Trump sofre pesada derrota política e não consegue acabar com Obamacare

Olivier Douliery / POOL / EPA

Donald Trump reage à sua primeira derrota política enquanto presidente

Donald Trump reage à sua primeira derrota política enquanto presidente

O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma pesada derrota política, após solicitar aos republicanos que retirassem um projeto de lei emblemático de reforma do sistema de acesso aos cuidados de saúde, por falta de maioria na Câmara dos Representantes.

Segundo uma fonte do Congresso norte-americano, o presidente da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, falou esta sexta-feira com Donald Trump “e o Presidente solicitou-lhe que retirasse o projeto de lei” de reforma do acesso aos cuidados de saúde.

A retirada da que foi uma das principais promessas eleitorais de Donald Trump representa um enorme fracasso pessoal para o presidente norte-americano, que tem projetado a imagem de alguém com talento de negociador.

Trump colocou nos últimos dias todo o seu peso na balança, deslocando-se pessoalmente ao Congresso e fazendo numerosas chamadas telefónicas para procurar convencer os republicanos dissidentes.

Para estes, a proposta ou vai demasiado longe no desmantelamento da legislação do ex-Presidente Barack Obama, o chamado Obamacare, ou fica muito aquém deste desmantelamento, como entendem um conjunto de congressistas ultraconservadores.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, tinha já antes dado a entender que a presidência esperava um revés no congresso. “Donald Trump fez tudo o que era possível para que a lei fosse aprovada”, disse Spicer.

Os 430 membros da Câmara dos Representantes (193 democratas e 237 republicanos) deviam fazer a votação cerca das 19:30 de Lisboa. Mas o número de republicanos que tinham anunciado a sua oposição ultrapassava os 30, o que garantia a derrota na votação, uma vez que a minoria democrata estava totalmente contra.

O Presidente norte-americano garantiu esta sexta-feira que a aprovação da substituição da lei do acesso aos cuidados de saúde esteve “muito perto”, mas que agora vai passar “provavelmente” para propostas de reforma fiscal.

Em declarações feitas na Casa Branca, Trump reagiu à sua primeira derrota declarando que a atual lei, aprovada durante a Presidência do seu antecessor, Barack Obama, o chamado ‘Obamacare’, vai “explodir”, mas que agora vai avançar para uma outra área, “provavelmente” a fiscal.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Hihihi, anos e anos e anos de “republicanos” a ladrar contra o obamacare e agora não querem fazer nada quando têm a maioiria em todo o lado? Os votantes deles vão mesmo entender.

RESPONDER

Seul vai aceitar descarga de água radioativa de Fukushima (se o Japão cumprir certas condições)

A Coreia do Sul aceitará, caso sejam cumpridas algumas condições, o plano do Governo japonês para despejar gradualmente no mar águas tratadas, mas ainda radioativas, da central nuclear destruída de Fukushima, segundo o Governo sul-coreano. O …

CDS vai apresentar projeto sobre enriquecimento ilícito. PSD só apoia medida que seja "eficaz e constitucional"

O CDS-PP vai apresentar no Parlamento um projeto sobre o enriquecimento ilícito, anunciou o presidente do partido esta terça-feira, antecipando que a iniciativa se debruçará sobre o poder político, o poder judicial e o funcionamento …

Deputada Cristina Rodrigues propõe campanha contra pirataria de jornais

A deputada não inscrita Cristina Rodrigues recomendou, esta segunda-feira, ao Governo a divulgação de uma campanha nacional que promova o combate à pirataria de jornais e revistas e que aumente a fiscalização relativa ao crime …

Fuga a notificações judiciais deixa 15 mil pessoas à margem da lei

A Direção-Geral da Administração da Justiça (DGAJ) divulgou uma lista com 15.178 nomes de cidadãos e gerentes de empresas procurados por não prestarem contas dos crimes cometidos. Dessa lista, 7900 são homens, 1401 mulheres, 5665 pessoas …

EMA encontra possível ligação entre vacina da Johnson & Johnson e coágulos, mas benefícios superam riscos

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) concluiu, esta terça-feira, que a vacina Janssen, do grupo Johnson & Johnson, tem uma "possível ligação" a casos muito raros de coágulos sanguíneos, mas insistiu que os benefícios do …

Emirados Árabes "empurram" Isabel dos Santos para fora do Dubai

Autoridades dos Emirados Árabes Unidos terão comunicado à empresária Isabel dos Santos "o desejo" de que esta abandone "tão cedo quanto possível" o Dubai. Uma posição que é vista como uma cedência a um pedido …

Ex-gestor do Grupo Espírito Santo vai ser julgado nos EUA. Pena pode chegar aos 65 anos

Paulo Murta vai ser julgado por um tribunal norte-americano após a sua extradição ter sido autorizada. Caso seja condenado, a sua pena pode chegar aos 65 anos. Paulo Murta, antigo gestor do Grupo Espírito Santo (GES) …

Horas após ser reeleito, Presidente do Chade morre vítima de ferimentos em combate

O Presidente do Chade, no poder há 30 anos, morreu, esta terça-feira, devido a ferimentos sofridos enquanto comandava o exército na luta contra rebeldes no norte do país durante o fim-de-semana. "O Presidente da República, chefe …

Iniciativa Liberal acusa comissão promotora de a tentar impedir de participar no desfile do 25 de Abril

A Iniciativa Liberal (IL) acusou, esta terça-feira, a comissão promotora do desfile do 25 de Abril de tentar impedir o partido de participar nas comemorações, pretendendo os liberais organizar o seu próprio desfile no mesmo …

EDP defende que venda de barragens não estava sujeita a imposto de selo

A EDP considera que a venda da concessão das barragens ao consórcio da Engie não beneficiou de isenção do Imposto do Selo prevista na lei desde 2020 porque a forma como a operação decorreu não …