Trump diz que o seu antigo diretor de campanha em julgamento é “boa pessoa”

Larry W. Smith / EPA

Donald Trump defendeu o antigo diretor da sua campanha eleitoral, Paul Manafort, que está a ser julgado por fraude financeira, considerando-o uma “muito boa pessoa”, quando o júri entrou no seu segundo dia de deliberações.

Manafort é acusado de esconder milhões de dólares ao fisco dos EUA, que obteve pelos serviços de assessoria a políticos apoiados pela Federação Russa na Ucrânia, e depois de mentir aos bancos para conseguir empréstimos quando a fonte daquelas receitas secou.

No total, Manafort enfrenta 18 acusações por evasão fiscal e fraude bancária. “Penso que todo o julgamento de Manafort é muito triste”, disse Trump aos jornalistas, na Casa Branca.

“Quando se vê o que está a acontecer, penso que é um dia muito triste para o nosso país”, afirmou. “Ele trabalhou para mim durante um muito curto período de tempo. Mas, sabem, acontece que ele é uma muito boa pessoa e penso que é muito triste o que ele fez ao Paul Manafort”.

O julgamento por fraude financeira é o primeiro teste em tribunal da investigação, que continua, sob a ingerência russa nas eleições presidenciais dos EUA, liderada pelo procurador especial Robert Mueller.

Apesar de as alegações de conluio entre a campanha de Trump e os russos continuarem a ser investigadas, as provas de fraude bancária e evasão fiscal reveladas durante o julgamento lançaram dúvidas sobre a integridade dos mais próximos conselheiros de Trump durante a campanha eleitoral.

Mas o destino de Manafort está longe de estar decidido. O caso implica que uma dúzia de jurados se envolvam nas complexidades das contas nos bancos estrangeiros e em empresas de fachada, regulações de créditos e regras fiscais.

O julgamento revelou pormenores do estilo de vida sumptuoso deste que foi íntimo dos círculos políticos, incluindo um casaco feito de pele de avestruz, que custou 15 mil dólares (13 mil euros), ou uma despesa de 900 mil dólares numa ‘boutique’ em Nova Iorque, por transferência bancária internacional.

O júri acabou o primeiro dia de deliberações com uma série de questões ao juiz, incluindo um pedido para “redefinir” o conceito de dúvida razoável.

As questões surgiram ao fim de sete horas de discussão e foram entregues, sob a forma de manuscrito, ao juiz T.S. Ellis III.

Juntamente com a questão da dúvida razoável, os jurados fizeram perguntas também sobre a lista de documentos apresentados em tribunal, as regras para reportar as contas em bancos estrangeiros e a definição de ‘shelf companies’ (empresas criadas mas que ficam sem actividade), um termo usado durante as audiências para descrever algumas das empresas estrangeiras usadas por Manafort.

A defesa de Manafort garantiu que este estava inocente, porque tinha entregue a gestão das suas finanças a terceiros. Ao contrário, o procurador Greg Andres afirmou, nas suas declarações finais: “Quando se segue a pista do dinheiro do senhor Manafort, está cheia de mentiras”.

Os advogados de Manafort procuraram invalidar o caso no seu conjunto, questionando a credibilidade do seu aliado de velha data, mas que agora é testemunha da acusação, Rick Gates.

Os procuradores afirmam que Manafort recebeu 60 milhões de dólares pela assessoria a um partido político ucraniano apoiado pelo Kremlin, e escondeu pelo menos 16 milhões de dólares ao fisco entre 2010 e 2014.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Infarmed já tem substituto para medicamento de Parkinson que esgotou

O Infarmed, Autoridade Nacional do Medicamento, garantiu uma alternativa ao Sinemet, medicamento para a doença de Parkinson que está esgotado nas farmácias portuguesas. "Na sequência das diversas reuniões com as empresas que têm medicamentos nesta área, …

Outono chega no domingo com temperaturas de verão

O outono começa no domingo com temperaturas acima dos 30 graus Celsius, podendo aproximar-se dos 40 nas regiões da Beira Baixa, Alentejo e Vale do Tejo, segundo Ricardo Tavares, do Instituto Português do Mar e …

Sánchez disposto a ir ao senado explicar “erro numa passagem” do seu livro

O primeiro-ministro espanhol disse, esta quinta-feira, que está disposto a ir ao senado explicar o "erro numa passagem" de um livro que escreveu e que "vai ser corrigido", avisando a oposição que vai continuar a …

Empresa austríaca cria método que transforma plástico em petróleo

A companhia petrolífera austríaca OMV apresentou esta quinta-feira um inovador procedimento que permite a produção de petróleo a partir de resíduos de plástico - material que é precisamente fabricado a partir deste recurso natural. A inovadora …

José Sócrates promete escrever um livro sobre a "traição" do PS

O ex-primeiro-ministro socialista compara a sua situação com a do ex-Presidente brasileiro Lula da Silva. A única diferença, segundo José Sócrates, é que "o PT manteve-se sempre ao lado de Lula". Numa entrevista ao Folha de …

Em nome da ciência, polvos tomaram ecstasy (e houve muito amor à mistura)

O que é que acontece quando um polvo consome drogas, mais concretamente ecstasy? Cientistas norte-americanos tiveram a oportunidade de realizar essa experiência. De acordo com o Science Alert, a equipa de investigadores deu MDMA, substância psicotrópica …

Recapitalização da CGD faz disparar défice de 0,9% para 3%

Sem a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), o défice orçamental de 2017 situar-se-ia nos 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas o cheque de quase 4 mil milhões de euros que o Governo …

Jovem foi violada quando estava inconsciente. Tribunal fala em "sedução mútua"

Uma jovem de 26 anos foi violada por dois indivíduos quando estava desmaiada, numa discoteca em Vila Nova de Gaia. A Relação do Porto entendeu que os criminosos não devem ser condenados a uma pena …

7 dos 10 políticos mais ricos de Portugal são do PS. Basílio tem 11 milhões

O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, tem um património superior a 11,5 milhões de euros, sendo assim o político em funções mais rico de Portugal. Os dados são avançados pela revista Sábado …

Trump ameaça paralisar Governo se não houver dinheiro para o muro

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou esta sexta-feira travar um acordo orçamental que permitiria evitar a paralisação das instituições federais do país, por este não prever financiamento para construir o seu desejado muro na fronteira …