Trump em França: segurança triplamente reforçada, Acordo de Paris e primeira dama “em boa forma”

Ian Langsdon / EPA

-

Macron abriu esta o Eliseu a Donald Trump, e estendeu a mão para quebrar o isolamento a que os líderes europeus votaram o Presidente dos EUA que duvida das Nações Unidas, da NATO e da Organização Mundial de Comércio.

A tensão indisfarçável que marcou o primeiro encontro entre Macron e Trump, e que voltou a manifestar-se nas interações seguintes, deu lugar a sorrisos e cumprimentos de ambos. Se antes havia desconfiança, agora existe entendimento – e um desejo de cooperar em áreas que vão do combate ao terrorismo à pirataria informática.

Segundo o jornal Público, a mensagem de Macron, ao receber Trump em Paris, não podia ser mais clara: a relação “especial” do eixo transatlântico passou a ser entre os EUA e a França. O Presidente francês aproveitou a oportunidade de se tornar “o interlocutor privilegiado de Trump na Europa”,

A chanceler alemã, Angela Merkel, por sua vez, já mostrou que entre ela e Trump não há qualquer “química”. E a primeira-ministra britânica, Theresa May, viu-se obrigada a adiar a visita do líder norte-americano a Londres. Macron deve-lhes agora um “obrigada”, pelo protagonismo “oferecido”.

O contraste entre o Presidente francês mais novo desde Napoleão, e o Presidente americano mais velho de sempre não podia ter resultado melhor para Emmanuel Macron.

A sua postura jovial e aberta, era não só um sinal de cosmopolitismo, pluralismo e internacionalismo, mas uma rejeição explícita da postura de Donald Trump – que nunca escondeu a sua preferência pessoal por Marine Le Pen na corrida presidencial francesa.

Donald Trump foi a Paris na véspera dos desfiles de 14 de Julho, o feriado nacional que assinala a tomada da Bastilha e simboliza o nascimento da República, e que este ano celebra ainda os cem anos da entrada dos Estados Unidos na I Guerra Mundial, ao lado das tropas francesas.

O Presidente norte americano aproveitou a paragem no monumento dos Invalides para prestar homenagem aos soldados dos EUA que participaram no desembarque da Normandia, em Junho de 1944.

Ao lado de três veteranos do Dia D, Trump lembrou que a aliança entre os EUA e a França foi “forjada nas brasas da guerra” e agradeceu a todos os “heróis que lutaram pela liberdade quando foi mais necessário”.

Segundo a imprensa norte-americana, Trump só concordou em viajar para França depois de saber que no programa constava o grandioso desfile “que era o tipo de espetáculo que gostava de ter tido na sua tomada de posse“: porta-bandeiras, guarda a cavalo, desfiles de infantaria e exibição de armamento, com caças F-16 e F-22 a sobrevoar o Arco do Triunfo.

Segurança reforçada

A segurança em Paris foi triplamente reforçada para o dia feriado, por causa da presença de Donald Trump na parada militar e por causa de uma marcha de protesto contra o Presidente dos EUA, marcada para a mesma hora, com partida da Place de Clichy.

O reforço na segurança marca também um ano desde o atentado de Nice que vitimou mortalmente 86 pessoas e manchou as celebrações do 14 de julho. O Presidente Emmanuel Macron voa esta sexta-feira para a cidade do Sul da França depois de se despedir da comitiva norte-americana.

Donald Trump referiu-se ao atentado de Nice durante a conferência de imprensa conjunta com Macron no final da reunião bilateral do Palácio do Eliseu. “Os EUA estão ao lado da França na sua batalha contra o extremismo“, sublinhou o Presidente que, há um ano, descreveu Paris como uma cidade perigosa e repleta de jihadista.

Os Campos Elísios serão, como manda a tradição, o centro das celebrações do feriado nacional em França, sob o olhar atento de Macron e de Trump. Este ano, pelo menos sete mil agentes da autoridade, entre polícias e bombeiros, vão acompanhar todas as movimentações na grande avenida – no total, em toda a cidade de Paris, haverá 11 mil polícias e bombeiros destacados para as festividades.

Ainda há esperança para o Acordo de Paris

Reunido com Macron, Trump levantou o véu sobre um dos assuntos discutidos entre os líderes. O “Acordo de Paris” esteve na ordem do dia, e o Presidente norte americano até deixou alguma esperança sobre voltar atrás na sua decisão de abandonar o acordo que rege medidas contra as alterações climáticas.

Pode ser que aconteça alguma coisa em relação ao Acordo de Paris, vamos ver. Vamos falar sobre isso nos próximos tempos, por isso se acontecer alguma coisa será maravilhoso, e se não acontecer também será OK”, respondeu Donald Trump.

