Usar a coroa britânica é mais perigoso do que possa imaginar

Facundo Arrizabalaga / EPA

A Rainha Isabel II

A rainha Isabel II falou do perigo de usar a coroa britânica mais importante, pois as suas pedras preciosas tornam-na muito pesada, e do desconforto da carruagem que a transportou no dia da sua coroação em 1953.

A soberana, que nunca concede entrevistas, explicou detalhes da sua coroação na Abadia de Westminster, em Londres, para um programa sobre as jóias da coroa que vai para o ar este domingo pela BBC.

“Quando ponho a coroa, deixo de poder olhar para baixo para ler o discurso, tenho que o levantar. Se olhar para baixo, parto o pescoço“, contou a rainha sobre a coroa que usa na abertura formal do Parlamento britânico, onde deve ler o programa do Governo.

“Pelo que há desvantagens nas coroas, mas são coisas bastante importantes”, disse Isabel II, que também contou detalhes do dia da sua coroação, 2 de junho de 1953, um ano após suceder ao seu pai, o rei Jorge VI.

A coroa, chamada Imperial de Estado, foi feita para a coroação do seu pai em 1937 e conta com 2.868 diamantes, 17 safiras, 11 esmeraldas e centenas de pérolas, quatro das quais conhecidas como “brincos da rainha Isabel I”, bem como um grande rubi.

Inclui ainda a famosa pedra “Black Prince’s Ruby”, que Henrique V terá usado no seu capacete durante a Batalha de Agincourt, em 1415.

“Felizmente, o meu pai e eu temos a cabeça quase da mesma forma, mas uma vez que a ponho, fica fixa”, acrescentou Isabel II, de 91 anos, que no próximo 6 de fevereiro cumprirá 66 anos como chefe de Estado britânica.

A rainha também comentou o percurso que fez numa carruagem dourada desde o palácio de Buckingham até à Abadia de Westminster, que descreveu como “horrível” e “muito incómoda“.

Ao lembrar a sua coroação, Isabel II disse: “Suponho que é realmente o começo da vida como soberana”.

“É o tipo de desfile de cavalheirismo e uma antiquada forma de fazer as coisas. Vi uma coroação e fui destinatária da outra, algo que é bastante notável”, afirma a rainha ao programa “A Coroação”.

Jóias da coroa britânica escondidas dos nazis numa lata de biscoitos

A Renascença revela outra parte do documentário, no qual é revelado que a família real britânica escondeu as jóias que compõem a coroa numa lata de biscoitos durante a Segunda Grande Guerra.

Foi o assistente dos arquivos da rainha, Oliver Urquhart Irvine, que revelou ao especialista em assuntos da realeza Alastair Bruce, que apresenta o documentário, os detalhes do processo para pôr as joias a salvo dos nazis.

Oliver Urquhart Irvine leu as cartas enviadas pelo livreiro real à rainha Maria, mãe de Jorge VI. Foi este rei que mandou abrir um buraco profundo no castelo de Windsor para colocar a lata com as joias.

As cartas descreviam como foi escavado o buraco e criadas duas câmaras com portas de aço. O alçapão para aceder à área secreta onde a lata estava escondida ainda hoje existe.

A rainha não sabia de toda esta história, que lhe foi contada pelo comentador Alastair Bruce.

ZAP // EFE

PARTILHAR

RESPONDER

Rio acusa Governo de "partidarização" ao escolher Galamba para secretário de Estado

O presidente do PSD, Rio Rio, acusou esta segunda-feira o Governo de estar a “partidarizar a pasta da Energia”, reagindo a notícias que dão conta de que o deputado do PS João Galamba é o …

Encontrado vestígio de vida animal mais antigo de sempre

Investigadores da Universidade da Califórnia afirmam ter descoberto o vestígio mais antigo de vida animal conhecido, de formas de vida que existiram há mais de 635 milhões de anos. O estudo publicado esta segunda-feira na revista …

Inundações no sul de França fazem 12 mortos

O número de mortos nas inundações na zona de Carcassonne, na região de Aude, no sudoeste de França, subiu para 12, anunciaram nesta segunda-feira as autoridades, referindo que há uma pessoa desaparecida. O primeiro-ministro francês, Édouard …

Ursos polares famintos estão a comer baleias (e isso ajuda-os a sobreviver ao aquecimento)

Há mais de um ano, ursos polares reuniram-se num ilha ao largo da costa norte da Sibéria para devorar uma baleia morta. Um estudo recente defende que, no passado geológico, os ursos polares podem ter …

Morreu Paul Allen, cofundador da Microsoft

Paul Allen, cofundador da Microsoft, morreu com 65 anos durante a tarde desta segunda-feira, anunciou a sua empresa, a Vulcan Inc, em nome da família.  Paul Allen tinha retomado recentemente tratamentos contra um linfoma não-Hodgkin, diagnosticado …

Todas as missões da NASA deveriam procurar vida extraterrestre

A procura por sinais de vida alienígena deve fazer parte de todas as missões futuras da NASA. A organização deve expandir o seu leque sobre possíveis sinais extraterrestres, de forma a conseguir identificá-los, aponta um …

Cientistas alcançam a primeira aceleração de eletrões em ondas de plasma

Físicos demonstraram uma nova técnica para acelerar eletrões a energias muito altas em distâncias muito curtas, uma técnica que permitirá alcançar novos avanços na física de partículas a preços mais modestos. O Large Hadron Collider (LHC) …

Casais de ratos do mesmo sexo tiveram crias

Cientistas da Academia Chinesa fizeram nascer crias de ratos de casais do mesmo sexo através de uma nova técnica que utiliza células estaminais modificadas. A nova técnica desenvolvida pelos cientistas chineses mistura células estaminais modificadas que …

Cientistas revertem casos de Diabetes tipo 2

Num novo estudo, cientistas bloquearam a proteína VDAC1 nas células que produzem insulina e conseguiram reverter casos de Diabetes tipo 2. Os investigadores também conseguiram mostrar que é possível prevenir o surgimento da doença. O estudo, …

Brexit. May diz que acordo “ainda é possível”, mas divergência que resta é “frustrante”

A primeira-ministra britânica, Theresa May, admitiu esta segunda-feira que "ainda é possível" um acordo que permita uma saída ordeira do Reino Unido da União Europeia, mas a divergência que resta com Bruxelas é "frustrante. Numa declaração …