Vacinação de menores de 12 anos pode ser decisiva para reduzir contágios. Pfizer vai pedir aprovação “dentro de semanas”

A vacinação de menores de 12 anos contra a covid-19 é considerada determinante para reduzir os contágios por covid-19 e para combater a variante Delta, mas os reguladores aguardam resultados de ensaios clínicos para decidirem. A Pfizer vai pedir a aprovação da vacina para estes jovens dentro de “algumas semanas”.

Um responsável da BioNTech, a empresa que trabalhou com a Pfizer no desenvolvimento da vacina contra a covid-19, anunciou, numa entrevista, que a farmacêutica vai pedir a aprovação para imunizar crianças com idades entre os 5 e os 11 anos “dentro de algumas semanas”.

“As coisas estão a correr bem, está tudo a decorrer conforme o planeado“, salienta o director executivo da BioNTech, Ugur Sahin, em entrevista à revista alemã Der Spiegel, conforme cita a Forbes.

A farmacêutica estará prestes a divulgar os resultados de ensaios clínicos feitos nesta faixa etária.

Entretanto, a Pfizer prepara-se para avançar com o pedido de aprovação para a vacina em crianças entre os seis meses e os dois anos. Neste caso, o pedido deve ser feito até ao final do ano.

EMA ainda sem pedidos para menores de 12 anos

Para já, a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) confirmou à Lusa que ainda não recebeu nenhum pedido das empresas farmacêuticas para aprovar a vacinação de crianças com menos de 12 anos.

Uma fonte do regulador europeu explica ainda que esta avaliação é sempre realizada de acordo com um plano de investigação pediátrica.

Os ensaios clínicos pediátricos são geralmente estruturados para que uma vacina seja estudada primeiro em adolescentes e, progressivamente, em crianças menores de 12 anos.

Assim que os dados de uma faixa etária mostram que a vacina é segura e que confere uma boa resposta imunitária, as farmacêuticas podem enviar os dados à EMA para a sua aprovação nessa faixa etária, adianta a mesma fonte.

As duas vacinas de tecnologia RNA mensageiro (mRNA) aprovadas pela EMA e que estão a ser administradas na União Europeia (UE) podem ser utilizadas em crianças, mas, para já, apenas a partir dos 12 anos.

A vacina do consórcio Pfizer/BioNTech foi aprovada para utilização em menores dos 12 aos 15 anos, na UE, em 28 de Maio de 2021.

Já a da farmacêutica Moderna recebeu a `luz verde´ da EMA para imunização de adolescentes entre os 12 e os 17 anos em Julho passado.

“Vamos continuar a acompanhar esta matéria e tentar compreender se estas vacinas podem ser usadas em crianças com menos de 12 anos”, disse na quinta-feira o responsável pela estratégia de vacinação da EMA, Marco Cavaleri, admitindo que os primeiros dados podem chegar às mãos do regulador durante o Outono.

“Variante Delta criou risco urgente para crianças”

Marco Cavaleri alertou ainda que nos Estado Unidos, com a disseminação da variante Delta, verifica-se um “grande aumento de hospitalizações que afectam, maioritariamente, adolescentes que não estão vacinados“, uma preocupação que a Academia Americana de Pediatras (AAP, na sigla em inglês) também partilha.

A organização, que junta cerca de 67 mil pediatras, escreveu em Agosto ao regulador norte-americano (FDA) a pedir para que as “vacinas covid-19 para crianças possam ser autorizadas o mais rapidamente possível, para que as crianças de todas as idades possam beneficiar delas”.

A propagação da variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2, que é também a predominante nos Estados Unidos, está na base do repto lançado por esta associação de pediatria à FDA, tendo em conta que, segundo os seus dados, em Agosto verificou-se o “maior aumento percentual por semana em casos pediátricos de covid-19 desde o início da pandemia”.

“A variante Delta criou um risco novo e urgente para crianças e adolescentes em todo o país, assim como também para adultos não vacinados”, alertou a associação, ao avançar que, desde o início da pandemia, as crianças representaram 14,3% do total de casos acumulados de infecção pelo novo coronavírus, percentagem que, recentemente, aumentou para 19% nos Estados Unidos.

Novas infecções em jovens a baixar em Portugal

Em Portugal, dados recentes da Direção-Geral da Saúde indicam que a incidência de novas infecções nos jovens por 100 mil habitantes acumulada a 14 dias está a baixar, apesar de continuar a apresentar valores bastante elevados.