Na conferência de imprensa conjunta, o presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que os dois líderes foram capazes de discutir a melhor forma de combater “a ameaça global de inimigos” que tentam desestabilizar o mundo atual, mas também reconheceu ter diferenças marcantes com Trump, nomeadamente no que diz respeito às alterações climáticas e ao Acordo de Paris.

Respeito a decisão do Presidente Trump. Está a cumprir o pensamento e o trabalho que acha adequados e que correspondem aos seus compromissos de campanha. Por minha parte, continuo comprometido com o Acordo de Paris e é meu desejo de continuar como parte deste acordo e avançar passo a passo, como previsto pelo acordo”, declarou o chefe de Estado francês.

A primeira dama francesa “está em tão boa forma. Muito bonita”

O presidente dos Estados Unidos olhou para a silhueta da primeira-dama francesa, Brigitte Macron: “Está em muito boa forma“, elogiou Trump, enquanto gesticulava com as mãos a “boa forma” da primeira dama.

Depois de repetir o comentário ao presidente francês, Trump voltou a dirigir-se a Brigitte Macron e terminou com outro elogio: “Muito bonita“. O caso aconteceu esta quinta-feira, durante a visita de Estado de Trump e Melania ao monumento dos Invalides com Emmanuel e Brigitte Macron.

Os elogios de Donald Trump não cairam bem e vários internautas criticaram o presidente norte-americano por considerarem os seus comentários “sexistas”. A visita de Estado oficial do de Donald e Melania ficou ainda marcada por outro episódio: o aperto de mão entre Trump e Brigitte, adianta o Observador.

Nas imagens pode ver-se um primeiro contacto entre Trump e Brigitte Macron antes de se cumprimentarem com um beijo, mas o presidente norte americano não largou a mão da primeira-dama durante uns largos segundos, chegando até a puxá-lo.

Os representantes da Casa Branca ainda não comentaram o caso. Donald e Melania Trump estão em Paris para as comemorações do 14 de julho, o dia nacional de França.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Pessoas com mais de 65 anos já podem agendar vacina contra a covid-19

As pessoas com mais de 65 anos já podem escolher a data e o local para serem vacinadas através do Portal do Auto-agendamento para Vacinação contra a covid-19, que entrou esta sexta-feira em funcionamento. Os Serviços …

Eventos-teste para retoma dos espetáculos acontecem este mês em Braga. Vão ter 400 espectadores

Os primeiros dois eventos-teste para preparar o regresso dos espetáculos ao vivo com um grande número de espectadores vão decorrer em Braga nos dias 29 e 30 de abril com cerca de 400 pessoas em …

De boas intenções está o inferno cheio. Acabar com voos até 600 km é "proibição cega"

O fim das viagens de avião com menos de 600 quilómetros, um desejo manifestado pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, é uma intenção "louvável". Ambientalistas e especialistas concordam, mas falam em "areia para os …

PSD deverá anunciar apoio a Isaltino Morais nos próximos dias

Depois de ter anunciado quase todos os candidatos autárquicos, o PSD deverá anunciar que se associa ao movimento independente "Isaltino Inovar Oeiras de Volta" liderado pelo ex-militante social-democrata. Contudo, este apoio não é consensual dividiu …

"Ela fez-nos a vida negra". Sobrinha de Sócrates exige parte da herança da avó

"Vou lutar por aquilo que é da minha filha por direito." As palavras são da viúva do irmão de José Sócrates, António Pinto de Sousa, que faleceu em 2011 depois de o ex-primeiro-ministro ter assumido, …

Portugal com mais uma morte e 506 novos casos de covid-19

Portugal registou, esta sexta-feira, mais uma morte e 506 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 506 …

Com novo máximo mundial de casos, Índia encontra-se com falta de oxigénio nos hospitais

Enquanto na Europa o número de mortes e de novos casos começa a estabilizar, alguns dos países mais pobres do mundo continuam a encurralados. A Índia está a passar por uma crise de oxigénio nos …

Braço de ferro continua. Oposição aprova medidas para os professores à revelia do Governo

A oposição aprovou medidas de alteração às regras nas carreiras docentes, depois de os deputados da oposição de um grupo de trabalho na Assembleia da República terem aprovado mudanças na carreira dos Técnicos Superiores de …

Quase um mês depois, Navalny anuncia o fim da greve de fome

O opositor russo, preso desde janeiro, anunciou esta sexta-feira o fim da greve de fome que iniciou há 24 dias para denunciar as condições da sua detenção. "Não retiro a exigência de ver o médico que …

Vieira pede adiamento de audição sobre Novo Banco devido a consulta médica

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, pediu o adiamento da audição na comissão de inquérito ao Novo Banco devido a uma consulta médica, inquirição que ocorrerá por ser um grande devedor do banco através …