pelos próprios utilizadores.

Por último, o programa de “caça aos bugs” foi ampliado para recompensar utilizadores que encontrem aplicações maliciosas que estejam a reunir dados dos utilizadores.

Entretanto, o ministro britânico da Cultura, Matt Hancock, considerou insuficiente o conjunto de medidas anunciadas por Zuckerberg para proteger os dados dos utilizadores.

Fundador do WhatsApp defende abandono do Facebook

O cofundador da aplicação WhatsApp, adquirida há quatro anos pelo Facebook, juntou-se ao movimento online que apela à desativação da rede social Facebook, escrevendo na plataforma Twitter que “está na hora”.

O programador e empresário norte-americano Brian Acton, que criou, em conjunto com Jan Koum, a aplicação em 2009, afirmou: “Está na hora. #ApagaOFacebook” (“It’s time. #deletefacebook”, em inglês).

A hashtag #deletefacebook tem sido das mais usadas na plataforma desde o surgimento de relatos que apontam para o uso ilegal de dados de mais 50 milhões de utilizadores do Facebook pela empresa de comunicação estratégica Cambridge Analytica. E não faltou quem já tivesse aproveitado para brincar com a situação

O WhatsApp foi comprado pelo Facebook em 2014, numa transação avaliada em 19 mil milhões de dólares.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

    • Mais nada!
      Se tivesse ajudado a Hillary se calhar nem saberíamos disto.E até parece que se ela tivesse ganho tinha sido melhor… Enganam-se muito bem!

  1. Interessante como o mesmo uso das redes sociais pela equipa OBAMA para ganhar as eleições (2X) foram recebidos com elogios.. estes “double standards” são demais..

RESPONDER

Novo Banco contrata detetives para seguir ex-líder da Ongoing

O Novo Banco contratou equipas especializadas compostas por investigadores privados para fazer o levantamento de todos os bens que possam ser associados a Nuno Vasconcellos, ex-líder da Ongoing. Segundo avança o Correio da Manhã esta sexta-feira, …

Eurobic nega que Teixeira dos Santos esteja a ser investigado pelo Banco de Portugal

Na quinta-feira, o jornal Público deu conta de uma investigação do Banco de Portugal (BdP) ao papel de Teixeira dos Santos no Eurobic no âmbito do caso Luanda Leaks. Agora, o banco vem a público …

"Comigo, não acontecerá." Ferro Rodrigues decide que castração química não será debatida no Parlamento

Admitindo que as responsabilidades pela decisão de não admissibilidade do projeto de lei do Chega eram suas, Ferro Rodrigues deixou claro que, consigo na presidência da Assembleia da República, projetos de lei (provavelmente) inconstitucionais como …

Eleições para o Tribunal Constitucional suspensas. Boletins de voto estavam ilegais

A votação dos nomes para ocuparem as duas vagas no Tribunal Constitucional foi suspensa porque os boletins de votos que foram entregues aos deputados não estavam conforme manda a lei. De acordo com o jornal ECO, …

Chega é a 5.ª força política, CDS tomba e já só está à frente do Livre

O PS mantém a distância para o PSD em fevereiro, segundo o Barómetro Político da Aximage para o Jornal Económico, que dá ainda conta que o CDS está em queda, posicionando-se apenas à frente do …

Eliminação da Liga Europa dita fim de linha para Silas

O desportivo Record escreve esta sexta-feira que a eliminação do Sporting da Liga Europa ditou o fim de linha para Silas no comando dos leões. De acordo com a publicação, os dirigentes leoninos ficaram desagradados …

Covid-19. Voos cancelados, máscaras à venda por mil euros e turismo "à beira do colapso" em Itália

Voos cancelados, máscaras à venda online por mil euros e turismo "à beira do colapso" em Itália. Estas são algumas das mais recentes consequências do novo coronavírus, a epidemia oriunda da cidade chinesa de Wuhan que …

"Só por cima do meu veto." Autarcas bloqueiam Montijo, Costa avisa que não há plano B

Rui Garcia e Joaquim Santos, autarcas da Moita e do Seixal, são os principais rostos do bloqueio do aeroporto do Montijo. António Costa está "perplexo" com a decisão do PSD e alerta que começar do …

Excedente do Estado encolhe para 1.287 milhões de euros em janeiro

Os dados foram revelados, esta quinta-feira, pelo Ministério das Finanças e representam "menos 238,5 milhões de euros face ao período homólogo". As administrações públicas registaram um excedente de 1.287,5 milhões de euros em janeiro valor que …

Há 74 mil anos, a Humanidade sobreviveu à super erupção que provocou um “inverno vulcânico”

Há 74 mil anos, uma super-erupção vulcânica provocou um “inverno vulcânico” que durou uma década, resultando num evento de arrefecimento de milénios em todo o planeta que destruiu espécies de humanos e mamíferos primitivos. Pelo …