//

Sem mãos a medir. “Ubers” recuperam a procura, mas há falta de motoristas

1

Depois de mais de um ano em que a procura por serviços de transportes foi muito baixa – devido ao confinamento -, as plataformas eletrónicas não estão agora a conseguir dar resposta a todos os pedidos feitos pelos utilizadores.

Este é outro dos setores que enfrentam escassez de mão-de-obra disponível no mercado, à medida que a oferta de recursos humanos se vai ajustando à procura das empresas.

Numa altura em que a mobilidade começou a aumentar, as empresas não estão a conseguir dar resposta aos pedidos dos utilizadores nas aplicações, sendo que muitas das vezes, quando se tenta pedir um veículo, este ou já está ocupado, ou está a uma distância muito grande do ponto onde o utilizador se encontra.

Por outro lado, esta situação também faz com que os preços destes serviços acabem por subir.

Em declarações ao site ECO, um porta-voz da Uber, refere que “a procura está a recuperar mais rápido do que o esperado. Por isso, diríamos que existem no mercado bastantes oportunidades para parceiros e motoristas neste momento”.

Além desta empresa, também a Free Now nota uma grande falta de motoristas para assegurar os serviços aos utilizadores. “De momento, sentimos que a disponibilidade de motoristas é efetivamente escassa face ao aumento de procura que a nossa plataforma está a ter no contexto atual”, afirmou fonte oficial.

Já a Bolt – que detém uma plataforma de TVDE e uma plataforma de entrega de refeições ao domicílio (Bolt Food) – admite que empresa também está a assistir a “um aumento da procura dos vários serviços” que oferece, em resultado “do aumento da vacinação dos portugueses e aceleração do processo de desconfinamento em todo o país”.

Em alguns países, sobretudo nos EUA, a pandemia gerou distorções curiosas no mercado laboral, com o desemprego a permanecer elevado, apesar de o volume de ofertas de emprego estar em recordes.

Este fenómeno é justificado por alguns economistas com o facto do tipo de empregos que as pessoas procuram não corresponder, exatamente, às vagas abertas pelas empresas.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE