Governo brasileiro nomeia veterinário como diretor responsável por vacinação

Tânia Rêgo / Agência Brasil

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

O Governo brasileiro nomeou, esta segunda-feira, um médico veterinário como novo diretor do departamento de imunizações e doenças transmissíveis do Ministério da Saúde, devendo liderar as discussões sobre a estratégia de vacinação contra a covid-19.

A nomeação do médico veterinário Laurício Monteiro Cruz foi publicada, esta segunda-feira, em Diário Oficial da União, e foi assinada pelo ministro interino da Saúde, o general Eduardo Pazuello.

O departamento que Monteiro Cruz agora assumirá é responsável pelo Programa Nacional de Imunizações do Brasil, incluindo as campanhas de vacinação e a distribuição de imunizantes pelo território brasileiro, peça-chave no combate à pandemia de covid-19.

O novo diretor preside ao Conselho Regional de Medicina Veterinária do Distrito Federal, que inclui a capital, Brasília, e é funcionário da Secretaria de Saúde daquele Governo distrital desde 1989, segundo a Plataforma Lattes, que compila currículos de investigadores brasileiros.

Monteiro Cruz é mestre em Medicina Veterinária pela Universidade de Brasília e fez especialização em vigilância sanitária, com foco na leishmaniose visceral em cães.

A nomeação do veterinário foi questionada pelo ex-secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira.

“Nada contra os veterinários, mas esta pessoa que colocaram para coordenar o Programa Nacional de Imunização é um veterinário sem experiência com imunização. É lamentável que estejamos a ver este desmonte da Secretaria de vigilância em saúde”, disse Oliveira, citado pelo jornal Folha De S. Paulo.

Monteiro Cruz ocupará o lugar de Marcelo Wada, também formado em Medicina Veterinária, mas com mestrado em saúde coletiva e que era funcionário de carreira do Ministério da Saúde. Especializou-se ainda em epidemiologia pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, uma das maiores referências académicas no estudo da pandemia.

O Brasil totaliza 120.828 vítimas mortais e 3.862.311 casos de infeção pelo novo coronavírus, sendo o segundo país do mundo com maior número de infetados e mortos, apenas atrás dos Estados Unidos.

Com cerca de 212 milhões de habitantes e um elevado número de casos, o país sul-americano é considerado um laboratório ideal para testar potenciais vacinas, com farmacêuticas a procurarem agora verificar a sua eficácia e segurança.

Há duas semanas, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), organismo tutelado pelo Ministério da Saúde, aprovou o início dos ensaios clínicos no Brasil de uma nova vacina contra a covid-19, a quarta a ser experimentada no país contra o vírus.

A multinacional Johnson & Johnson recebeu autorização para testar a sua vacina em estudos clínicos na fase três (com milhares de pessoas), o que já está a ser feito no Brasil com imunizantes desenvolvidos pelo Reino Unido (AstraZeneca e Universidade de Oxford), China (Sinovac Biotech), e pelo consórcio BioNTech (Alemanha) e Wyeth/Pfizer (EUA).

Já na semana passada, o Governo do estado brasileiro do Paraná informou que deve submeter à Anvisa, dentro dos próximos 30 dias, o protocolo de validação para a fase três de estudos clínicos da vacina russa no país.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas medem temperatura a 4 mil borboletas (e revelam a influência do clima no seu habitat)

Um grupo de cientistas do Reino Unido recolheu 4 mil borboletas selvagens para medir a sua temperaturas, alertando que algumas das espécies mais reconhecidas do país estão em ameaça de colapso, e em risco de …

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …