O tratamento para a covid-19 pode já existir em medicamentos antigos

Robin Van Lonkhuijsen / EPA

O tratamento para a covid-19 pode já existir em medicamentos antigos usados para outras doenças. Os cientistas estão a usar partes do coronavírus para encontrá-los.

Um pouco por todo o mundo, equipas de investigadores estão já a tentar arranjar uma cura ou um tratamento eficaz contra a covid-19, que já matou mais de 35 mil pessoas em todo o mundo. Até quando para os cientistas encontrarem uma solução para esta pandemia?

O SARS-CoV-2, o coronavírus que causa a doença covid-19, é completamente novo e ataca as células de uma maneira nova. Todos os vírus são diferentes, assim como os medicamentos usados para tratá-los. É por isso que não havia um medicamento pronto para combater o novo coronavírus que surgiu apenas há alguns meses.

Encontrar pontos de vulnerabilidade e desenvolver um medicamento para tratar uma doença geralmente leva anos. Mas o novo coronavírus não está a dar ao mundo esse tipo de tempo. Com a maior parte do mundo bloqueada e a ameaça iminente de milhões de mortes, os investigadores precisam de encontrar um medicamento eficaz muito mais rapidamente.

Diante desta crise, uma equipe de investigadores aqui está a tentar descobrir como o vírus ataca as células. Mas, em vez de tentar criar um novo medicamento, está a verificar se existem hoje medicamentos disponíveis que possam combater o coronavírus. Até agora, identificaram 27 medicamentos aprovados pela FDA, a agência que regulamenta os medicamentos nos Estados Unidos, que esperam restringir e acelerar a investigação.

A equipa de 22 laboratórios está a trabalhar a uma velocidade vertiginosa – literalmente 24 horas por dia e em turnos – sete dias por semana.

Um adversário furtivo

Comparados às células humanas, os vírus são pequenos e não se podem reproduzir por conta própria. O coronavírus possui cerca de 30 proteínas, enquanto uma célula humana possui mais de 20.000.

Para contornar este conjunto limitado de ferramentas, o vírus habilmente vira o corpo humano contra si mesmo. Os caminhos para uma célula humana são normalmente bloqueados para invasores externos, mas o coronavírus usa as suas próprias proteínas como chaves para abrir estes “bloqueios” e entrar nas células.

Uma vez dentro, o vírus liga-se às proteínas que a célula normalmente usa para as suas próprias funções, essencialmente sequestrando a célula e transformando-a numa fábrica de coronavírus. À medida que os recursos e a mecânica das células infetadas são reorganizados para produzir milhares e milhares de vírus, as células começam a morrer.

As células pulmonares são particularmente vulneráveis a isso porque expressam grandes quantidades da proteína “bloqueada” que o SARS-CoV-2 usa para entrar. Um grande número de células pulmonares de uma pessoa a morrer causa os sintomas respiratórios associados à covid-19.

Existem duas maneiras de retaliar. Primeiro, os medicamentos podem atacar as próprias proteínas do vírus, impedindo-as de entrar na célula ou copiar o seu material genético. É assim que funciona o remdesivir, um medicamento atualmente em testes clínicos para a covid-19.

Um problema com essa abordagem é que os vírus mudam com o tempo. No futuro, o coronavírus poderá evoluir de maneira a tornar inútil um medicamento como o remdesivir. Esta corrida armamentista entre medicamentos e vírus é o motivo pelo qual precisamos de uma nova vacina contra a gripe todos os anos.

Como alternativa, um medicamento pode funcionar ao impedir que uma proteína viral interaja com uma proteína humana necessária. Esta abordagem tem uma grande vantagem sobre a desativação do próprio vírus, porque a célula humana não muda tão rapidamente. Depois de encontrar um bom medicamento, ele deve continuar a funcionar. Esta é a abordagem que a equipa de investigadores está a adotar.

Aprender o plano do inimigo

A primeira coisa que os cientistas precisaram de fazer foi identificar todas as partes da fábrica celular nas quais o coronavírus confia para se reproduzir. Era necessário descobrir quais proteínas o vírus estava a sequestrar.

