YouTube vai remover vídeos que espalham desinformação sobre vacinas

O YouTube removerá vídeos que espalham desinformações sobre vacinas, intensificando a repressão ao conteúdo prejudicial publicado e partilhado durante a pandemia do coronavírus.

A partir desta quarta-feira, a plataforma removerá conteúdos nos quais é indicado que as vacinas são perigosas e causam problemas crónicos de saúde. Segundo as diretrizes anteriores, a plataforma “escondeu” vídeos que espalham informações incorretas sobre as vacinas no geral ou que promovam dúvidas sobre a sua toma, noticiou o Guardian.

Em 2020, o YouTube proibiu vídeos com informações incorretas sobre as vacinas contra a covid-19, retirando 130.000 conteúdos. Desde o início da pandemia, a plataforma removeu um milhão de vídeos que espalhavam desinformação.

“A desinformação sobre vacinas é global, aparece em todos os países e culturas”, disse Matt Halprin, vice-presidente do YouTube, acrescentando que a desinformação sobre as vacinas contra o sarampo, a caxumba e a rubéola são um exemplo do tipo de conteúdos que a plataforma terá como alvo.

A proibição também se aplica a conteúdos que alegam que as vacinas causam cancro, infertilidade ou contêm microchips.

As novas diretrizes, continuou Matt Halprin, incluirão depoimentos pessoais sobre como tomar vacinas, discussão sobre políticas de inoculação e referências a falhas históricas em programas de vacinação, desde que o conteúdo não contenha desinformação nem promova dúvidas sobre a toma.

Em 2020, o Facebook removeu conteúdos com falsas alegações sobre as vacinas para a covid-19, lembrou o Guardian.

  Taísa Pagno //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE