REPUBLIC OF CRIMEA / Flickr

A Ucrânia denunciou na terça-feira o que descreveu como a repressão contínua da Rússia à minoria tártara na península da Crimeia, anexada por Moscovo em 2014.

Esta denúncia foi expressada pelo ministro das Relações Externas, Dmytro Kuleba, ao assinalar o 77.º aniversário da deportação do grupo minoritário muçulmano pelo líder soviético Joseph Estaline. “Infelizmente, a Rússia continua a suprimir sistematicamente os tártaros da Crimeia”, disse em comunicado, citado agência France-Presse.

As declarações surgem logo após as tensões entre Kiev e Moscovo terem atingido o auge, com o Kremlin a enviar dezenas de milhares de soldados para a fronteira com a Ucrânia, visando realizar exercícios militares.

Os tártaros da Crimeia são uma minoria étnica predominantemente muçulmana, cuja grande maioria se opôs à tomada da Crimeia pela Rússia, afirmando que estão a ser perseguidos por se manifestarem contra o governo de Moscovo.

Kuleba disse na terça-feira que a Rússia está a “orquestrar repressões com base na religião, privando os tártaros da Crimeia dos seus direitos económicos e linguísticos, apresentando acusações criminais contra eles”. O ministro pediu que a deportação desta etnia, principalmente para a Ásia Central, fosse reconhecida como “genocídio”.

O Ministério das Relações Externas da Ucrânia indicou que cerca de 230 pessoas, incluindo cerca de 160 tártaros, foram perseguidos politicamente na Crimeia desde 2014. Mais de 50 pessoas, incluindo 25 tártaros, morreram no decorrer de ações iniciadas pelas autoridades russas, em particular como resultado de tortura.

A Rússia nega ter realizado repressões políticas, mas regularmente anuncia prisões de “terroristas” islâmicos ou pró-ucranianos na Crimeia. Desde a anexação, as autoridades russas na península proibiram os tártaros de comemorar as deportações da era estalinista, que se assinalam a 18 de maio.

Em 2017, a Organização das Nações Unidas estimou que a situação dos direitos humanos “se deteriorou significativamente” na Crimeia e acusou a Rússia de cometer, com impunidade, “múltiplas e graves violações”.

Taísa Pagno //