Para fazer isso, os cientistas partiram para uma expedição de pesca molecular dentro das células humanas. Em vez de uma minhoca no anzol, usaram proteínas virais com minúsculas marcadores químicos. Colocaram estas “iscos” nas células humanas cultivadas em laboratório e retiraram para ver o que capturavam. Tudo o que ficasse preso seria uma proteína humana que o vírus sequestra durante a infeção.

No dia 2 de março, os cientistas tinham uma lista parcial das proteínas humanas que o coronavírus precisa para prosperar.

O contra-ataque

Depois de ter essa lista de alvos moleculares com os quais o vírus precisa para sobreviver, os membros da equipa apressaram-se para identificar compostos conhecidos que poderiam ligar-se a esses alvos e impedir que o vírus os usasse para se replicar.

Se um composto puder impedir que o vírus se replique no corpo de uma pessoa, a infeção será travada. Mas não se pode simplesmente interferir com os processos celulares à vontade, sem causar danos ao corpo. A equipa precisava de ter a certeza de que os compostos que identificaram seriam seguros e não tóxicos para as pessoas.

A maneira tradicional de fazer isto envolveria anos de estudos pré-clínicos e ensaios clínicos que custariam milhões de euros. Mas existe uma maneira rápida e basicamente gratuita de contornar isso: olhar para os 20.000 medicamentos aprovados pela FDA que já foram testados com segurança. Talvez haja um medicamento nesta grande lista que possa combater o coronavírus.

Os químicos da equipa usaram um enorme banco de dados para combinar os medicamentos e proteínas aprovados com os quais interagem com as proteínas da lista. Eles encontraram dez medicamentos candidatos. Por exemplo, um é um medicamento contra o cancro chamado JQ1. Embora não se possa prever como este medicamento pode afetar o vírus, ele tem boas chances de fazer alguma coisa. Através de testes, os cientistas vão saber se ajuda os pacientes.

Diante da ameaça de paralisações globais nas fronteiras, enviamos imediatamente caixas desses 10 medicamentos para três dos poucos laboratórios do mundo que trabalham com amostras vivas de coronavírus: dois no Instituto Pasteur, em Paris, e Mount Sinai, em Nova Iorque. A 13 de março, os medicamentos a ser testados nas células para ver se impediam a reprodução do vírus.

Envio para o campo de batalha

Brevemente, a equipa saberá se algum desses 10 primeiros medicamentos funciona contra infeções por SARS-CoV-2. Enquanto isso, a equipa continua a pescar com iscos virais. Até agora, encontraram 332 proteínas humanas que o coronavírus escolhe e existem medicamentos que interagem com 66 dessas proteínas.

Os resultados do estou foram publicados, na semana passada, na base de dados científica bioRxiv, na esperança de que laboratórios ao redor do mundo possam começar a testar esses medicamentos e encontrar um tratamento o mais rápido possível.

A boa notícia é que, até agora, a equipa encontrou 69 medicamentos existentes que ligam as proteínas humanas identificadas: 27 deles são aprovados pela FDA e 42 estão em ensaios clínicos ou pré-clínicos.

Este grande número deixa os cientistas esperançosos de que se possa encontrar um medicamento para tratar a covid-19. Caso um medicamento aprovado que até diminua a progressão do vírus seja encontrado, os médicos deverão poder levá-lo aos pacientes rapidamente e salvar vidas.

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Aqui está uma boa oportunidade para os senhores do mundo meditarem um pouco, porem de parte o investimento em armamento e investir na saúde, pois outros desafios dolorosos hão-de chegar de novo e é necessário estar-se preparado.
    Entretanto também os senhores chinocas e outros poderão comer menos merd@ controlar mais a natalidade e pôr menos em risco quem nada tem a ver com as porcarias que fazem, se é que não foi ainda mais criminoso do que isto!

  2. É característico do ser humano andar atrás do prejuízo, ‘mas’, nestes tempos de crise que ainda se vai tornar mais grave o essencial é salvar vidas e resistir positivamente. Recordo uma canção em de língua inglesa que em português será: ‘há tempo para todas as coisa tempo para cada coisa…’ e este tempo é para salvar vidas e sobreviver e ajudar a sobreviver e não para apontar o dedo ou desestabilizar, lá chegará o tempo para tal, manter a serenidade e a cabeça fria é meia cura portanto deixem de nacionalismos e populismos e xenofobias sem perder noção da Pátria. Sendo correcto que é tempo de ‘transferir’ o orçamento Militar para o orçamento do capital Humano é fundamental despoluir para aumentar o nível de saúde do Planeta Terra para que a espécie humana possa viver mais saudável e abrandar nos ritmos gerais excepto naqueles que bloqueiem novas pragas de se revelarem tal como deve acontecer com o degelo nas mais altas montanhas do planeta. Afinal passamos o século e o milénio Vamos ultrapassar o SARS-COV-2 e esta informação do artigo é um grande indicio dessa esperança se tornar realidade.

