Viver sem dormir é “uma espécie de loucura”

Segundo alguns cálculos, uma pessoa que atingir 78 anos terá passado nove destes a ver televisão, quatro anos a conduzir, 92 dias na casa de banho e 48 dias a fazer sexo. No entanto, nada supera o sono: aos 78 anos, devemos ter passado cerca de 25 anos da nossa vida a dormir.

Muitos acreditam tratar-se de uma perda de tempo e perguntam-se: quanto tempo aguentamos sem dormir? Quais seriam as consequências de não desfrutar do sono?

Qualquer pessoa saudável que planeie descobrir as respostas através da própria experiência terá dificuldades em executá-lo. “A vontade de dormir é tão forte que chega a superar a vontade de comer“, afirma Erin Hanlon, professora no Centro de Sono, Metabolismo e Saúde da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. “O cérebro simplesmente entra no sono, apesar de todos os esforços conscientes para espantar o sono.”

Dormir para quê?

O motivo pelo qual a vontade de dormir é tão forte ainda é um mistério. “A verdadeira função do sono ainda está por ser desvendada”, afirma Hanlon. A investigadora acrescenta, no entanto, que algo no sono parece restabelecer os sistemas do nosso organismo.

Além disso, alguns estudos demonstraram que um sono completo regular ajuda a curar doenças, fortalece o sistema imunitário, ajuda o metabolismo e traz muitas outras vantagens – é por isso que nos sentimos bem quando acordamos de uma noite bem dormida.

Por outro lado, a falta de sono pode estar ligada a um maior risco de diabetes, problemas cardíacos, obesidade, depressão e outras doenças. Para evitar esses problemas, o nosso corpo envia sinais desagradáveis quando adiamos ou encurtamos o descanso: a energia acaba, o caminhar torna-se cambaleante, as pálpebras pesam sobre os olhos doridos.

Quanto mais resistimos a dormir, mais perdemos a capacidade de concentração e de memória.

Se ignorarmos esses efeitos e passarmos dias e dias acordados, as nossas mentes começariam a desequilibrar-se. Alterações de humor, paranoias e alucinações começam a surgir. “É uma espécie de loucura“, define Atul Malhotra, diretor de medicina do sono da Universidade da Califórnia em San Diego.

Vários estudos documentam o declínio do organismo que sofre de privação do sono. O nível de hormonas causadoras do stress, como a adrenalina e o cortisol, aumenta, fazendo subir a pressão arterial.

Enquanto isso, o ritmo cardíaco altera-se e o sistema imunitário começa a enfraquecer, segundo Malhotra. “Esses indivíduos passam a sentir-se cada vez mais ansiosos e têm maior risco de contrair doenças”, afirma.

A boa notícia é que esses efeitos não são permanentes e podem desaparecer ao pôr o sono em dia. “Os danos são reversíveis“, afirma Jerome Siegel, professor do Centro para a Pesquisa do Sono da Universidade da Califórnia em Los Angeles.

Nem no Guinness

É possível que, depois de saber isto, muitos acabem por desistir da ideia de, eventualmente, testar os nossos limites sem dormir. Mas a questão continua no ar: quanto tempo aguentamos acordados?

O registo mais citado é o do americano Randy Gardner, que para uma experiência para a feira de Ciências da sua escola ficou 264 horas sem dormir – pouco mais de 11 dias -, segundo investigadores que o monitorizaram durante esse tempo. Gardner tinha 17 anos e a experiência ocorreu em 1964.

Muitos outros relatos, pouco ou mais inacreditáveis, surgiram desde então de várias partes do mundo. No entanto, ninguém conseguiu ainda estabelecer um número de horas definitivo para o tempo que é humanamente possível ficar acordado.

Aliás, é uma competição que “oficialmente” já nem sequer existe: ciente das consequências graves provocadas pela falta de sono contínua, o Livro Guinness dos Recordes deixou de seguir as tentativas de bater este recorde.

ZAP / BBC

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

    • Começa antes do sono: Utilizam-se ‘gavetas’, umas abertas, outras entreabertas, outras fechadas sem fechadura, vai-se arrumando e as que decidimos trancar não se joga fora as chaves! Talvez o sono trabalhe certa coerência de nós próprios!

RESPONDER

Elon Musk doou 1.000 ventiladores a hospitais (mas eram do tipo errado)

Nos últimos dias, Elon Musk, CEO da Tesla, recebeu muitos elogios por ter doado mil ventiladores a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Porém, os ventiladores não eram do …

Coronavírus pode replicar-se na boca e nariz durante uma semana antes de infetar pulmões

O coronavírus pode permanecer e replicar-se na boca e no nariz durante uma semana antes de infetar aos pulmões, à traqueia e aos brônquios, revela um estudo, que mostra igualmente que é expulso do organismo …

PSP vai utilizar câmaras portáteis em drones no estado de emergência

A PSP vai utilizar 20 câmaras portáteis de videovigilância, 18 das quais vão ser instaladas em ‘drones’, durante o estado de emergência devido à pandemia de covid-19, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna …

Em Nova Iorque, prisioneiros são usados para cavar valas comuns

Nova Iorque está a oferecer seis dólares por hora e material de proteção individual aos prisioneiros de Rikers Island que aceitem ajudar a cavar valas comuns. Projeções da Fundação Gates apontam que, em Nova Iorque, o …

EUA estará a pagar para desviar carregamentos de máscaras adquiridas por França

As autoridades francesas estão a acusar os Estados Unidos de terem pago para desviar um carregamento de máscaras faciais oriundo da China. Este episódio é apenas mais um na saga sobre a escassez de máscaras de …

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados antecipadamente para prevenir a propagação da pandemia de covid-19 no meio prisional, revelou esta quinta-feira a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, em declarações à RTP3. A …

OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o …

Covid-19. Mais de 95% das vítimas mortais na Europa tinham mais de 60 anos

O diretor regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), Hans Kluge, revelou esta quinta-fera que mais de 95% das vítimas mortais da covid-19 na Europa têm mais de 60 anos de idade. Em …

Curva portuguesa mostra abrandamento de novos casos (mas é preciso "cautela")

Portugal tem assistido desde o dia 25 de março a um abrandamento do aumento percentual diário de novos casos de covid-19, segundo dados divulgados pelo Barómetro Covid-19 da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP). Segundo Carla …

"Ganhámos a primeira batalha". Presidente renova estado de emergência

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou oficialmente a renovação do estado de emergência nesta quinta-feira por mais quinze dias, prolongando-se este estado de exceção até 17 de abril. Numa mensagem ao país a …