YouTube reforça políticas contra assédio online

O YouTube anunciou, esta quarta-feira, um conjunto de alterações às políticas que visam combater o assédio que existe na plataforma.

O YouTube anunciou esta quarta-feira o reforço das suas políticas contra o assédio online, que preveem uma postura mais forte e consequências para quem fizer ameaças e ataques pessoais.

Num comunicado enviado às redações, a empresa esclareceu que desenvolveu a estrutura que já utilizava para combater a incitação ao ódio na sua plataforma, com uma série de alterações de políticas e de produtos que atualizam a forma como lidam com o assédio.

O YouTube alertou que vai adotar uma “postura mais forte” contra ameaças e ataques pessoais, bem como a aplicação de sanções aos utilizadores que demonstrem um padrão de comportamento de assédio, como a remoção de vídeos que contenham ameaças indiretas ou implícitas (as explícitas já eram proibidas).

“Analisamos, de uma forma regular, todas as nossas políticas para garantir que a linha entre o que removemos e o que permitimos seja traçada no lugar certo e reconhecemos no início deste ano que, na questão do assédio, podemos e devemos fazer muito mais para proteger os nossos criadores e a comunidade”, lê-se no comunicado.

Segundo a empresa, para esta alteração foram ouvidas as opiniões de criadores de conteúdos, organizações especialistas em bullying online, jornalistas, defensores da liberdade de expressão e organizações políticas.

Desta forma, passa a ser proibido qualquer vídeo com ameaças indiretas ou implícitas, incluindo “conteúdo que simula a violência contra um indivíduo ou idioma, sugerindo que possa ocorrer violência física”.

“Não vamos mais permitir conteúdo que insulte maliciosamente alguém com base em atributos protegidos, tais como raça, identidade de género ou orientação sexual. Esta diretriz é aplicável a todos, desde pessoas particulares, a criadores do YouTube e entidades públicas”, acrescentou a plataforma.

Se for detetado um padrão de comportamento de assédio, o YouTube comprometeu-se a “remover o conteúdo dos canais“, podendo mesmo aplicar medidas mais severas, como a rescisão de um canal, se o comportamento persistir.

Também as secções de comentário – geralmente a área “onde os criadores e espetadores se deparam com assédio” – vão ser alvo de um maior escrutínio, que tem vindo já a ser implementado nos últimos tempos.

Removemos comentários que claramente violam as nossas políticas – mais de 16 milhões no terceiro trimestre deste ano. As atualizações de políticas acima descritas também vão ser aplicadas nos comentários; portanto, esperamos que este número aumente nos próximos trimestres”, advertiu o YouTube.

Para acautelar acusações de desrespeito pela liberdade de expressão, a plataforma de partilha de vídeos esclareceu que quando não tem a certeza se um comentário viola as suas políticas, “mas que pareça potencialmente inapropriado”, dá aos criadores de conteúdos “a hipótese de o analisar antes de ser publicado”.

“Continuamos a ajustar os nossos sistemas para garantir que captamos comentários realmente tóxicos, não apenas algo que seja negativo ou crítico”, lê-se na mesma nota enviada às redações.

O YouTube é uma plataforma de partilha de vídeos na internet, com sede na Califórnia, criada em 2005, que entretanto foi comprada pela Google, funcionando atualmente como uma das suas subsidiárias.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Descobertas filmagens inéditas de um centro de espionagem da II Guerra Mundial

Foi descoberta uma rara filmagem da instalação militar secreta Bletchley Park, no Reino Unido. Este centro de espionagem atuou durante a II Guerra Mundial e foi responsável por decifrar códigos alemães durante o período nazi. O …

Montezemolo revelou o sonho que Ayrton Senna não cumpriu

O antigo presidente da equipa da Ferrari, Luca di Montezemolo, revelou que o seu maior arrependimento foi não ter conseguido levar Ayrto Senna para a equipa. Em 1994, Ayrton Senna morreu de forma trágica quando perdeu o …

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos com teoria da conspiração que liga covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a funcionários de operadoras e ataques a antenas de telecomunicações. Agora, o YouTube está …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …