UGT quer salário mínimo de 1.000 euros em 2028

Manuel de Almeida / Lusa

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, defendeu a necessidade de acabar com a política de baixos salários e precariedade.

Carlos Silva, secretário-geral da UGT, defendeu esta quinta-feira que o Governo socialista tem obrigação de aumentar os salários e propôs que o salário mínimo nacional (SMN) suba para 1.000 euros até 2028.

“Este é um Governo socialista, que conta com o apoio da esquerda no Parlamento, tem o dever social de fazer subir os salários”, disse o sindicalista em conferência de imprensa, acrescentando que é a palavra do primeiro-ministro que está em causa, que assumiu no congresso socialista de Portimão que “chega de baixos salários”.

O sindicalista lembrou a promessa do Governo, no sentido de fixar o SMN nos 750 euros em 2023, e apresentou a nova proposta da UGT, para a legislatura seguinte, com o objetivo de alcançar os 1.000 euros em 2028.

O secretário-geral da UGT defendeu a necessidade de acabar com a política de baixos salários e precariedade e defendeu que o Governo tem de dar o exemplo, aumentado os salários dos trabalhadores da administração pública, que tiveram o último aumento em 2009.

O Governo tem de dar o exemplo e exigimos que dê um passo em frente”, afirmou Carlos Silva aos jornalistas, após uma reunião do Secretariado Nacional.

Carlos Silva disse que não tem “qualquer expectativa positiva” relativamente à posição das confederações patronais sobre as propostas de aumentos salariais, dado que reagiram com “enorme resistência” aos aumentos do salário mínimo dos últimos anos. “Mas cabe-nos a nós apresentar propostas e ao Governo dizer que sim ou que não”, disse.

Para o sindicalista a valorização dos salários tem de ser feita por iniciativa do Governo, com o aumento do SMN, dado que a contratação coletiva está bloqueada. Para contrariar esta situação a UGT defendeu também “alterações cirúrgicas” à legislação laboral, nomeadamente retirando a possibilidade de caducidade das convenções coletivas.

Segundo Carlos Silva, a UGT vai também propor ao Governo que fiscalize e penalize as empresas que, durante a pandemia, receberam apoios do Estado para manter o emprego e agora estão a proceder a despedimentos.

A UGT aprovou a sua proposta de política reivindicativa para 2022 que prevê aumentos salariais de pelo menos 50 euros para todos os trabalhadores em 2022 e a fixação do salário mínimo nacional nos 715 euros.

A proposta aprovada por unanimidade pelo Secretariado Nacional da UGT defende também que os aumentos salariais a negociar na contratação coletiva devem situar-se entre os 2% e os 4%, nunca ficando abaixo dos 50 euros por trabalhador.

Além da valorização geral dos salários, no documento é também reivindicado o desagravamento fiscal, o alargamento da proteção social, o combate às desigualdades e melhores condições para a promoção da conciliação da vida profissional com a vida pessoal.

No ano passado, a UGT reivindicou aumentos salariais entre 1,5% e 3%, com um aumento mínimo de 35 euros. A UGT vai enviar a sua proposta de política reivindicativa aos partidos e aos grupos parlamentares e vai apresentá-la ao Governo em sede de concertação social.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bloco quer acordo escrito e Costa não diz que não. PCP diz que não houve avanços

O primeiro-ministro defendeu, esta sexta-feira, que a aprovação do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) não se prende em questões formais, mas sem excluir um "acordo escrito", tal como pediram os bloquistas. "Se quiserem um acordo …

Mulher de Rendeiro tem cinco dias para entregar obras de arte em falta

A mulher do ex-banqueiro será interrogada pelo tribunal na próxima sexta-feira e tem até quarta-feira para entregar à Polícia Judiciária (PJ) 15 obras de arte apreendidas em 2010 e que em recente diligência não foram …

Vacinação simultânea contra gripe e covid-19 arranca na segunda-feira

A vacinação em simultâneo contra a covid-19 e a gripe inicia-se na segunda-feira, abrangendo cerca de dois milhões de pessoas com 65 ou mais anos, adiantou à agência Lusa a diretora-geral da Saúde. "A norma vai …

Dois caranguejos à beira-mar

Os caranguejos são "hipnotizados" pelos campos eletromagnéticos dos cabos submarinos

Um novo estudo mostrou que os cabos submarinos podem estar a ter um "efeito hipnotizante" nos caranguejos castanhos. Mais preocupante: o campo eletromagnético produzido pelos cabos pode causar alterações celulares nos caranguejos comestíveis, tornando-os mais …

Método usa "capa de invisibilidade sonora" para fazer desaparecer objetos

Uma equipa de investigadores do Instituto de Geofísica de Zurique, na Suíça, desenvolveu um método que usa a acústica para ocultar objetos.  Quando ouvimos música, não ouvimos apenas as notas produzidas pelos instrumentos: estamos também imersos …

O planeta Vénus

Vénus já teve oceanos? De maneira nenhuma, dizem astrofísicos

Vénus já teve oceanos? Não, segundo o novo estudo de uma equipa de astrofísicos da Universidade de Genebra e da NCCR PlanetS, na Suíça. Nos últimos anos, vários estudos têm sugerido que Vénus pode já ter …

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …