Von der Leyen já discutiu com comissários possíveis respostas à Polónia

Johanna Geron / EPA Pool

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, apresentou esta quarta-feira ao seu colégio de comissários possíveis respostas ao recente acórdão do Tribunal Constitucional polaco que coloca em causa a primazia do direito comunitário.

A comissária da Energia, Kadri Simson, que se deslocou à sala de imprensa do executivo comunitário para dar conta das decisões tomadas hoje na reunião do colégio da Comissão – incluindo recomendações de Bruxelas para a UE fazer face à escalada dos preços da Energia -, afirmou que Von der Leyen comunicou que ainda não está concluída a análise do acórdão por parte dos serviços legais da Comissão, mas que a avaliação inicial aponta para a extrema gravidade da decisão do Tribunal e adiantou que já estão a ser ponderadas as ações a tomar.

O colégio discutiu o recente acórdão do Tribunal Constitucional polaco sobre compatibilidade da constituição polaca com certas provisões dos Tratados da UE. A presidente começou por sublinhar que o nosso objetivo deve ser assegurar que os direitos dos cidadãos polacos são protegidos e que eles podem gozar dos benefícios da UE da mesma forma que todos os outros cidadãos”, começou por revelar.

De acordo com a comissária da Estónia, Von der Leyen “explicou que está em curso uma análise aprofundada, mas indicou que a avaliação inicial aponta para questões muito graves relativamente à primazia da lei europeia”.

A comissária disse então que, enquanto se aguarda pela análise final, “a presidente apresentou uma série de opções possíveis, que vão desde, por exemplo, o lançamento de um novo processo de infração, ao uso do mecanismo de condicionalidade ao Estado de direito”, no quadro do atual procedimento do artigo 7º do Tratado, sobre violações graves dos valores europeus.

“O colégio voltará a esta questão uma vez que a análise legal do acórdão esteja finalizada”, concluiu a comissária.

Na passada sexta-feira, um dia após o Tribunal Constitucional da Polónia ter deliberado – a pedido do Governo – que algumas das leis incluídas do Tratado de Adesão do país à UE são incompatíveis com a Constituição polaca, a presidente da Comissão Europeia advertiu que os Tratados da União Europeia “são muito claros” relativamente à primazia do direito comunitário e garantiu que Bruxelas usará “todos os poderes” para garantir o seu respeito na Polónia.

Numa declaração lida pelo porta-voz do executivo comunitário no início da conferência de imprensa diária da Comissão, Ursula von der Leyen manifestou-se “profundamente preocupada” com o acórdão e revelou que deu instruções aos serviços da Comissão para “analisarem minuciosa e rapidamente a decisão”.

Sublinhando que “a UE é uma comunidade de valores e de leis” e que é isso que “une a União e a torna forte”, a dirigente alemã assegurou que Bruxelas defenderá “os princípios fundadores da ordem jurídica da União”, até porque é isso que os 450 milhões de cidadãos europeus esperam.

“Os nossos Tratados são muito claros. Todos os acórdãos do Tribunal de Justiça Europeu são vinculativos para todas as autoridades dos Estados-Membros, incluindo os tribunais nacionais. O direito da UE tem primazia sobre o direito nacional, incluindo as disposições constitucionais. Isto é o que todos os Estados-Membros da UE assinaram como membros da União Europeia. Utilizaremos todos os poderes que nos são conferidos pelos Tratados para o assegurar”, concluiu.

Em entrevista à Lusa, hoje divulgada, o comissário europeu da Justiça defendeu que “o lugar da Polónia” é na UE, apesar das tensões entre Bruxelas e Varsóvia, e rejeitou um cenário de ‘Polexit’ – a designação dada à eventual saída da Polónia da UE, inspirada no ‘Brexit’ -, lembrando os “protestos na Polónia durante o fim de semana” passado, de apoio à integração comunitária, que contaram com dezenas de milhares de cidadãos polacos, o que considerou “encorajador”.

Didier Reynders garantiu, no entanto, que “a Comissão continuará a desempenhar plenamente o seu papel de guardiã dos Tratados, tomando medidas decisivas, adequadas e proporcionadas para defender o direito da UE, quando e se necessário”, acrescentando que, neste caso específico,” as decisões não serão tomadas de ânimo leve”, até porque se trata de “uma situação sem precedentes”.

“Primeiro, temos de analisar a decisão com muito cuidado e só depois decidiremos sobre os próximos passos”, disse Reynders numa entrevista por escrito à Lusa, assinalando que “o acórdão só foi publicado esta terça-feira”, 12 de outubro.