  3. Parem, Pensem, usem a inteligência, esqueçam os dólares ou euros ou libras….
    Temos de ser todos UNIDOS, os laboratórios, não podem estar á lutar cada um por si….
    Não há prémios NOBEL, nem Triliões de Dólares que sirvam se virem a humanidade reduzida a Cinzas, a vossas Famílias destruídas.
    Sr. Cientistas e Laboratórios Mundiais, de-em as Mãos, unam-se TODOS, contra um único inimigo.
    CORONAVIRUS, COVID19.
    Sejam-mos HUMANOS, pelo menos esta vez.
    O meu Obrigado.
    Eliseu b. Vinagre. – “Portugal”

  4. https://sos-riotejo.blogspot.com/…/pandemia-covid-19…
    Covid-19, a questão da vacina que é o ponto fulcral, a minha análise pela negativa, pois estou muito pessimista. Já agora teremos dois anos de isolamento pela frente e correndo tudo bem. As autoridades ainda não estão a assumir isso para não assustarem as pessoas. Vejo comentários a dizerem que em Maio ou Junho ficará tudo bem! Infelizmente tal não irá acontecer. O sonho da humanidade é que a vacina seja descoberta antes do fim deste ano, mas depois teremos a construção de fábricas/laboratórios gigantes para fabricar a vacina, depois o fabrico em massa da mesma, depois a distribuição à escala global, depois a vacinação massiva da população-e esgotam-se os dois anos!. Outro sonho é que já exista um medicamento ligado a outras doenças e que funcione neste covid-19. Oxalá que o conseguissem. No caso deste vírus toda a população planetária terá de ser vacinada, pois não adianta deixar focos para trás.Preparem-se e protejam-se embora 70% de nós ficaremos infectados.

  5. Porque não vão falar com os gajos que desenvolveram o SARS-CoV-2 e, os “convidam” a partilhar a cura que desenvolveram em paralelo? Era bem mais simples.

    E não venham com teorias que não se sabe quem desenvolveu este CV, pois os Serviços de Inteligência internacionais, especialmente os Americanos, Israelitas, Ingleses, sabem bem onde encontrar esses pcicopatas assassinos. Não o fazem porque certamente estão feitos com eles.

    Para já a malta vai sendo entretida com estórias de morcegos contadas na hora do jantar.

    Entretanto em breve aparecerá a miraculosa vacina, que será mandatória e, que incluirá sabe-se lá o quê; mas isso não interessa nada, pois o que conta é continuar a enriquecer as farmacêuticas e os seus donos, que por mero acaso, são também os donos dos bancos, dos media e, de quem move realmente os cordelinhos de todos os governos.

    Só merda.

    Vamos rumo à III Guerra Mundial a todo o gás!!!

RESPONDER

Diário de oficial nazi revela localização de tesouro escondido na Polónia durante a 2.ª Guerra Mundial

Um diário que esteve na posse de uma sociedade secreta durante décadas contém um mapa que descreve a localização de mais de 30 toneladas de ouro escondidas pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito há …

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …

Musk quer bombardear Marte. Pode ser só um "pretexto" para enviar armas nucleares para o Espaço

O plano de Elon Musk de bombardear Marte é apenas um pretexto para o lançamento de armas nucleares para o Espaço, disse o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin. Bombardear Marte para tornar o …

Quase 20 mil toneladas de combustível derramadas em rio na Rússia

https://cache-igi.cdnvideo.ru/igi/video/2020/6/2/%D0%BD%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D1%81%D0%BA.mp4 Quase 20 mil toneladas de combustível foram acidentalmente derramadas num rio no extremo norte da Rússia, levando as autoridades a declarar uma situação de "emergência" e levantando preocupações entre ambientalistas e residentes. Em comunicado, a associação …

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …