Televisão iraniana revela acordos para troca de prisioneiros, EUA negam

(h) rouhani.ir

O presidente do Irão, Hassan Rohani (Rouhani)

A televisão estatal iraniana anunciou este domingo que foram feitos acordos para libertar prisioneiros com ligações ocidentais mantidos no Irão em troca de milhões de dólares dos Estados Unidos e Reino Unido, uma negociação que, pelo menos, os EUA já negaram.

A reportagem estatal da TV citou um oficial anónimo no momento em que o líder supremo, Ali Khamenei, começou a fazer o que as autoridades descreveram como um discurso “importante”.

No entanto, Khamenei não discutiu qualquer troca proposta às negociações em Viena sobre o acordo nuclear de Teerão com as duas potências mundiais.

O funcionário disse que foi feito um acordo entre os Estados Unidos e Teerão que resultará numa troca de prisioneiros em troca sete mil milhões dólares de fundos iranianos congelados. Washington não reconheceu qualquer acordo.

“Os americanos aceitaram pagar sete mil milhões de dólares e trocar quatro iranianos que estavam a contornar as sanções por quatro espiões americanos que cumpriram parte de suas sentenças”, disse a TV estatal, citando o oficial.

Teerão mantém quatro norte-americanos detidos, entre eles estão Baquer e Siamak Namazi, o ambientalista Morad Tahbaz e o empresário iraniano-americano Emad Shargi.

A reportagem da TV estatal não nomeou imediatamente os iranianos que Teerão esperava receber na troca.

A TV estatal também citou o funcionário dizendo que foi fechado um acordo para o Reino Unido pagar 400 milhões de libras para ver a libertação da cidadã com dupla nacionalidade iraniana-britânica Nazanin Zaghari-Ratcliffe.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, já negou essas informações: “As declarações de que um acordo de troca de prisioneiros foi alcançado não são verdadeiras”.

“Como temos dito, [nas conversas diplomáticas] abordamos sempre os casos de americanos detidos ou desaparecidos no Irão. Não vamos parar enquanto não conseguirmos reuni-los com as suas famílias”, acrescentou.

O gabinete do primeiro-ministro Boris Johnson encaminhou as ligações para o Ministério das Relações Exteriores, que não puderam ser contactados, refere a Associated Press.

Na semana passada, Zaghari-Ratcliffe foi condenada a mais um ano de prisão, sob a acusação de espalhar “propaganda contra o sistema” por participação num protesto em frente à embaixada iraniana em Londres, em 2009.

Zaghari-Ratcliffe cumpriu uma sentença de prisão de cinco anos na República Islâmica, após ser condenada por conspirar pela queda do governo do Irão, uma acusação negada pela própria.

Enquanto trabalhava na Thomson Reuters Foundation, foi levada sob custódia no aeroporto de Teerão em abril de 2016 quando voltava para casa na Grã-Bretanha depois de visitar a família.

Tulip Siddiq, advogada local de Zaghari-Ratcliffe em Londres e ativista declarada pela sua libertação, disse estar “ciente” de notícias sobre a dívida que está sendo paga para garantir a liberdade de Zaghari-Ratcliffe, mas que “falou com sua família e eles não tinham qualquer conhecimento”.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.