Numa empresa neozelandesa só se trabalha quatro dias por semana (mas a produtividade aumentou)

George Grinsted / Flickr

Em março e abril do ano passado, uma empresa neozelandesa implementou um novo modelo laboral: trabalhar apenas quatro dias por semana. O estudo final foi publicado esta terça-feira e as conclusões mostram resultados animadores.

Quase um ano depois de a empresa neozelandesa Perpetual Guardian ter implementado um modelo laboral que permite aos funcionários trabalhar apenas quatro dias por semana, o balanço não podia ser mais animador.

O projeto piloto iniciou em março e abril do ano passado, mas em novembro a empresa decidiu adotar o sistema em pleno. Assim, os 240 funcionários passaram a folgar três dias por semana, recebendo o mesmo salário e sem horas extraordinárias.

O estudo final, publicado esta semana e monitorizado por investigadores a Universidade de Auckland, revela que a produtividade desta empresa aumentou 20%, enquanto que o stress dos funcionários baixou em 45% em 2017 para 36% em 2018.

Mas as vantagens deste modelo laboral não ficam por aqui. Segundo a TSF, também o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional cresceu de 54% em 2017 para 78% em 2018.

Segundo Andrew Barnes, fundador da empresa, o sistema de quatro dias de trabalho também contribuiu para que os lucros da empresa de serviços financeiros crescessem, aumentou o nível de empenho e melhorou a disposição dos trabalhadores.

Ao The Guardian, o responsável afirmou que, por todos estes motivos, considera que mais empresas deveriam implementar este método. “Precisamos que mais companhias tentem esta abordagem. Irão ficar surpreendidos com as melhorias na companhia, nos trabalhadores e na comunidade adjacente.”

Tammy Barker, funcionária da empresa, referiu que trabalhar menos ajudou-a a concentrar-se mais nas suas tarefas. “Temos sido tratados como adultos e penso que o resultado é que estamos todos a agir como adultos“, disse.

À Perpetual Guardian já chegaram centenas de pedidos de informação sobre o modelo laboral. A empresa Wellcome Trust, do Reino Unido, está a pensar aplicá-lo no seu total de 800 trabalhadores.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Aqui em Portugal seria agravar a situação, como iriam depois os portugueses pagar mais estadias nos cafés e outras diversões, pedir empréstimos à Banca para alimentar os vícios só agravaria ainda mais a situação de todas as partes.

  2. Exatamente! Estou consigo! E para prevenir esse desastre o melhor é passar a trabalhar 7 dias por semana e aumentar o horário para 10h/dia. Assim não há tempo para vícios, gastos e empréstimos. Vamos todos ficar bem mais felizes.

  3. Infelizmente em Portugal o patrão só olha para o seu umbigo e quer que os empregados sejam escravos só porque lhe dá prazer, portanto só mesmo se forem obrigados é que implementarão tal mudança!

RESPONDER

O melhor professor do mundo é queniano e doa 80% do seu salário

Peter Tabichi é queniano, tem 36 anos e doa 80% do salário para desenvolver a sua comunidade local, numa remota vila no Quénia. Este domingo foi eleito, no Dubai, o melhor professor do mundo. Em Pwani, …

Pentágono autoriza mil milhões de dólares para construção de muro de Trump

O secretário da Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan, anunciou na segunda-feira o desbloqueio de mil milhões de dólares para a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Shanahan “autorizou o …

Advogados de Rui Pinto recorrem da prisão preventiva

Os advogados de Rui Pinto, colaborador do "Football Leaks", confirmaram esta segunda-feira que vão recorrer da medida de prisão preventiva aplicada sexta-feira ao seu cliente pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa. A decisão de recorrer …

Se a corrida continuar a três, McLaren ameaça deixar a Fórmula 1

A McLaren, a segunda equipa mais antiga da Fórmula 1, ameaça desistir da modalidade caso os regulamentos elaborados para 2021 não a tornem numa competição justa. A visão da Fórmula 1, a modalidade de automobilismo mais …

México quer que rei da Espanha peça perdão pela conquista colonial

Obrador diz que esta é a única forma possível de obter a reconciliação plena entre os países. O pedido foi feito por carta. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou ter enviado uma carta ao …

"O Vieira pediu-me para dar uma coça a Francisco J. Marques"

Vítor Catão, diretor desportivo do S. Pedro da Cova, afirmou que o Benfica, através do seu presidente Luís Filipe Vieira, lhe deu 200 mil euros para colocar uma "lapa" no carro de Pinto da Costa, …

"Governo saudita deu a ordem" para matar Khashoggi

Em entrevista ao El Mundo, a namorada do jornalista saudita Jamal Khashoggi afirma que a ordem que determinou a sua morte foi dada pelo Governo da Arábia Saudita. Em entrevista ao diário espanhol El Mundo, a …

Já há água, eletricidade e estradas abertas na cidade da Beira

Começam a ver-se pequenos avanços na Beira, em Moçambique, que inicia o lento caminho da reconstrução, após a passagem do ciclone Idai, que matou pelo menos 446 pessoas e destruiu cerca de 90% dos edifícios …

"Um erro desculpável". Governante sem castigo após violar a Lei no caso dos mirtilos

O Tribunal Constitucional decidiu arquivar o caso das incompatibilidades envolvendo o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que, durante dois anos, acumulou o cargo com a função de gerente numa empresa …

Erros em perguntas de exame obrigam a mudar notas de médicos estrangeiros

O exame feito por médicos estrangeiros para ter equivalência ao curso de Medicina em Portugal teve neste ano mais de 700 candidatos, a esmagadora maioria brasileiros. É uma procura histórica, admitem médicos e serviços académicos, por …