Trump garante que ganharia a guerra com o Afeganistão numa semana. “O país desaparecia em 10 dias”

Michael Reynolds / Epa

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, garantiu esta segunda-feira, na Casa Branca, que ganharia a guerra com o Afeganistão, que dura desde 2001, em apenas “uma semana”.

“Poderia vencer essa guerra numa semana. Só não quero matar dez milhões de pessoas. Se eu quisesse vencer essa guerra, o Afeganistão desaparecia da face da Terra e estava acabado em, literalmente, dez dias. Eu não quero ir por esse caminho”, declarou o Presidente americano, junto de Imran Khan, o primeiro-ministro do Paquistão.

O encontro serviu para reforçar relações entre Estados Unidos e Paquistão, tal como escreve o jornal britânico The Guardian. No início de 2018, o Trump disse que os Estados Unidos iam deixar de ajudar financeiramente o país de Imran Khan.

“Demos ao Paquistão mais de 33 mil milhões de dólares em ajuda nos últimos 15 anos e eles só nos deram mentiras de volta, pensando nos nossos líderes como idiotas”, escreveu na altura o Presidente norte-americano no Twitter.

No entender do líder da Casa Branca, o Paquistão não estava a fazer o suficiente para travar o extremismo e, por isso, pôs fim a esta ajuda.

Agora, o financiamento pode estar prestes a voltar. No encontro desta segunda-feira, o líder dos Estados Unidos disse estar a considerar pagar ao Paquistão os 1.3 mil milhões de dólares (cerca de 1.1 mil milhões de euros) em ajuda que foram cancelados.

“O problema é que o Paquistão não estava a fazer nada por nós. Era uma situação subversiva. Para ser honesto, acho que temos agora uma relação melhor com o Paquistão do que quando estávamos a pagar esse dinheiro. Esse dinheiro pode agora voltar”, disse.

“O caminho para uma relação forte e duradoura entre o Paquistão e os Estados Unidos assenta num trabalho comum para encontrar uma solução pacífica para o conflito no Afeganistão”, pode ler-se num comunicado da Casa Branca, citado pelo mesmo jornal.

Atitude “responsável” de Xi Jinping

No mesmo encontro com o líder do Paquistão, Trump sublinhou que o líder da China, Xi Jinping, “atuou responsavelmente” nas grandes manifestações em Hong Kong contra uma proposta de lei de extradição que facilitaria o envio para Pequim de “fugitivos” refugiados.

“Julgo que o Presidente Xi da China atuou responsavelmente, muito responsavelmente. Estão a protestar há muito tempo”, disse o Presidente norte-americano.

“Sei que é uma situação muito importante para o Presidente Xi (…). Se quisesse, a China poderia parar os manifestantes”, acrescentou Trump, que adotou um tom cauteloso face aos protestos nas ruas de Hong Kong. No domingo, recorde-se, dezenas de milhares de pessoas regressaram às ruas para exigir reformas.

As manifestações, que se iniciaram há sete semanas, evoluíram da contestação à lei da extradição, que permitia o envio para a China de “fugitivos” ou suspeitos de crimes refugiados no território de Hong Kong, até reivindicações mais amplas sobre a melhoria dos mecanismos democráticos da cidade, cuja soberania foi recuperada pela China em 1997 com o compromisso de manter até 2047 as estruturas erguidas pela colonização britânica.

Os críticos consideram que a lei intimidará e penalizará os críticos e dissidentes do regime chinês, enquanto os seus defensores asseguram que procura preencher um vazio legal, por não existirem fórmulas legais de extradição entre Taiwan, Hong Kong e a China continental.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Professor detido por violar aluna menor dentro de escola em Faro

Um professor de 55 anos foi detido, nesta quarta-feira, por suspeitas de ter violado uma aluna de 14 anos no interior de uma escola do concelho de Vila Real de Santo António, no distrito de …

Governo vira-se para Rio para mudar a lei e garantir o novo aeroporto

O Governo está a preparar uma alteração à Lei para evitar que o projecto do novo aeroporto do Montijo seja chumbado. Uma medida que passará, necessariamente, pela necessidade de um entendimento entre PS e PSD …

"Entretenimento saudável". Santa Casa desvaloriza estudo sobre raspadinhas

O Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desvalorizou a investigação da Universidade do Minho que aponta para o vício das raspadinhas. Esta sexta-feira, um artigo científico publicado na The Lancet alertou para …

"Diga-lhe para ligar ao FBI". Autocarro com a cara do príncipe André circula em Londres

Um autocarro escolar, com a cara do príncipe André, andou a circular por Londres, esta sexta-feira, numa campanha da advogada Gloria Allred para pressionar o filho da Rainha a falar com o FBI. Esta sexta-feira, um autocarro …

Suspeito de terrorismo ouvido em tribunal (com o juiz a recusar ver os seus vídeos por não ter Internet)

O arguido Rómulo Costa, um dos oito portugueses acusados por financiamento ao terrorismo e recrutamento, adesão e apoio ao Estado Islâmico, foi interrogado, esta sexta-feira, na fase de instrução do processo que vai decorrer no …

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O FC Porto vai recorrer do castigo de um jogo à porta fechada, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por ofensa a um agente desportivo. "O FC Porto vai recorrer …

Moita Flores investigado por corrupção. Antigo PJ fala em "coincidência" com empréstimo aos filhos

Francisco Moita Flores, antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-presidente da Câmara de Santarém, está a ser investigado por suspeitas de corrupção. Há transferências de dinheiro de uma construtora para empresas a que esteve ligado …

SOS Animal vai constituir-se assistente no processo contra João Moura

A SOS Animal anunciou, esta sexta-feira, que se vai constituir assistente no processo criminal contra o cavaleiro tauromáquico detido, na quarta-feira, por suspeitas de maus-tratos a cães em Monforte, no distrito de Portalegre. Em comunicado, a SOS …

SMS de Rangel revelam teia de corrupção na Relação de Lisboa. Juiz Vaz das Neves tem empresa contra a lei

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, que foi constituído arguido na Operação Lex, tem uma empresa que se dedica à arbitragem extrajudicial de conflitos, o que constitui uma violação …

Presidente da PwC esteve em Lisboa para controlar danos do Luanda Leaks

O presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC) esteve em Lisboa, há duas semanas, para controlar os danos provocados pelo caso Luanda Leaks. Bob Moritz, presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC), esteve em Lisboa, há duas semanas, para perceber até …