Venezuela apela à denúncia de pessoas com sotaque estrangeiro no país

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o partido do Governo do Presidente, Nicolás Maduro, apelou na terça-feira aos venezuelanos que informem sobre a presença no país de pessoas com sotaque estrangeiro.

O pedido foi feito pelo vice-presidente do PSUV e presidente da Assembleia Constituinte (composta unicamente por simpatizante do regime), Diosdado Cabello, durante uma conferência de imprensa em Caracas, na qual esteve acompanhado pelo ex-ministro de Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez.

“Alerta máxima, redobrar os esforços nos próximos 75 dias até 6 de dezembro, [para quando estão marcadas as eleições legislativas], em cada rua e comunidade, e informar de maneira imediata sobre a chegada de pessoas que não sejam dessas ruas, que não sejam dessas comunidades, sobre pessoas que tenham sotaque estrangeiro”, disse.

Diosdado Cabello, que é tido como o segundo homem mais forte do chavismo, explicou que “os organismos de ‘inteligência’ [serviços de informação] detetaram movimentos que indicam que vão gerar violência, atacar os centros de Petróleos de Venezuela SA [PDVSA, empresa petrolífera estatal], de eletricidade, de água”.

“Queremos alertar ao grande Polo Patriótico (aliança de partidos afetos ao regime), mas especialmente a todo o povo venezuelano, aos movimentos sociais e às Unidades de Batalha Hugo Chávez” (Ubch, grupo de luta popular filiados no PSUV, criados para defender a revolução, com fins políticos e militares), disse.

Diosdado Cabello vincou: “Temos informação precisa que parte das instruções dadas pelo senhor Mike Pompeo [durante o recente périplo do secretário de Estado dos Estados Unidos à Guiana, Brasil e Colômbia] aos lacaios próximos de nós é gerar violência no nosso país, trazer à Venezuela a violência da Colômbia”.

“Depende de nós, da ‘inteligência social’ [serviços de informação popular], do nosso povo (…). Cada movimento estranho num setor deve ser informado de imediato”, frisou.

No sábado, o Presidente da Venezuela disse que o secretário de Estado norte-americano fracassou na “viagem de guerra” que realizava pela América do Sul. “Mike Pompeo anda numa viagem ‘guerreirista’ contra a Venezuela, mas saiu-lhe o tiro pela culatra e (…) fracassou em todas as suas tentativas de pôr os governos do continente a organizarem-se numa guerra contra a Venezuela”, afirmou Nicolás Maduro à televisão estatal venezuelana.

O Presidente alertou que “a direita macabra, terrorista, golpista e o Governo dos Estados Unidos ativaram planos para perturbar seriamente a paz na Venezuela”. Por isso, pediu à Milícia Nacional Bolivariana (MNB) que esteja “cada vez mais pronta, para defender a soberania e integridade territoriais” do país, e ao povo venezuelano “mil olhos e mil ouvidos”, pois “os inimigos da Venezuela estão numa fase de desespero porque a Venezuela vai consolidar a paz”.

“Deve garantir-se que os milicianos tenham acesso a armas para defender a nação, a treinos nas suas próprias paróquias (…), devemos apoiar mais a milícia em tudo”, defendeu.

Nicolás Maduro voltou a insistir que mesmo que “chova, troveje ou relampagueie haverá eleições em 6 de dezembro” e que a Venezuela estará “prevenida perante tentativas de ataques nesse dia”.

O chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, insistiu na sexta-feira, na Guiana, que o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, “deve sair” da cena política. O Governo dos Estados Unidos não reconhece Maduro como Presidente da Venezuela desde 2013, tendo, em 2018, reconhecido legitimidade ao líder da oposição Juan Guaidó como Presidente interino e insistido na necessidade de novas eleições “livres e democráticas”.

Maduro quer controlo de reservas de ouro

Os advogados que representam o Presidente da Venezuela argumentaram esta terça-feira num tribunal em Londres que a justiça britânica deve dar a Nicolás Maduro o controlo de 31 toneladas de ouro depositado no Banco de Inglaterra.

Durante a abertura do julgamento do recurso contra uma decisão judicial que dava ao líder da oposição, Juan Guaidó, autoridade sobre as reservas de ouro do Banco Central da Venezuela (BCV), o advogado Nick Vineall invocou uma declaração do governo britânico datada de 4 de fevereiro de 2019.

Nessa declaração, o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico reconheceu Guaidó como líder da Venezuela “de jure” (na lei), mas não “de facto” (de fato) porque na prática continua a tratar com o Governo de Maduro e os seus embaixadores.

O advogado pede ao Tribunal que considere esta distinção e aceite que Maduro é quem de facto controla as instituições venezuelanas e, portanto, deve ter acesso ao ouro guardado em Londres.

No comunicado do então chefe da diplomacia britânica, Jeremy Hunt afirmou que o Reino Unido reconhecia Guaidó como “presidente constitucional interino da Venezuela até que eleições credíveis possam ser realizadas”.

Mas Vineall entende que esse reconhecimento “de jure” é apenas “uma opinião sobre a legalidade, sob a proteção de uma Constituição estrangeira, de uma posição reivindicada”, mas não implica que o líder da oposição seja reconhecido como governante do país latino-americano.

Na sua opinião, se o Executivo londrino ignorasse o estatuto de Maduro estaria a violar as “suas prerrogativas” baseadas na legislação internacional, que impedem a “intervenção coerciva” nos assuntos internos de outro Estado.

O argumento foi apresentado esta terça-feira perante o Tribunal de Recurso de Londres, onde começou a ser analisado uma revisão da decisão do Tribunal Comercial de Londres tomada em julho a favor de uma administração nomeada para a BCV por Juan Guaidó.

O oposicionista e líder da Assembleia Nacional autoproclamou-se Presidente da República interino em janeiro de 2019 e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro, tendo recebido o apoio de quase 60 países, incluindo o Reino Unido.

O juiz Nigel Teare decidiu em julho que o governo britânico reconheceu “inequivocamente” Guaidó como um “presidente constitucional interino” da Venezuela e por isso deu à sua administração temporária do BCV – declarada ilegal na Venezuela e cujos membros vivem no estrangeiro – o poder sobre as 31 toneladas de ouro, que valem cerca de 1,3 mil milhões de dólares (1,11 mil milhões de euros).

Mas o governador do BCV, Calixto Ortega, ordenou aos seus advogados um recurso para inverter a decisão e obrigar o banco central britânico a cumprir uma ordem de transferência de 930 milhões de euros das reservas para um fundo da ONU para serem utilizadas no combate à covid-19 no país sul-americano.

O julgamento do recurso vai continuar até quinta-feira, com intervenções nas audiências em modo presencial e por videoconferência, mas a sentença só será conhecida mais tarde, numa data por determinar.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Verdadeiro socialismo em força. O povo a passar fome, refém do síndrome de Estocolmo, manipulado pelo medo da ameaça interna e externa. Viva a revolução, viva o ditador

RESPONDER

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …

Novo estudo diz que Remdesivir não tem "impacto significativo" nos doentes com covid-19

Ao contrário do que se pensava, o medicamento antiviral remdesivir não reduz as mortes entre os pacientes com covid-19, sobretudo quando comparado com o tratamento padrão, de acordo com os resultados de um estudo internacional. Em …