Gestor de fortunas suíço diz que Vara lhe entregou dinheiro vivo para contas na Suíça

Paulo Novais / Lusa

Armando Vara

O gestor de fortunas Michel Canals afirmou hoje em julgamento que Armando Vara lhe entregava dinheiro em numerário para depois, através de Francisco Canas, “aparecer” numa conta na Suíça que pertencia ao ex-ministro e à filha deste.

Michel Canals, gestor de fortunas suíço, falava como testemunha na primeira sessão do julgamento em que o antigo ministro e ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) Armando Vara responde por um crime de branqueamento de capitais.

O gestor de fortunas suíço, que fala italiano e precisou de intérprete, foi ouvido pelo tribunal por “whatsApp” (telemóvel), tendo revelado que foi gestor de conta de Armando Vara e da filha deste, Bárbara Vara, até 2007.

A testemunha disse que recebeu dinheiro em numerário em encontros mantidos com o ex-deputado socialista, verba essa que entregava posteriormente a Francisco Canas, proprietário de uma Casa de Câmbio em Lisboa, que fazia chegar o dinheiro ao banco suíço UBS” e à empresa ‘offshore’ VAMA, com sede no “Panamá ou nas ilhas Seychelles”, a qual era controlada por Vara e pela filha.

Segundo relatou a testemunha, Francisco Canas, tinha a facilidade de colocar o dinheiro na Suíça porque “não tinha residência fiscal” em Portugal.

Francisco Canas, também conhecido como “Zé das Medalhas”, e que já morreu, tinha uma Casa de Câmbio na baixa de Lisboa (Rua do Ouro), tendo chegado a ser um dos arguidos do caso “Monte Branco”, relacionado com o desvio e ocultação de grandes fortunas ao fisco português. A Casa de Câmbio, segundo a investigação do Ministério Público, servia de “fachada” para colocar milhões de euros em contas bancárias na Suíça.

No seu depoimento, Michel Canals admitiu que Armando Vara “era cliente da UBS” e teve nesse banco suíco uma conta em que o primeiro titular era a filha Bárbara Vara, mas que o ex-deputado “também podia assinar”, ou seja, movimentar.

Perante a crescente dificuldade em tornar as contas bancárias na Suíça “discretas” foi constituída uma sociedade ‘offshore’ (VAMA) que, segundo a sua memória, teria sede nas Seycheles ou no Panamá.

“Comecei a abrir contas ‘offshores’ porque as contas abertas [na Suíça] já não eram discretas”, justificou, lembrando que “antigamente as contas cifradas apenas eram conhecidas pelo banco e pelo cliente”, ou seja, por “poucas pessoas”. Foi por isso – acrescentou – que aconselhou os clientes a abrirem contas ‘offshores’ porque “deixou de haver segredo nas contas [bancárias]”.

Michel Canals admitiu que teve alguns encontros com Armando Vara, nem todos por causa da entrega de dinheiro, algumas vezes apenas para falar de investimentos.

A testemunha disse ainda que a partir de 2007, devido ao elevado número de clientes, deixou de ser gestor de conta de Armando Vara, o qual passou a tratar dos assuntos com o seu colega e gestor bancário José Pinto, que trabalhava “há muitos anos no UBS”.

Antes de Michel Canals, o coletivo de juízes inquiriu como testemunha o advogado e antigo presidente da RTP, João Carlos Silva, que admitiu ser amigo de Armando Vara e ter sido contactado por este porque havia um investidor imobiliário que pretendia adquirir uma casa em Lisboa.

Aceitando intermediar o negócio, a testemunha, com escritório de advogado no Porto, referiu que em 2008 passou então a gerir a Citiwide, uma empresa ‘offshore’, mas acrescentou que só anos mais tarde é que se apercebeu que o imóvel alvo de transação (compra e venda) era propriedade de Bárbara Vara e o comprador, era na realidade, o pai, Armando Vara.

Adiantou que, na altura, “o melhor era vender o apartamento (situado na avenida do Brasil) e devolver os fundos onde eles estavam e que isso foi feito”.

João Carlos Silva disse ainda que o apartamento foi vendido com a intenção de dissolver a sociedade, mas a ‘holding’ “já não tinha conta bancária”, pois a mesmo tinha sido judicialmente bloqueada.

A testemunha revelou que a venda do apartamento se efetuou pelo valor de 530 mil euros, após ter sido inicialmente adquirido por cerca de 400 mil euros, admitindo que ele próprio utilizou o saldo favorável para efetuar pagamentos de natureza fiscal e outros relacionados com a transmissão do seu escritório de advogado.

Ao contrário de Vara e de Bárbara Vara, João Carlos Silva nunca chegou a ser constituído arguido nas investigações, embora o seu escritório tivesse sido alvo de buscas em 2017.

Vara não quis hoje, e para já, prestar declarações, e está dispensado da próxima sessão (16 de junho), tendo a sua defesa prescindido de fazer o contra-interrogatório às testemunhas João Carlos Silva e Michel canals.

Armando Vara está desde 16 de janeiro de 2019 a cumprir uma pena de cinco anos de prisão por três crimes de tráfico de influências, condenação que transitou em julgado em dezembro de 2018, após vários recursos sem sucesso.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"A melhor seleção do mundo é a Bélgica"

Elogios do selecionador da Dinamarca ao adversário, mas ainda mais elogios aos seus jogadores, apesar de nova derrota dinamarquesa. Dois jogos em casa, duas derrotas. Apesar de realizar os seus encontros em Copenhaga, a Dinamarca está …

Se extraterrestres visitassem a Terra "não estariam vivos", diz astrónomo do SETI

Especialistas do Search for Extraterrestrial Intelligence (SETI), entidade que tem por objetivo a busca de vida no espaço, estão a afastar-se cada vez mais da ideia de encontrar inteligência extraterrestre igual à humana. Num artigo de …

Cientistas ajudam enxames de drones a evitar obstáculos (copiando o instinto dos pássaros)

Uma equipa de engenheiros da EPFL, na Suíça, desenvolveu um modelo de controlo preditivo que permite que enxames de drones voem em ambientes confusos com rapidez e segurança. Usar enxames de drones tem imensas vantagens, mas …

Países Baixos 2-0 Áustria | Laranja embala e carimba oitavos

Os Países Baixos venceram hoje a Áustria por 2-0, em jogo da segunda jornada do Grupo C do Euro2020 de futebol, e são a terceira seleção a garantir o apuramento para os oitavos de final …

Espanhol condenado a 15 anos por matar a mãe e alimentar-se dos seus restos mortais

Um espanhol de 28 anos foi condenado a 15 anos de prisão por matar a mãe e alimentar-se dos seus restos mortais, que partilhou com o cão. Em maio deste ano, um júri do tribunal da …

Mistério do "Tremor de Céu" em San Diego desvendado. Foram os Marines

Há fortes indícios de que o misterioso estrondo ouvido a semana passada na região de San Diego foi causado por uma aeronave supersónica em missão de treino ao largo da costa californiana. Os US Marines …

Federação arquivou caso Diakhaby

Valência não gostou da decisão e vai tentar prolongar o processo à volta do alegado insulto racista no jogo com o Cádiz. O Comité de Competição da Real Federação Espanhola de Futebol arquivou a denúncia de …

Um orangotango ameaçado de extinção vagueou por uma aldeia remota da Indonésia

Um orangotango de Bornéu vagueou por uma aldeia remota da Indonésia e foi ajudado pelos residentes locais durante vários dias. Apesar de ligeiramente alarmados, os habitantes foram acolhedoras naquele que foi um encontro improvável entre …

França inicia vacinação contra a covid-19 em jovens com 12 anos

Perceval Gete, um adolescente francês de 12 anos, foi uma das pessoas mais jovens na Europa a receber a vacina contra a covid-19, na terça-feira. O adolescente deslocou-se a um centro de vacinação perto de Paris, …

Cidade na Florida vendeu (por engano) o seu depósito de água

O empresário Bobby Read comprou um prédio municipal numa pequena cidade da Florida, Brooksville. Mas não estava à espera de receber um "bónus": a torre do depósito de água. Em abril, Bobby Read, um personal trainer …