“Um erro histórico”. Tratado assinado em Portugal incentiva aquecimento global

Um tratado assinado em Lisboa concede um grande poder às empresas de energia para processar os Estados caso se sintam prejudicadas por políticas climáticas.

O Tratado da Carta da Energia (TCE) é um acordo internacional assinado por 53 países no dia 17 de dezembro de 1994, em Lisboa.

O acordo concede às empresas do setor da energia um enorme poder para processar Estados em milhares de milhões de dólares se se sentirem prejudicadas pelas políticas energéticas ou climáticas aprovadas. Por exemplo, se um governo decidir suspender projetos de novos oleodutos ou gasodutos, ou eliminar gradualmente o carvão.

É o caso da empresa alemã de energia Uniper, que ameaçou interpor um processo judicial ao abrigo do TCE, exigindo uma indemnização de mais de mil milhões de euros, quando o governo holandês decidiu eliminar progressivamente o carvão e proibir a produção de energia elétrica através deste recurso, a partir de 2030.

Até hoje, os governos foram obrigados ou concordaram pagar mais de 46 mil milhões de euros em indemnizações.

Jornalistas do consórcio Investigate Europe avaliaram as implicações deste acordo internacional num artigo publicado pelo jornal Público este domingo.

Várias organizações não governamentais (ONG), organizações ambientais e a União Europeia insistem numa modernização do tratado para alinhá-lo com os objetivos climáticos. Em última instância, caso isto não seja possível, sugere-se o fim do tratado.

O próprio Governo português garante que “Portugal tem vindo a apoiar uma modernização deste tratado que priorize os investimentos em energias renováveis, incluindo o hidrogénio verde”. Por sua vez, França, Espanha e Luxemburgo já demonstraram publicamente o apoio à saída do tratado.

A Zero e a TROCA salientam que “o TCE é incompatível com o Acordo de Paris”. Para a UE cumprir o seu alvo de 1,5ºC, apenas poderá emitir 20% das emissões atualmente protegidas pelo TCE, lê-se no site da Zero.

Os fundos de investimento estão cada vez mais estabelecidos em arbitragens de TCE. Esses fundos de investimento financiam os custos legais em litígios entre investidor e estado em troca de uma percentagem da indemnização concedida.

Markus Krajewski, professor da Universidade de Erlangen-Nuremberga, diz que o tratado é um “erro histórico”.

É possível assinar uma petição nacional para a saída do tratado, aqui, e uma petição europeia, aqui.

A petição nacional endereçada ao presidente da Assembleia da República conta até ao momento com 1.116 assinaturas.

Os peticionários apelam a que realize um debate na Assembleia da República sobre as barreiras do TCE para a concretização dos objetivos de Portugal em termos de neutralidade carbónica; e que o Governo português se una ao Governo francês no pedido que este fez à Comissão Europeia para que trabalhe no sentido de uma saída coordenada dos Estados-Membros da UE do TCE.

Daniel Costa Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

      • Meu caro, quanto aos outros 52, a mesma falta de visão. É tão simples quanto isto. A mediocridade é, de facto, transversal a todos eles. Fossem mais, ainda pior era.

      • E quanto ao socas, nem me aquece nem me arrefece. É da mesma laia mas quanto a ser hipócrita, cavaco bate-o aos pontos!

  1. ‘E aquilo que digo, os polticos apos 25 de abril estragam o pais e continuam a pensar que fizeram o melhor para pais… grandes trafulhas e chique espertos… sem ideias e sem brio nada… ‘e isto os resultados…

    Mas nao existem pessoas capazes para de criarem plano a serio para pais…

  2. Interessante que só agora falam do TCE (1994); ninguém se lembro do mesmo quando assinaram o de Lisboa (2007)?

    Na sequência, é interessante como o de Lisboa, que já se falou tanto, e tanta ‘tinta’ foi utilizada, nunca foi falado no âmbito da Russia, China e India (por exemplo): será que vivem num planeta à parte?

  3. Como é um erro histórico e o país anda a alguns anos a sofrer tantos que se tornou num hábito, estão simplesmente perdoados uma vez mais!

RESPONDER

"Invisibilidade" do LGBTI nos Censos é alvo de críticas

A Associação ILGA Portugal - Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo e o Bloco de Esquerda estão a criticar os Censos 2021 devido à ausência de perguntas relacionadas com identidade de género, o que …

Rússia vai dar início à retirada de tropas perto da fronteira com a Ucrânia

A Rússia anunciou que vai iniciar, esta sexta-feira, a retirada das suas tropas concentradas perto da fronteira com a Ucrânia e na Crimeia anexada, referindo que os exercícios foram concluídos. "As tropas demonstraram a sua capacidade …

KPMG desconhecia problemas no BESA que justificassem reserva às contas

A KPMG Portugal afirmou, numa carta enviada à comissão de inquérito do Novo Banco, que desconhecia factos no BES Angola que pudessem levar a uma opinião com reservas às contas do BES. A KPMG Portugal desconhecia …

Ferro Rodrigues está "perfeitamente de acordo" com Marcelo sobre enriquecimento ilícito

O presidente da Assembleia da República (AR) concorda com o Presidente quanto à urgência de melhorar a lei contra o enriquecimento ilícito e diz que isso pode ser feito sem pôr em causa princípios constitucionais. Numa …

Índia regista subida drástica de infeções e mortes. EUA com 200 milhões de vacinas tomadas

O número de novas infeções pelo coronavírus dispararam na Índia, com a falta de preparação do Governo e a forma como a pandemia tem sido gerida apontadas como causas para a subida dos casos e …

Técnicos de diagnóstico. Depois de mais uma coligação da oposição, Executivo avalia o que fazer

Depois de mais uma coligação da oposição, o Governo "está a avaliar" o que irá fazer em relação à aprovação das mudanças na carreira de Técnico Superior de Diagnóstico e Terapêutica.  De acordo com o semanário …

Diretor de Finanças de Lisboa está em substituição desde 2015. Já ultrapassa tempo de comissão de serviço

Fernando Lopes, a maior estrutura regional da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), é diretor da Direção de Finanças de Lisboa em regime de substituição desde março de 2015. Quando a então diretora regional, Helena Borges, foi …

Portugal regista mais quatro mortes e 636 novos casos de covid-19

Portugal registou, esta quinta-feira, mais quatro mortes e 636 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 636 …

Luís Correia lança-se a Castelo Branco, num movimento que ainda não tem nome

O movimento ainda não tem nome e a apresentação da candidatura não tem data marcada, mas Luís Correia já assumiu que vai liderar uma candidatura independente à Câmara Municipal de Castelo Branco. Luís Correia vai testar …

Pavilhão de escola de Matosinhos fechado devido a estirpe de legionella

O pavilhão desportivo da Escola Secundária Abel Salazar, em Matosinhos, está fechado devido à presença de uma estirpe de legionella detetada nas canalizações, mas que "não constitui qualquer perigo para a saúde", confirmou a câmara …