Desde o início da pandemia, registaram-se cinco óbitos de crianças e jovens até aos 19 anos e um total de 117.281 infecções, o que representa cerca de 11% do total de mais de um milhão de casos positivos notificados em todo o país.

Nas últimas semanas, os menores têm sido o grande alvo da vacinação em Portugal, com mais de meio milhão de jovens entre os 12 e os 17 anos já com a primeira dose tomada – o que representa mais de 80% desta faixa – e quase 160 mil com a imunização completa (25%).

Benefícios superam os riscos, segundo especialistas

À questão se as crianças devem ser vacinadas contra o SARS-CoV-2, o virologista José Miguel Pereira responde que os benefícios dessa imunização superam os riscos, tendo em conta que “uma criança vacinada é menos uma que fica doente e é também uma fonte de contágio de menor importância“.

O investigador da Unidade da Interacção Hospedeiro-Patogeno do Instituto de Investigação de Medicamentos (iMed.ULisboa) da Universidade de Lisboa refere à Lusa que se as crianças forem vacinadas, a “infecção por SARS-CoV-2 será gradualmente menos transmitida com todos os benefícios que daí se podem antecipar”.

De acordo com o especialista em virologia, apesar de uma criança infectada correr um menor risco de contrair uma forma grave de covid-19 do que um adulto, a vacinação permite que seja “menos capaz de transmitir a infecção” a terceiros, uma vez que a sua carga viral, se existir, será mais reduzida do que se não tivesse imunizada.

Além disso, devido aos seus hábitos e comportamentos, as “crianças da faixa etária de menos de 12 anos são sempre propensas a transmitirem infecções que tenham como fonte de contágio as secreções respiratórias“, principalmente, em dois ambientes: em casa e na escola, alerta José Miguel Pereira.

“Em qualquer dos casos, a situação é mais importante quanto menos vacinados houver em cada um desses ambientes”, alerta o virologista.

A covid-19 provocou pelo menos 4.602.565 mortes em todo o mundo, entre mais de 223,06 milhões de infecções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde Março de 2020, morreram 17.843 pessoas e foram contabilizados 1.053.450 casos de infecção confirmados, segundo dados da Direcção-Geral da Saúde.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. “a variante Delta criou um risco urgente para crianças” e “novas infecções em jovens a baixar” na verdade a grande urgencia sao os lucros milionários das farmaceuticas porque para crianças saudaveis o risco da doença é menor que 0.1%. vacinar abaixo dos 50 anos não faz sentido a não ser na perspetiva financeira das farmaceuticas e o conluio com laboratorios e politicos. quando se fizer um estudo sério, com alguma distancia temporal, analisando o numero de mortos totais neste periodo, a sua causa e origem, vamos perceber quem foram os grandes beneficiados por esta gestão da doença.

RESPONDER

Cansado de denúncias, Betis pede aos seus sócios: "Portem-se bem"

Clube onde jogam dois portugueses quer que os adeptos tenham um "comportamento adequado" durante os jogos no Benito Villamarín. O Betis de Sevilha jogou seis vezes até agora, nesta época. Quatro desses encontros foram disputados em …

Junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, diz especialista da ONU

A junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, incluindo crianças com 20 semanas de idade, segundo o relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) destacado para o país, …

Regiões portuguesas entre as que mais colocaram trabalhadores em teletrabalho

  Apesar dos números elevados registados em Portugal, futuro do modelo está ainda em aberto, face à preferência dos patrões em ter os funcionários a trabalhar em ambiente de escritório. De acordo com dados revelados pelo Eurostat, …

Reino Unido em choque. Sabina Nessa pode ter sido assassinada por um estranho ainda em liberdade

Sabina Nessa, de 28 anos, terá sido assassinada enquanto caminhava pelo Cator Park, no sudeste de Londres, na passada sexta-feira. O percurso da sua casa até a um bar ia demorar apenas cinco minutos, mas …

A corrida a secretário-geral da UGT terá dois candidatos

É a primeira vez que a corrida à liderança da UGT conta com dois candidatos: além de José Abraão, atual dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Mário Mourão, presidente do Sindicato dos …

Colapso da Evergrande. China pede a governos regionais que se "preparem para a possível tempestade"

As autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais para se prepararem para um possível colapso da Evergrande. O The Wall Street Journal noticia, esta quinta-feira, que as autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais …

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …