“Verdade por Giulio Regeni”. Aluno foi assassinado no Egipto (e Itália pode já ter resolvido o mistério)

O estudante italiano Giulio Regeni mudou-se para o Cairo em setembro de 2015 para estudar os sindicatos independentes do Egipto para a sua tese de doutoramento na Universidade de Cambridge. Meses depois, o jovem de 28 anos foi encontrado morto na beira de uma rodovia, com queimaduras de cigarro, dentes partidos e ossos fraturados.

O The Wall Street Journal relata que, na semana passada, procuradores italianos apresentaram queixa contra quatro membros das forças de segurança egípcias pelo sequestro, tortura e morte de Giulio Regeni.

Esta foi a primeira investigação judicial completa sobre o alegado uso de detenção secreta pelos serviços de segurança egípcios, um abuso que grupos de direitos humanos dizem que milhares de egípcios sofreram.

“Esta será uma inspeção desta máquina que comete desaparecimentos e tortura, destacando como funciona”, disse Mohamed Lotfy, diretor da Comissão Egípcia de Direitos e Liberdades, um grupo não-governamental de direitos que representa a família Regeni. “Não inventaram uma nova máquina para Giulio. Usaram as ferramentas e práticas que usaram em tantos egípcios”.

O que emerge do depoimento de testemunhas, registos telefónicos e outras evidências é uma história de traição, engano e brutalidade e oferece uma visão rara do funcionamento do vasto estado de segurança do Egipto.

O que aconteceu a Giulio Regeni?

Regeni chamou a atenção dos serviços de segurança egípcios logo quando chegou ao Cairo.

Um dos principais sujeitos de investigação de Regeni, Mohammed Abdullah, o chefe do sindicato dos vendedores ambulantes, informou aos serviços de inteligência sobre o jovem italiano. Abdullah informava regularmente o seu contacto na temida Agência de Segurança Nacional do Egito (NSA), Majdi Ibrahim Abdel al-Sharif, que os procuradores italianos identificaram como o líder da operação egípcia contra Regeni.

A NSA suspeitava que Regeni poderia estar a tentar alimentar a agitação social através dos sindicatos, especialmente depois de Abdullah ter informado à NSA que o italiano se tinha oferecido para ajudar o seu sindicato a candidatar-se a uma subvenção de uma organização não governamental britânica de 10 mil libras.

Em 7 de janeiro de 2016, Abdullah usou uma câmara escondida para filmar Regeni a discutir o possível pedido de concessão – o que nunca aconteceu.

“Acreditamos que este foi o gatilho”, disse Sergio Colaiocco, o procurador italiano que liderou a investigação. “Pensaram que queria financiar uma revolução.”

Os serviços de segurança recrutaram outras duas pessoas para informar sobre Regeni: o seu colega de casa e um amigo egípcio na Universidade de Cambridge.

Regeni desapareceu em 25 de janeiro de 2016. Naquela noite, Regeni tomou a decisão improvisada de encontrar-se com um amigo italiano perto da Praça Tahrir e visitar juntos um professor egípcio no seu aniversário. Às 19h41, o Sr. Regeni enviou uma mensagem no Facebook à sua namorada na Ucrânia: “Vou ver o professor com Gennaro. Espero que a yoga esteja a correr indo bem. Avisa-me quando chegares em casa :)”.

Foi a última vez que qualquer um dos entes queridos de Regeni ouviu falar dele.

Pouco antes das 20h, Regeni foi sequestrado na sua estação de metro local e levado para uma esquadra de polícia próxima. Foi vendado e conduzido através do Nilo para os escritórios da NSA, dentro do terreno do Ministério do Interior do Egito.

No escritório nº 13 de uma villa de quatro andares, foi torturado durante dias, de acordo com o relato de uma testemunha. “A metade superior do seu corpo estava nua e havia sinais de tortura. Falava na sua língua, estava a delirar”, disse o ex-oficial da NSA aos investigadores italianos.

A Embaixada italiana foi informada do desaparecimento de Regeni horas após o ocorrido. Cinco dias depois, os pais voaram para o Cairo numa tentativa desesperada de encontrá-lo. Na altura, Regeni ainda estava vivo.

A NSA negou veementemente que as forças de segurança egípcias estivessem de alguma forma envolvidas no desaparecimento de Regeni. Porém, a testemunha da NSA disse que Regeni morreu sob custódia da agência. A causa da morte foi um golpe violento na nuca de Regeni nas 24 horas antes ou depois da noite de 1 de fevereiro, de acordo com uma autópsia realizada na Itália.

O corpo foi encontrado em 3 de fevereiro, atirado para atrás de um muro na beira de uma estrada empoeirada nos arredores do Cairo.

De quem é a culpa?

Nos meses que se seguiram à morte do italiano, as autoridades egípcias ofereceram várias explicações para a morte de Regeni, dizendo às autoridades italianas que pode ter morrido num acidente de carro ou após participar de uma festa de sexo.

Em março de 2016, o Ministério do Interior do Egito disse que as forças de segurança mataram cinco homens de uma gangue criminoso num tiroteio e encontraram o passaporte e os telemóveis de Regeni. Autoridades italianas, a família de Regeni e grupos de direitos humanos rejeitaram a história como um encobrimento para o assassinato.

Os procuradores egípcios concordaram, dizendo que a gangue não tinha nenhuma conexão com a morte de Regeni. Porém, no final de 2020, mudaram de rumo, dizendo que suspeitavam que a gangue fosse a responsável.

Ninguém foi acusado no Egito pela morte de Regeni.

Inicialmente, as autoridades judiciais egípcias partilharam algumas evidências com investigadores italianos, como registros telefónicos e depoimentos escritos. Mas também ocultaram evidências importantes, como imagens de vídeo filmadas perto da estação de metro no momento do desaparecimento de Regeni. Além disso, recusaram-se a partilhar informações sobre mais 13 potenciais suspeitos.

As autoridades egípcias pararam de colaborar totalmente no final de 2018.

Este mês, os procuradores italianos acusaram o major Sharif da NSA de sequestro, assassinato e lesões corporais graves. De acordo com uma testemunha, o major Sharif gabou-se em 2017 da operação contra Regeni durante uma conversa com um homólogo queniano.

Os quatro oficiais egípcios acusados serão julgados à revelia em Roma. Se forem considerados culpados, a Itália pode exigir a sua extradição. Mas é improvável que o Egito o conceda.

O procurador-chefe de Roma, Michele Prestipino, disse que o esforço dos investigadores italianos para descobrir a verdade vale a pena. “Prometemos fazer tudo o que pudéssemos para reunir evidências para determinar a responsabilidade total pelo que aconteceu. Devíamos isso a Giulio Regeni.

Os defensores dos direitos humanos esperam que o julgamento ajude a expor como sequestros, tortura e execuções extrajudiciais proliferaram sob o governo de Sisi, um ex-chefe militar que depôs o seu predecessor eleito em 2013.

  Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Líder do PCP diz que problemas do país "não se resolvem com dramatizações"

O secretário-geral do PCP defendeu, este sábado, que os problemas do país "não se resolvem com dramatizações ou com o agigantar de dificuldades sobre o futuro", numa crítica ao Governo. Num discurso de quase 30 minutos …

Marcelo fez o que podia para prevenir crise política. Agora, fica à espera do diálogo

O Presidente da República transmitiu, este sábado, que fez em público e privado o que podia para prevenir junto dos partidos uma crise política e afirmou que espera diálogo sobre o Orçamento do Estado nos …

Candidato do Chega detido por tentativa de homicídio de família sueca

O suspeito da tentativa de homicídio de uma família sueca em Moura, Beja, foi candidato do Chega à freguesia de Póvoa de São Miguel nas últimas eleições autárquicas. O líder do partido já condenou este …

A judoca Bárbara Timo

Judoca Bárbara Timo conquista ouro nos -63kg no Grand Slam de Paris

A judoca portuguesa Bárbara Timo conquistou, este sábado, a medalha de ouro no primeiro dia do Grand Slam de Paris, na sua estreia na categoria -63 kg em provas do circuito mundial. Bárbara Timo, de 30 …

Afinal, o início do Universo pode nunca ter realmente existido

Investigador português da Universidade de Liverpool partiu da teoria dos conjuntos causais para pôr em causa alguns dos conceitos mais importantes na complexa evolução do Universo. A ideia de que o nosso universo foi criado através …

Exoplaneta gigante conseguiu sobreviver à morte da sua estrela

Cientistas encontraram um exoplaneta gigante que parece ter conseguido sobreviver à morte da sua estrela, orbitando neste momento uma anã branca. As anãs brancas são o processo final de estrelas e chegam a ser tão densas …

Homem budista a meditar

O tukdam - um estado mental "meio-morto" dos monges budistas - é o novo fascínio da ciência

Os monges budistas conseguem chegar a um estado de meditação tão profunda que não é detectada qualquer actividade cerebral. No Budismo no Tibete, há um conceito mítico conhecido como "thukdam" ou "tukdam". Acredita-se que este é …

Trofense 1-2 Benfica | Águias passam a rasar

O Benfica, da I Liga, venceu hoje o Trofense, da II Liga, por 2-1, no prolongamento, depois do 1-1 no tempo regulamentar, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue …

Como nasceu o mito dos vampiros? Mais doenças e menos Drácula

Os vampiros são um mito com séculos de história e que podem estar associados a doenças como a raiva e a pelagra — e não ao Drácula. O vampiro é uma imagem comum na cultura pop …

Edifícios impressos em 3D pelo exército norte-americano

Exército dos EUA pode agora imprimir edifícios de cimento em 3D em zonas de desastre

O objectivo da tecnologia é facilitar a construção de casas e pontes quando são precisas com urgência em zonas afectadas por catástrofes. O Corpo de Engenheiros do exército norte-americano pode agora imprimir quartéis, bunkers e outras …