Tony Blair exagerou ameaça para justificar invasão do Iraque

Monika Flueckiger / swiss-image.ch / World Economic Forum

Tony Blair, ex-Primeiro-ministro britânico

Tony Blair, ex-Primeiro-ministro britânico

O Reino Unido partiu para a guerra no Iraque em 2003 “sem esgotar as opções pacíficas para um desarmamento”, afirmou hoje o presidente da comissão criada há sete anos para investigar o envolvimento britânico no conflito armado.

O relatório da comissão Chilcot critica duramente as decisões tomadas por Tony Blair, ex-primeiro-ministro trabalhista, em relação à guerra do Iraque, na qual morreram 179 soldados britânicos e dezenas de milhares de iraquianos.

A alegada posse pelo regime iraquiano de armas de destruição maciça, nunca comprovada, foi a principal justificação para a participação do Reino Unido na invasão do Iraque, em março de 2003, quando Tony Blair liderava o governo britânico.

John Chilcot, cuja comissão foi criada há sete anos para apurar os contornos do envolvimento britânico no conflito, concluiu que “o Reino Unido escolheu juntar-se à invasão do Iraque antes de esgotar as opções pacíficas para um desarmamento”.

“A ação militar não era, na altura, o último recurso“, disse Chilcot, acrescentando que a investigação concluiu também que os planos para a ocupação do Iraque foram “completamente desadequados”.

“Apesar das advertências explícitas, as consequências da invasão foram subestimadas. O planeamento e os preparativos para o Iraque pós-Saddam foram completamente desadequados”, disse.

No relatório, que está disponível online, lê-se ainda que Tony Blair garantiu apoio incondicional a George W. Bush, “aconteça o que acontecer”.

O presidente da comissão que investigou o envolvimento britânico naquela guerra descreve que, em 2002, o primeiro-ministro britânico Tony Blair prometeu ao presidente norte-americano George W. Bush participar na invasão do Iraque acontecesse o que acontecesse.

“A 28 de julho, Blair escreveu ao presidente Bush para lhe assegurar que estaria com ele ‘houvesse o que houvesse'”, disse John Chilcot na apresentação pública das conclusões da comissão.

Blair diz que agiu no “melhor interesse” do país

O ex-primeiro-ministro britânico afirma ter agido no “melhor interesse” do Reino Unido, numa resposta ao relatório que critica a forma como decidiu entrar na Guerra do Iraque em 2003.

“O relatório devia pôr termo às alegações de má-fé, mentiras ou enganos. Quer se concorde ou discorde da minha decisão de uma ação militar contra Saddam Hussein, tomei-a de boa-fé e no que acredito ser o melhor interesse do país“, afirmou Tony Blair num comunicado divulgado em resposta à apresentação do relatório Chilcot.

No comunicado, Blair admite que o documento contém “críticas sérias que exigem respostas sérias” e promete dar essas respostas “hoje à tarde” e “assumir plena responsabilidade por quaisquer erros”.

“Ao mesmo tempo direi por que razão, apesar de tudo, acredito que foi melhor afastar Saddam Hussein e por que razão não acredito que essa seja a causa do terrorismo que vemos hoje”, afirmou.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O Tony exagerou coisa nenhuma!
    O Tony mai’lo Burroso, mai’lo Azno não tiveram foi “balls” suficientes para mandarem o G. BêbedUSH ir catar as pulgas do Rumsfeld.

  2. Havia motivos mais do que suficientes para eliminar uma séria ameaça do Sadan se tornar no ditador de toda aquela região e já tinha dado provas disso ao invadir o Irão e depois o K

RESPONDER

Coloridos e selados. Descobertos no Egito sarcófagos com mais de 2.500 anos

As autoridades egípcias anunciaram esta segunda-feira a descoberta de uma coleção de sarcófagos datados de há mais de 2.500 anos, na zona arqueológica de Sakkara, a sul da cidade do Cairo. Em comunicado, citado pela agência …

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …