YouTube reforça políticas contra assédio online

O YouTube anunciou, esta quarta-feira, um conjunto de alterações às políticas que visam combater o assédio que existe na plataforma.

O YouTube anunciou esta quarta-feira o reforço das suas políticas contra o assédio online, que preveem uma postura mais forte e consequências para quem fizer ameaças e ataques pessoais.

Num comunicado enviado às redações, a empresa esclareceu que desenvolveu a estrutura que já utilizava para combater a incitação ao ódio na sua plataforma, com uma série de alterações de políticas e de produtos que atualizam a forma como lidam com o assédio.

O YouTube alertou que vai adotar uma “postura mais forte” contra ameaças e ataques pessoais, bem como a aplicação de sanções aos utilizadores que demonstrem um padrão de comportamento de assédio, como a remoção de vídeos que contenham ameaças indiretas ou implícitas (as explícitas já eram proibidas).

“Analisamos, de uma forma regular, todas as nossas políticas para garantir que a linha entre o que removemos e o que permitimos seja traçada no lugar certo e reconhecemos no início deste ano que, na questão do assédio, podemos e devemos fazer muito mais para proteger os nossos criadores e a comunidade”, lê-se no comunicado.

Segundo a empresa, para esta alteração foram ouvidas as opiniões de criadores de conteúdos, organizações especialistas em bullying online, jornalistas, defensores da liberdade de expressão e organizações políticas.

Desta forma, passa a ser proibido qualquer vídeo com ameaças indiretas ou implícitas, incluindo “conteúdo que simula a violência contra um indivíduo ou idioma, sugerindo que possa ocorrer violência física”.

“Não vamos mais permitir conteúdo que insulte maliciosamente alguém com base em atributos protegidos, tais como raça, identidade de género ou orientação sexual. Esta diretriz é aplicável a todos, desde pessoas particulares, a criadores do YouTube e entidades públicas”, acrescentou a plataforma.

Se for detetado um padrão de comportamento de assédio, o YouTube comprometeu-se a “remover o conteúdo dos canais“, podendo mesmo aplicar medidas mais severas, como a rescisão de um canal, se o comportamento persistir.

Também as secções de comentário – geralmente a área “onde os criadores e espetadores se deparam com assédio” – vão ser alvo de um maior escrutínio, que tem vindo já a ser implementado nos últimos tempos.

Removemos comentários que claramente violam as nossas políticas – mais de 16 milhões no terceiro trimestre deste ano. As atualizações de políticas acima descritas também vão ser aplicadas nos comentários; portanto, esperamos que este número aumente nos próximos trimestres”, advertiu o YouTube.

Para acautelar acusações de desrespeito pela liberdade de expressão, a plataforma de partilha de vídeos esclareceu que quando não tem a certeza se um comentário viola as suas políticas, “mas que pareça potencialmente inapropriado”, dá aos criadores de conteúdos “a hipótese de o analisar antes de ser publicado”.

“Continuamos a ajustar os nossos sistemas para garantir que captamos comentários realmente tóxicos, não apenas algo que seja negativo ou crítico”, lê-se na mesma nota enviada às redações.

O YouTube é uma plataforma de partilha de vídeos na internet, com sede na Califórnia, criada em 2005, que entretanto foi comprada pela Google, funcionando atualmente como uma das suas subsidiárias.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Coloridos e selados. Descobertos no Egito sarcófagos com mais de 2.500 anos

As autoridades egípcias anunciaram esta segunda-feira a descoberta de uma coleção de sarcófagos datados de há mais de 2.500 anos, na zona arqueológica de Sakkara, a sul da cidade do Cairo. Em comunicado, citado pela agência …

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …