Um terço dos universitários de Lisboa já sofreu violência sexual física

Um terço dos estudantes universitários da área metropolitana de Lisboa já foi vítima de violência sexual física pelo menos uma vez, mas são muitos poucos os que denunciam as agressões, raramente o fazendo à própria instituição que frequentam.

As conclusões constam do estudo “Violência Sexual na Academia de Lisboa – Prevalência e Perceção dos Estudantes”, realizado pela Federação Académica de Lisboa (FAL) entre 2018 e 2019 com a “cooperação observante” de três instituições que desenvolvem trabalho no apoio a vítimas de violência: a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV); Quebrar o Silêncio; e União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR).

Na introdução do estudo a FAL explica que o seu objetivo é “abordar fundamentadamente a temática da violência sexual sobre a população estudantil do seu âmbito territorial” – a área metropolitana de Lisboa  e que pretendeu fazê-lo analisando três dimensões: a perceção dos estudantes sobre o que constitui, ou não, violência sexual; o sentimento de segurança e perceção de riscos associados à frequência do ensino superior; e a prevalência com que situações de violência ocorrem.

Do inquérito composto por 18 questões, colocadas a 1.052 estudantes que frequentavam o ensino superior em 2018, com idades entre os 17 e os 30 anos, mas com uma média de 21 anos, resultaram 955 respostas válidas que indicam que os alunos de Lisboa declararam, na sua maioria, já ter sido vítimas de violência sexual pelo menos uma vez.

A violência sexual de caráter físico, que envolve abuso, coação e violação, é aquela que tem menos casos reportados, mas ainda assim, 34,2% dos estudantes inquiridos “identificaram experienciar crimes relacionados, dos quais 12,2% demonstram que ocorreu mais do que uma vez”.

Neste aspeto, os contactos físicos íntimos e indesejados ou a coação para atos sexuais que envolvam penetração sem consentimento são as situações com maior número de casos reportados.

As respostas às questões, que podem ser agrupadas em três domínios – violência sexual física, emocional ou assédio – revelam ainda que são as situações de violência emocional que têm maior prevalência entre os universitários.

Ser alvo de comentários provocatórios de natureza sexual, geralmente apelidados de “piropos”, ou o incómodo com o olhar de outra pessoa são as situações de importunação sexual com impacto emocional abordadas no inquérito, as quais já foram vivenciadas por cerca de 80% dos estudantes, e reiteradamente, com 55% a indicar já ter passado pela situação várias vezes.

A maioria (61,4%) também afirmou já ter sido vítima de assédio sexual, seja presencialmente, com situações de exibicionismo, por exemplo, ou recebendo contactos telefónicos, mensagens ou fotografias de cariz sexual indesejado. Para 38,1% estas situações aconteceram mais do que uma vez.

O estudo indica ainda que 89% dos estudantes nunca contaram ou reportaram ter sido vítimas de violência sexual e quando o fizeram, dirigiram-se sobretudo à polícia (39,53%) ou a amigos e familiares (cerca de 35%). Apenas 11,63% dos casos foram denunciados à instituição de ensino superior.

Os agressores são maioritariamente pessoas conhecidas (32,58%) ou colegas dos estudantes (23,29%), mas incluem também pessoal não docente das instituições (16,74%) e docente (2,18%) e amigos (11,44%). Cerca de 13% das agressões são praticadas pelos parceiros íntimos dos estudantes.

Entre as recomendações do estudo da FAL estão a promoção de campanhas de sensibilização pelas instituições de ensino superior, mas também do Governo, junto dos estudantes “com vista a educar e desmistificar os conceitos de assédio e violência sexual, bem como qual deve ser a atuação perante uma ocorrência”.

Recomendam também a “criação de metodologias de denúncia de casos nas Instituições de Ensino Superior, com a respetiva divulgação dos procedimentos, procurando alertar para a importância da denúncia”; a “realização de um estudo a nível nacional, procurando a descrição do panorama mais alargado” que possa servir de “suporte a programas do Governo”, assim como a “definição de políticas públicas de combate ao assédio e violência sexual, estabelecendo um plano estratégico concreto e com objetivos bem definidos no âmbito da educação e segurança”.

O estudo é apresentado esta terça-feira numa sessão pública na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Rúbenball", quatro expulsos e lenços brancos. Sporting cai com estrondo em Braga

O Sporting caiu nas meias-finais da Allianz Cup, num jogo que terminou com quatro expulsões. Uma entrada dura de Mathieu despoletou uma enorme confusão dentro de campo. O Sporting de Braga está na final da Allianz …

Luanda Leaks. Administradores não executivos da NOS chamados pelo Comité de Ética

O Comité de Ética e a Comissão de Governo Societário da NOS decidiu chamar os três administradores não executivos da operadora citados no escândalo Luanda Leaks. Esta decisão foi tomada antes de uma reunião do …

"Ataque contra a imprensa livre." Justiça brasileira acusa jornalista Glenn Greenwald de cometer cibercrimes

O Ministério Público Federal acusou o jornalista Glenn Greenwald por "auxiliar, orientar e incentivar" um grupo de hackers que acedeu aos telemóveis do ex-juiz e ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e dos …

United faz nova proposta por Bruno Fernandes. Saída pode ficar fechada esta quarta-feira

Sporting e Manchester United retomaram as negociações por Bruno Fernandes esta semana, podendo a saída do médio dos leões ser confirmada ainda esta quarta-feira, segundo escreve o desportivo A Bola. De acordo com o jornal, …

Portugal tem de ser "implacável" no combate à corrupção, diz Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, assegurou na terça-feira que o Governo vai continuar a aprofundar a cooperação com Angola, a respeitar a independência judicial e "não ser precipitado a tirar conclusões", após as …

Ministério das Finanças já admite “documento de trabalho” sobre injeção no Novo Banco

Depois de negar ter recebido uma proposta do Banco de Portugal (BdP) com a hipótese de uma injeção final de 1,4 mil milhões no Novo Banco, o Ministério das Finanças, liderado por Mário Centeno, já …

Lobo d'Ávila: "No dia em que quisermos ser um Chega II não seremos o CDS"

O candidato à liderança do CDS Filipe Lobo d’Ávila acha que o partido “não deve cair na tentação” nem cometer o “erro tremendo” de tornar-se num “Chega II”, porque há “um mundo de diferenças” entre …

Em busca da câmara oculta. Cientistas querem voltar a "bombardear" a Grande Pirâmide de Gizé com raios cósmicos

Uma equipa de cientistas quer "bombardear" a Grande Pirâmide de Gizé, no Egito, com raios cósmicos para confirmar a existência de uma câmara interna, detetada numa outra investigação anterior. A informação é avançada pelo portal …

Primo de Sócrates garante que o dinheiro que tinha nas contas era seu

José Paulo Pinto de Sousa, primo de José Sócrates e arguido na Operação Marquês, afirmou ao juiz que era dono do dinheiro que o Ministério Público diz pertencer ao antigo primeiro-ministro, segundo fonte ligada ao …

Telemóvel de Jeff Bezos terá sido hackeado por príncipe herdeiro saudita

O telemóvel do dono da Amazon Jeff Bezos terá sido hackeado pelo príncipe da coroa saudita Mohammed bin Salman em maio de 2018, revela uma investigação do The Guardian. O multimilionário norte-americano Jeff Bezos, CEO da …