As traições ajudaram a espécie humana a espalhar-se pelo mundo

Viktor M. Vasnetsov / Wikimedia

-

Uma nova investigação sugere que foram as traições e as desconfianças que ajudaram a espécie humana a espalhar-se tão rapidamente por todo o mundo.

Esta conclusão retirada de um estudo da arqueóloga Penny Spikins, da Universidade de York, no Reino Unido, evidencia que o aparente sucesso humano na conquista do mundo é, afinal, apenas uma manifestação do lado mais negro da natureza da humanidade.

A investigadora debruçou-se sobre a forma como os humanos se espalharam por todos os cantos do planeta.

Segundo o estudo da arqueóloga, a dispersão dos nossos antepassados mais primitivos era lenta e surgia sobretudo provocada por fenómenos ambientais, nomeadamente secas que provocavam a escassez de alimentos – e era, muitas vezes, travada por barreiras ambientais ou climáticas.

Mas, há cerca de 100 mil anos, essa dispersão da espécie humana pelo mundo mudou significativamente, efectuando-se de forma muito mais rápida e independente de quaisquer barreiras.

O estudo de Penny Spikins relaciona esta alteração com mudanças nas relações emocionais dos humanos.

A arqueóloga considera que as “traições e quebras de confiança” foram o principal motor para essa dispersão rápida, e que os humanos foram movidos pelo “desejo de evitar o dano físico de ex-amigos desiludidos”.

“Os conflitos morais provocam mobilidade substancial – o furioso ex-aliado, ex-companheiro ou ex-grupo, com uma lança envenenada ou uma intenção de procurar vingança ou justiça, são uma forte motivação para fugir e para assumir quase todos os riscos para o fazer”, diz Penny Spikins, citada pelo site da Universidade de York.

“Enquanto vemos a dispersão global da nossa espécie como um símbolo do nosso sucesso, parte das motivações para tais movimentos reflectem um lado negro, embora não menos colaborativo, da natureza humana”, acrescenta a investigadora.

Na pesquisa, publicada na Open Quaternary, a arqueóloga alega que os compromissos entre humanos se tornaram cada vez mais vitais para a sobrevivência e que, por isso, as comunidades começaram, cada vez mais, a punir aqueles que eram considerados traidores.

Isto levou ao desenvolvimento do lado mais negro da natureza humana, provocando “disputas morais motivadas pela quebra de confiança” e sentimentos de “traição” cada vez mais frequentes, o que obrigava os elos mais fracos a afastarem-se dos seus rivais, movidos pelo rancor e pelo medo de retaliações, independentemente dos riscos que pudessem correr nessa aventura.

“As colonizações activas de e através de terreno perigoso são difíceis de explicar através de escolhas imediatas e pragmáticas”, constata Penny Spikins, frisando que essa explicação é mais fácil de fazer através do “aumento da forte motivação de magoar outros, mesmo que às próprias custas, que os compromissos emocionais alargados acarretam”.

SV, ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Que “investigação” mais patética. Só podia ser americana. O entendimento da pré-história e história e da evolução da espécie humana ao longo do tempo, incluindo a actualidade não é propriamente o ponto forte deles. A história para eles resume-se aos cowboys, à guerra civil americana, ao desembarque na Normandia, às batalhas navais contra o Japão e pouco mais.

RESPONDER

PS nacional impõe filho de dinossauro do PSD como candidato à Maia. "Inexplicável e duvidoso"

Alguns dias depois da polémica com a escolha do candidato do PS à Câmara do Porto devido a divergências internas, há mais um caso semelhante na Maia. Teresa Almadanim retirou-se da corrida depois de ter …

Computador principal do Hubble deixou de funcionar (e a NASA ainda não sabe porquê)

O Telescópio Espacial Hubble, da NASA, está em "modo de segurança" depois de o computador principal ter deixado de funcionar repentinamente no dia 13 de junho. A 13 de junho, o computador principal do Hubble deixou …

Relatório: Lisboa enviou dados para o Irão, Arábia Saudita, e (27 vezes) para a Rússia

O Relatório interno da Câmara de Lisboa sobre o caso do envio de dados de ativistas a embaixadas de países estrangeiros desculpabiliza Fernando Medina, mas revela que a CML enviou dados para o Irão, a …

Cientistas descobrem como é que o cérebro nos faz espirrar

Uma equipa de cientistas da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, identificou, em ratos de laboratório, células e proteínas específicas que controlam o reflexo do espirro. "Compreender melhor o que nos faz espirrar - de que …

Casa Branca prevê falha na meta de vacinação de 70% da população até 4 de Julho

A previsão foi avançada esta terça-feira por Jeff Zients, coordenador da resposta norte-americana à pandemia do novo coronavírus. O atraso, ainda que residual, representa um percalço no plano inicialmente proposto pela Administração Biden e justifica-se, …

Revelados segredos da invasão da malária

Como é que os parasitas da malária invadem os glóbulos vermelhos? A microscopia de vídeo de última geração permitiu à equipa do WEHI, na Austrália, ver estes detalhes moleculares essenciais para tratar a doença. Kelly Rogers, …

E agora, Portugal? Depois do Grupo da Morte... Bélgica, Itália, França e Espanha no quadro

Teoricamente, desta vez a seleção nacional ficou claramente do lado mais forte na fase a eliminar do Europeu. Haverá um "escaldante" Inglaterra-Alemanha nos oitavos-de-final. Muitos adeptos portugueses ainda se lembram do golo tardio, noutro jogo, que …

Parlamento Europeu aprova novo estatuto do Provedor de Justiça

O Parlamento Europeu aprovou o novo estatuto do Provedor de Justiça Europeu que vai passar a trabalhar com novas regras, podendo avançar com os próprios inquéritos, prevendo-se também no novo regulamento medidas de proteção para …

Fernando Santos: "Estava a dizer à equipa para se chegar à frente"

Explicação do selecionador nacional, que esteve muito agitado durante os últimos minutos do Portugal-França. Uma primeira parte "excelente" e uma decisão duvidosa da equipa de arbitragem que alterou o resultado perto do intervalo. Fernando Santos começou …

Alemanha 2-2 Hungria | Goretzka salva germânicos no fim

Uma Alemanha impiedosa ao atrevimento da Hungria rendeu hoje um empate a duas bolas, selando a qualificação germânica para os ‘oitavos’ do Euro2020 e a despedida dos magiares no quarto e último lugar do Grupo …