Numa empresa neozelandesa só se trabalha quatro dias por semana (mas a produtividade aumentou)

George Grinsted / Flickr

Em março e abril do ano passado, uma empresa neozelandesa implementou um novo modelo laboral: trabalhar apenas quatro dias por semana. O estudo final foi publicado esta terça-feira e as conclusões mostram resultados animadores.

Quase um ano depois de a empresa neozelandesa Perpetual Guardian ter implementado um modelo laboral que permite aos funcionários trabalhar apenas quatro dias por semana, o balanço não podia ser mais animador.

O projeto piloto iniciou em março e abril do ano passado, mas em novembro a empresa decidiu adotar o sistema em pleno. Assim, os 240 funcionários passaram a folgar três dias por semana, recebendo o mesmo salário e sem horas extraordinárias.

O estudo final, publicado esta semana e monitorizado por investigadores a Universidade de Auckland, revela que a produtividade desta empresa aumentou 20%, enquanto que o stress dos funcionários baixou em 45% em 2017 para 36% em 2018.

Mas as vantagens deste modelo laboral não ficam por aqui. Segundo a TSF, também o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional cresceu de 54% em 2017 para 78% em 2018.

Segundo Andrew Barnes, fundador da empresa, o sistema de quatro dias de trabalho também contribuiu para que os lucros da empresa de serviços financeiros crescessem, aumentou o nível de empenho e melhorou a disposição dos trabalhadores.

Ao The Guardian, o responsável afirmou que, por todos estes motivos, considera que mais empresas deveriam implementar este método. “Precisamos que mais companhias tentem esta abordagem. Irão ficar surpreendidos com as melhorias na companhia, nos trabalhadores e na comunidade adjacente.”

Tammy Barker, funcionária da empresa, referiu que trabalhar menos ajudou-a a concentrar-se mais nas suas tarefas. “Temos sido tratados como adultos e penso que o resultado é que estamos todos a agir como adultos“, disse.

À Perpetual Guardian já chegaram centenas de pedidos de informação sobre o modelo laboral. A empresa Wellcome Trust, do Reino Unido, está a pensar aplicá-lo no seu total de 800 trabalhadores.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Aqui em Portugal seria agravar a situação, como iriam depois os portugueses pagar mais estadias nos cafés e outras diversões, pedir empréstimos à Banca para alimentar os vícios só agravaria ainda mais a situação de todas as partes.

  2. Exatamente! Estou consigo! E para prevenir esse desastre o melhor é passar a trabalhar 7 dias por semana e aumentar o horário para 10h/dia. Assim não há tempo para vícios, gastos e empréstimos. Vamos todos ficar bem mais felizes.

  3. Infelizmente em Portugal o patrão só olha para o seu umbigo e quer que os empregados sejam escravos só porque lhe dá prazer, portanto só mesmo se forem obrigados é que implementarão tal mudança!

RESPONDER

Ensino Superior tem 2.370 vagas para alunos do profissional

O próximo ano letivo terá 2.370 vagas no Ensino Superior direcionadas para alunos do ensino profissional, avança o jornal Público este sábado, detalhando que, ao todo, 456 licenciaturas. As vagas em causa fazem parte do …

Horta Osório não exclui regresso a Portugal (e trabalhar fora da banca)

António Horta Osório, que em breve vai deixar a presidência executiva do banco britânico Lloyds, não exclui um regresso a Portugal no seu futuro profissional. “O meu futuro profissional [pós-Lloyds] está totalmente em aberto e …

Parede de estação de comboio na Polónia escondia carta escrita por trabalhadores forçados da 2ª Guerra

Uma carta escrita por dois trabalhadores forçados durante a II Guerra Mundial foi encontrada dentro de uma garrafa escondida na estação de comboios de Nowe Skalmierzyce, um cidade na Polónia. A carta foi descoberta por trabalhadores durante …

No século XVIII, um em cada cinco londrinos tinha contraído sífilis até aos seus 35 anos

Há 250 anos, pelo menos um em cada cinco londrinos tinha contraído "a varíola" (sífilis), causada pela bactéria Treponema pallidum, até aos seus 35 anos. Este estudo, com base em registos de internação, relatórios de inspeção e …

Cofre de antigo caçador de vampiros vai a leilão no Reino Unido. Está repleto de objetos

O cofre de um caçador de vampiros do século XIX vai ser leiloado em Dervyshire, no Reino Unido, informou a leiloeira Hansons. Em causa está uma caixa antiga, forrada a seda vermelha e decorada com …

Bombeiro morre no combate a um incêndio na Serra da Lousã

Um bombeiro morreu este sábado durante o combate a um incêndio na Serra da Lousã, disse à agência Lusa o presidente da Câmara da Lousã, Luís Antunes. O autarca desconhece as circunstâncias em que ocorreu a …

Cientistas descobrem os defeitos dentários que apodrecem os dentes

Os resultados deste novo estudo contribuem para o desenvolvimento de novos tratamentos para as cáries dentárias. Os investigadores capturaram o esmalte num detalhe sem precedentes. Uma equipa de investigadores está muito perto de descobrir aquilo que …

Balões da Google já "espalham" Internet nas vilas remotas do Quénia

Em 2013, surgiu a ideia de enviar balões para o Espaço próximo para conectar pessoas em locais do mundo sem Internet. A ideia, que parecia uma loucura, já é realidade. Depois de uma longa série de …

Descoberta nova espécie de dinossauro carnívoro em Portugal

Um novo género e espécie de dinossauro carnívoro terópode, cujos fósseis foram escavados em arribas dos concelhos de Torres Vedras e da Lourinhã, foi agora descrito na revista internacional "Journal of Vertebrate Paleontology" por paleontólogos …

The Crown. Afinal, vem aí uma sexta temporada

Peter Morgan, criador, produtor e argumentista de The Crown, anunciou esta quinta-feira (9), através do Twitter da plataforma de streaming Netflix, que a série britânica terá uma sexta temporada. “Quando começamos a discutir as histórias da …