50 milhões de perfis do Facebook terão sido usados para ajudar a eleger Trump

O Facebook suspendeu relações com a Cambridge Analytica, uma empresa de recolha e tratamento de dados sobre eleitores que trabalhou na campanha presidencial de Donald Trump em 2016, alegando que usou informações sobre os utilizadores sem autorização.

A empresa de Mark Zuckerberg justificou o afastamento numa publicação, indicando que a Cambridge Analytica ficou com informações pessoais sobre mais de 270 mil utilizadores do Facebook em 2014 e 2015 sem autorização, apesar de ter dito que as tinha apagado.

Paul Grewal, autor da publicação do Facebook, considerou a retenção não autorizada de informação “uma inaceitável violação de confiança”, e disse que a rede social tomará medidas legais, se necessário, caso seja confirmado que houve violação de leis.

Um porta-voz da Cambridge Analytica já negou qualquer comportamento impróprio, indicando que, quando soube que o uso dos dados era uma violação das políticas do Facebook, decidiu apagá-los na totalidade.

A Cambridge Analytica ficou mais conhecida depois de ter trabalhado para a campanha presidencial de Donald Trump, tendo criado perfis psicológicos baseados em informações pessoais de milhões de norte-americanos para categorizar os votantes.

A notícia foi avançada, este sábado, pelo The Guardian, que indica que a empresa utilizou a informação de cerca de 50 milhões de perfis do Facebook para prever qual seria o sentido de votos dos utilizadores nas eleições.

Christopher Wylie, que trabalhou na Cambridge Analytica durante esse período, assume que aproveitaram a rede social “para recolher milhões de perfis” e construir “modelos de análise” para direcionar “conteúdos pensados nos seus maiores medos”. O antigo analista diz ainda que “a empresa foi construída com este propósito”, cita o Observador.

Em novembro do ano passado, o presidente da empresa, Alexander Nix, também negou ter contactado o fundador da WikiLeaks, Julian Assange, para pedir emails relacionados com a campanha de Hillary Clinton.

Entretanto, a comissária da entidade reguladora de privacidade do Reino Unido, Elizabeth Denham, anunciou hoje que está a investigar se os dados foram ou não ilegalmente adquiridos e usados.

Esta investigação está inserida num inquérito de maior dimensão para apurar como os partidos políticos, empresas de dados e redes sociais usam a informação privada para fazer perfis de votantes durante campanhas políticas, incluindo durante a do referendo sobre o Brexit no Reino Unido.

“É importante que o público esteja totalmente consciente de como a informação é usada e partilhada nas campanhas políticas da atualidade, e o potencial impacto na sua privacidade”, disse a comissária britânica. Acrescentou que “qualquer ação criminal e civil será levada a cabo vigorosamente, se a investigação assim o justificar”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

O envelhecimento celular em humanos foi parcialmente revertido (com o uso de oxigénio)

Investigadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, descobriram uma forma de reverter o processo de envelhecimento celular e podem ter feito um avanço na procura pela juventude eterna. O novo estudo publicado na revista Aging …

Joshua Wong e outros dois ativistas condenados a penas de prisão

Joshua Wong e outros dois ativistas do movimento pró-democracia em Hong Kong foram condenados, esta quarta-feira, a penas de prisão por participarem numa manifestação ilegal contra o Governo da região administrativa em junho de 2019. Os …

Departamento de Justiça nos EUA investiga alegado esquema de "dinheiro por indultos" na Casa Branca

O Departamento da Justiça dos Estados Unidos está a investigar possíveis subornos em troca de indultos presidenciais na Casa Branca. De acordo com documentos judiciais a que a agência Reuters teve acesso, o Departamento da Justiça …

Confinamento, covid-19, discriminação. Eis as 10 candidatas a Palavra do Ano de 2020

A Porto Editora revelou esta terça-feira as dez candidatas a Palavra do Ano de 2020. Este ano, a iniciativa lançada em 2009 decorre, pela primeira vez, em simultâneo com Angola e Moçambique. De acordo com o …

Mais mortes e menos nascimentos. Portugal está com o maior saldo natural negativo do século

Como avança o Público esta quarta-feira, há 12 anos consecutivos que há mais mortes do que nascimentos em Portugal, mas este ano o país a bateu o recorde do saldo natural negativo. Desde 2009 que o …

"Não há plano B". Costa deixa avisos e recados a Hungria e Polónia

O primeiro-ministro português, António Costa, alertou, em Bruxelas, que não há um plano B ao bloqueio na aprovação do orçamento da União Europeia (UE) e do novo Fundo de Recuperação criado para responder à pandemia, …

Santos deu "nega" ao Benfica e Lucas Veríssimo ameaçou não jogar

O Conselho Fiscal do Santos "negou" a transferência de Lucas Veríssimo para o SL Benfica. O jogador ameaçou mesmo não entrar em campo contra o LDU Quito, na noite passada. O Conselho Fiscal do Santos emitiu …

Governo britânico substitui confinamento por restrições (com oposição interna no Partido Conservador)

Boris Johnson conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições. Dos votos contra, 56 foram de deputados conservadores e 16 de deputados do Partido Trabalhista. O Governo britânico conseguiu ver aprovado o novo plano de restrições …

Sporting tem sete jogadores na porta de saída e outro para trazer Matheus Reis

O Sporting CP quer livrar-se de sete jogadores excedentários que estão a treinar com a equipa B. O clube quer também trazer Matheus Reis já neste mercado de inverno. Aproxima-se o mercado de inverno e o …

Sindicato acusa TAP de manipulação e diz que não há "trabalhadores a mais"

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) acusou a TAP de “manipulação, falta de ética e desonestidade” e defendeu que a empresa não tem “trabalhadores a mais” e deve procurar os “sorvedouros de …