Trump lança críticas ao seu próprio Departamento de Justiça

Kevin Lamarque / Reuters

Donald Trump

Donald Trump

O Presidente norte-americano criticou, esta segunda-feira, o seu próprio Departamento de Justiça por ter submetido à apreciação do Supremo Tribunal a “versão diluída e politicamente correta” do seu decreto presidencial anti-imigração que visa alguns países muçulmanos.

Num conjunto de mensagens publicadas hoje de manhã no Twitter, o chefe de Estado afirmou que o Departamento de Justiça norte-americano (o equivalente ao Ministério da Justiça) “deveria ter ficado” com a primeira versão da ordem executiva anti-imigração, que foi assinada em janeiro.

Esta versão estabelecia uma proibição de entrada nos Estados Unidos a imigrantes de sete países de maioria muçulmana (Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen). A proibição, com efeitos imediatos, era estabelecida para um período de três meses.

O decreto também previa a suspensão da chegada aos EUA de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias (para os refugiados sírios o prazo era indeterminado).

Em março, Trump assinou uma nova versão do decreto, retirando o Iraque da lista de países visados. Nesta nova versão, as pessoas com autorização de residência, que detém os conhecidos ‘green card’, e os titulares de vistos estavam explicitamente protegidos e podiam continuar a viajar para os Estados Unidos.

As duas ordens executivas acabaram por ser bloqueadas por tribunais federais.

Independentemente das críticas à sua própria administração, Trump afirmou hoje que o Departamento de Justiça deve solicitar uma audiência urgente ao Supremo Tribunal, a mais alta instância judicial nos EUA, “sobre a versão diluída” do decreto anti-imigração e “pedir uma versão muito mais restritiva”.

“Em qualquer dos casos, estamos a proceder a verificações extremas das pessoas que chegam aos Estados Unidos para manter a segurança do nosso país. Os tribunais são lentos e politizados“, escreveu ainda Trump.

Desde finais de maio, os Estados Unidos podem exigir aos requerentes de vistos, independentemente da sua nacionalidade, informações sobre a sua identidade e as suas contas nas redes sociais, medida que surge no âmbito do endurecimento da política migratória norte-americana.

Trump intensificou os apelos para a aplicação do seu decreto anti-imigração depois dos ataques terroristas ocorridos no último fim-de-semana em Londres.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …