Tony Blair exagerou ameaça para justificar invasão do Iraque

Monika Flueckiger / swiss-image.ch / World Economic Forum

Tony Blair, ex-Primeiro-ministro britânico

Tony Blair, ex-Primeiro-ministro britânico

O Reino Unido partiu para a guerra no Iraque em 2003 “sem esgotar as opções pacíficas para um desarmamento”, afirmou hoje o presidente da comissão criada há sete anos para investigar o envolvimento britânico no conflito armado.

O relatório da comissão Chilcot critica duramente as decisões tomadas por Tony Blair, ex-primeiro-ministro trabalhista, em relação à guerra do Iraque, na qual morreram 179 soldados britânicos e dezenas de milhares de iraquianos.

A alegada posse pelo regime iraquiano de armas de destruição maciça, nunca comprovada, foi a principal justificação para a participação do Reino Unido na invasão do Iraque, em março de 2003, quando Tony Blair liderava o governo britânico.

John Chilcot, cuja comissão foi criada há sete anos para apurar os contornos do envolvimento britânico no conflito, concluiu que “o Reino Unido escolheu juntar-se à invasão do Iraque antes de esgotar as opções pacíficas para um desarmamento”.

“A ação militar não era, na altura, o último recurso“, disse Chilcot, acrescentando que a investigação concluiu também que os planos para a ocupação do Iraque foram “completamente desadequados”.

“Apesar das advertências explícitas, as consequências da invasão foram subestimadas. O planeamento e os preparativos para o Iraque pós-Saddam foram completamente desadequados”, disse.

No relatório, que está disponível online, lê-se ainda que Tony Blair garantiu apoio incondicional a George W. Bush, “aconteça o que acontecer”.

O presidente da comissão que investigou o envolvimento britânico naquela guerra descreve que, em 2002, o primeiro-ministro britânico Tony Blair prometeu ao presidente norte-americano George W. Bush participar na invasão do Iraque acontecesse o que acontecesse.

“A 28 de julho, Blair escreveu ao presidente Bush para lhe assegurar que estaria com ele ‘houvesse o que houvesse'”, disse John Chilcot na apresentação pública das conclusões da comissão.

Blair diz que agiu no “melhor interesse” do país

O ex-primeiro-ministro britânico afirma ter agido no “melhor interesse” do Reino Unido, numa resposta ao relatório que critica a forma como decidiu entrar na Guerra do Iraque em 2003.

“O relatório devia pôr termo às alegações de má-fé, mentiras ou enganos. Quer se concorde ou discorde da minha decisão de uma ação militar contra Saddam Hussein, tomei-a de boa-fé e no que acredito ser o melhor interesse do país“, afirmou Tony Blair num comunicado divulgado em resposta à apresentação do relatório Chilcot.

No comunicado, Blair admite que o documento contém “críticas sérias que exigem respostas sérias” e promete dar essas respostas “hoje à tarde” e “assumir plena responsabilidade por quaisquer erros”.

“Ao mesmo tempo direi por que razão, apesar de tudo, acredito que foi melhor afastar Saddam Hussein e por que razão não acredito que essa seja a causa do terrorismo que vemos hoje”, afirmou.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O Tony exagerou coisa nenhuma!
    O Tony mai’lo Burroso, mai’lo Azno não tiveram foi “balls” suficientes para mandarem o G. BêbedUSH ir catar as pulgas do Rumsfeld.

  2. Havia motivos mais do que suficientes para eliminar uma séria ameaça do Sadan se tornar no ditador de toda aquela região e já tinha dado provas disso ao invadir o Irão e depois o K

Ex-ministro francês François Bayrou acusado de cumplicidade na apropriação de fundos

O ex-ministro francês François Bayrou, dirigente centrista e próximo de Emmanuel Mácron, foi acusado na sexta-feira por "cumplicidade na apropriação indevida de fundos públicos" no caso dos assistentes parlamentares do seu partido. A acusação, "anunciada antecipadamente …

"Profundamente envergonhada", Merkel visitou Auschwitz pela primeira vez

A chanceler alemã, Angela Merkel, visitou esta sexta-feira pela primeira vez o campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau num "sinal de reconciliação com os judeus e o estado de Israel", considera o historiador René …

Capital do Natal de Algés avança com queixa-crime contra promotores

A organização da Capital do Natal, evento que decorre em Algés, Oeiras, vai apresentar uma queixa-crime contra os promotores turísticos que "adulteraram a oferta do parque", o que defraudou "um conjunto alargado de pessoas". Em causa …

Menino de 5 anos convidou todos os colegas do infantário para assistir à sua adoção

Um menino de cinco anos de Michigan, nos Estados Unidos, convidou a sua turma do infantário para testemunhar à sua adoção legal. A criança, identificada como Michael, foi adotada formalmente pela sua nova família na passada …

TDT vai mudar de frequência (outra vez)

A frequência da Televisão Digital Terrestre (TDT) está a ser alterada de forma faseada, o que significa que os portugueses que usem este serviço gratuito de televisão têm de sintonizar novamente os seus recetores e/ou …

Ruas de Águeda entre as "mais bonitas do mundo" para a CNN

As ruas do centro de Águeda, no distrito de Aveiro, decoradas com guarda-chuvas estão entre as 21 mais bonitas de mundo para a emissora norte-americana CNN. A distinção é avançada pelo jornal Público, que dá …

Hospitais vão poder pagar mais a médicos para garantir urgências no Natal

Os hospitais vão poder contratar médicos prestadores de serviço, vulgo tarefeiros, por valores superiores aos de referência durante o Natal e o Ano Novo. De acordo com o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Noel Carrilho, …

Jovem que abandonou bebé no lixo esteve 13 anos institucionalizada em Cabo Verde

A jovem que abandonou o filho recém-nascido no lixo, em Lisboa, esteve institucionalizada durante 13 anos em Cabo Verde. A sua mãe está agora a lutar pela guarda da criança. Numa entrevista ao programa Sexta às …

Último debate. Boris defendeu o Brexit e Corbyn falou da Saúde (pelo menos 15 vezes cada um)

No debate televisivo, transmitido pela BBC, o último antes das eleições da próxima quinta-feira, Boris Johnson defendeu que é o melhor preparado para concretizar o Brexit e terminar com o impasse no processo, prometendo ainda …

No São José, há um doente numa cama 9 meses depois de ter alta. Não tem para onde ir

O Centro Hospitalar Lisboa Central tem diariamente uma média de 70 camas ocupadas com doentes que já deviam ter saído do hospital e há atualmente um caso que espera há nove meses por uma solução. Em …