O Tribunal pronunciou-se após vários adiamentos e a pedido do Governo polaco, que solicitou o seu parecer sobre a prevalência do direito polaco ou do direito europeu em caso de conflito entre ambos, num contencioso que se prolonga há vários meses entre Varsóvia e as instituições comunitárias.

A deliberação foi aprovada por três dos cinco magistrados que integram esta instância judicial.

De acordo com o TC polaco, “a UE não tem competência para avaliar a Justiça polaca e o seu funcionamento”, rejeitando desta forma as exigências de Bruxelas sobre a abolição da reforma judicial que o Governo polaco promoveu em 2015.

A sentença foi anunciada após quatro adiamentos e num momento em que o conflito legal entre Varsóvia e a UE atravessa um dos momentos mais críticos.

Em 15 de setembro, Jaroslaw Kaczynski, líder do Lei e Justiça (PiS, a formação ultraconservadora no poder), declarou que a possibilidade de uma saída da Polónia da UE constituía “uma ideia propagandística que foi muitas vezes utilizada contra o Governo”.

Kaczynski também acrescentou que, apesar das declarações de membros do Governo sobre a incompatibilidade de decisões e normas da UE com as praticadas na Polónia, considerava “claramente” que “o futuro da Polónia é permanecer na União Europeia”.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O segredo da Coreia do Sul para combater a covid-19? Tecnologia de ponta e toque humano

O sucesso da Coreia do Sul a combater a pandemia de covid-19 não assentou apenas no recurso à tecnologia de ponta — também envolveu o tradicional toque humano. De acordo com um recente relatório da Câmara …

Governo: voto contra do Bloco é "definitivo". Marcelo diz que chumbo provoca dissolução

O Governo afirmou este domingo que entendeu o anúncio de voto contra por parte do BE como “uma posição definitiva”, remetendo eventuais novas negociações com este partido para a fase da especialidade do Orçamento do …

Soldados do exército chinês alinhados.

Chinesas querem "empregos de homem" — mas o sistema educacional corta-lhes as asas

Várias escolas, academia e universidades chinesas impõe cotas que limitam o acesso de estudantes do sexo feminino. Mulheres têm de tirar notas mais altas do que os homens para entrar. Um pouco por todo o mundo …

"A Escola de Atenas", quadro de Rafael Sanzio.

Ideias da filosofia grega podem ter-nos conduzido às alterações climáticas

Algumas das ideias defendidas por antigos filósofos gregos podem ter conduzido a civilização rumo às alterações climáticas. Incêndios florestais causados por ventos crescentes e um calor sem precedentes cercaram Atenas, Grécia, no verão passado, cobrindo os …

Vizela 0-1 Benfica | Milagre de São Rafa no último suspiro

A ressaca pós-goleada frente ao Bayern, na Liga dos Campeões, foi difícil para o Benfica. Os comandados de Jorge Jesus sentiram muitas dificuldades frente a um Vizela que sabia que o seu adversário iria patentear …

Otoniel, o camponês paramilitar (e criminoso mais procurado da Colômbia) foi capturado

O governo da Colômbia anunciou este sábado a captura do narcotraficante mais procurado do país, Dairo Antonio Úsuga (com a alcunha de 'Otoniel'), por quem os Estados Unidos ofereciam uma recompensa de cinco milhões de …

"Tratam as doentes como histéricas". O longo caminho da Medicina até levar a sério a dor feminina está a custar vidas

Muitos dos avanços na medicina tiveram apenas metade da população em conta. Para além da falta de representação das mulheres nos estudos médicos, a dor e os relatos das pacientes são muitas vezes desvalorizados nas …

Bloco faz ultimato: vota contra o OE se até 4ª feira o Governo "insistir em impor recusas"

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, avisou este domingo que o BE votará contra o orçamento se até quarta-feira “o Governo insistir em impor recusas onde a esquerda podia ter avanços”, mantendo, no …

Nova faca de madeira é três vezes mais afiada do que as de aço - e pode ser lavada após ser usada

Através do uso de métodos alternativos, uma equipa de cientistas criou uma nova forma endurecida da madeira que pode ser transformada em facas afiadas. A equipa da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, refere que as …

Áustria planeia confinar quem não estiver vacinado contra covid-19

O governo austríaco anunciou que, se ocupação de camas de Unidades de Cuidados Intensivos com pacientes covid-19 atingir nível crítico, pessoas não imunizadas poderão sair de casa apenas em casos excepcionais, como compras essenciais e …