Tomou posse Emmanuel Macron, o mais jovem presidente francês desde Napoleão

Emmamuel Macron tomou hoje posse do cargo de Presidente da República de França, tornando-se, com 39 anos, o mais jovem chefe de Estado do país desde Luis Napoleão Bonaparte (1848-1852), sobrinho de Napoleão Bonaparte, presidente aos 40.

No seu primeiro discurso como presidente francês, Emmanuel Macron destacou que “os franceses elegeram a esperança e o espírito de conquista. O mundo e a Europa necessitam hoje, mais do que nunca, de uma França forte e segura do seu destino“, que traga a voz da liberdade, que saiba inventar o futuro, afirmou.

O novo Presidente francês prometeu trabalhar para que a Europa seja “refundada e relançada” e tudo fazer para combater o terrorismo e o autoritarismo e resolver a crise dos refugiados.

Precisamos de uma Europa mais eficaz, mais democrática, mais política”, salientou Emmanuel Macron, no seu discurso. Os franceses “escolheram a esperança e o espírito de conquista”, acrescentou Macron, que na sua lista de desafios colocou também “os excessos de capitalismo no mundo” e as alterações climáticas.

O presidente cessante, François Hollande, já tinha deixado o Palácio do Eliseu, recebendo aplausos dos convidados e dos populares que se encontravam em frente do edifício, depois de ter passado a pasta a Emmanuel Macron.

Hollande e Macron estiveram reunidos a sós no gabinete presidencial durante cerca de 40 minutos. Tal como acontece nos Estados Unidos, um dos momentos altos da passagem de testemunho foi a transmissão da senha de lançamento de bombas nucleares.

Os dois estadistas trocaram informações sobre os habituais segredos de Estado, e o presidente cessante faz algumas recomendações que considera importantes, após o que Macron visitou o Posto de Comando Júpiter, uma espécie de bunker na ala leste do palácio, capaz de resistir a um ataque nuclear.

Depois do encontro com o anterior presidente, o novo chefe de Estado acompanhou François Hollande ao automóvel e voltou à entrada do palácio, dando a mão à mulher, Brigitte Trogneux.

Patrick Kovarik / EPA

o presidente cessante Francois Hollande (D) acompanhado pelo seu sucessor Emmanuel Macron (E) à saída do Palácio do Eliseu

O presidente cessante Francois Hollande acompanhado pelo seu sucessor Emmanuel Macron à saída do Palácio do Eliseu

O candidato que derrotou a extrema-direita

Emmanuel Macron lançou-se na corrida presidencial francesa projetando a imagem de um político novo e descomprometido, “nem de direita nem de esquerda”, e fica na história por ter derrotado a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen.

Emmanuel Macron nunca tinha sido eleito e demitiu-se do cargo de ministro da Economia (2014-2016) do governo do presidente François Hollande para apresentar a candidatura.

Com a passagem à 2ª volta da líder da extrema-direita, Marine Le Pen, Macron teve apoio de dezenas de políticos, empresários, intelectuais, artistas e cientistas, incluindo o republicano François Fillon e o socialista Benoît Hamon, derrotados na primeira volta e representantes dos dois partidos que partilharam o poder nas últimas cinco décadas.

A imprensa francesa qualifica-o de “puro produto da intelectualidade”: filho de um casal de médicos, saído das escolas de elite, banqueiro de investimentos até entrar na política em 2012 como conselheiro de Hollande. Dessa experiência, e da de ministro, Macron diz ter retirado um ensinamento central: o da disfunção do sistema político.

Disse-se candidato da “verdadeira indignação” e da renovação, face “às mesmas caras” da classe política “há 30 anos”: “Isto não pode continuar assim!”.

Francois Mori / EPA

Emmanuel Macron toma posse como presidente da França

Emmanuel Macron toma posse como presidente da França

Nas palavras de Hollande, numa reunião recente, “Macron teve a intuição, precisamente porque estava fora da vida política tradicional, de que os partidos de governo criaram as suas próprias fraquezas, perderam atratividade e estavam desgastados, cansados e envelhecidos”.

O seu programa é de inspiração social-liberal, prometendo reconciliar “liberdade e proteção”, reformar o subsídio de desemprego, criar apoios para os jovens de bairros desfavorecidos e “olhar para a classe média”, “esquecida pela direita e pela esquerda”.

Europeísta “assumido” mas com pouca experiência internacional, tentou reforçar esta vertente com uma visita ao Líbano e outra a Berlim, onde se reuniu com a chanceler alemã, Angela Merkel, junto de quem suscita, segundo a imprensa, “interesse e simpatia”.

O seu discurso, politicamente transversal, agrada sobretudo aos jovens urbanos e aos empresários, mas não é popular junto das classes populares, sobretudo rurais, pela globalização que defende.

Contrariamente aos outros candidatos, Macron expôs na campanha a vida privada, aparecendo frequentemente com a mulher, Brigitte, 24 anos mais velha e sua antiga professora.

Francois Mori / EPA

A nova primeira-dama da França, Brigitte Trogneux, assiste à tomada de posse de de Emmanuel Macron

A nova primeira-dama da França, Brigitte Trogneux, assiste à tomada de posse de de Emmanuel Macron

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Biden propõe ajuda financeira para as famílias separadas na fronteira com o México

Os EUA poderão vir a pagar transportes, cuidados de saúde, serviços jurídicos e serviços de emprego e de educação aos migrantes que foram separados ao abrigo da estratégia de “tolerância zero” nas fronteiras, disse o …

2 de março de 2020. Confinamentos, recordes, três vagas e um "milagre" depois

O primeiro caso de covid-19 em Portugal foi registado há precisamente um ano. 365 dias depois, o medo esfumou-se, mas a incerteza permanece. A 2 de março de 2020 foram confirmados em Portugal os primeiros casos …

Ex-presidente do Peru forçou esterilizações ilegais para reduzir pobreza no país

O ex-Presidente peruano Alberto Fujimori e os seus ministros da Saúde Eduard Yong, Marino Costa e Alejandro Aguinaga foram acusados esta segunda-feira em tribunal de terem utilizado e forçado a esterilização de mulheres andinas para …

Há um mistério geológico na Sibéria a intrigar os cientistas da NASA

Umas ondulações visíveis na superfície de uma região siberiana próxima ao rio Markha, na Rússia, estão a intrigar os cientistas da NASA. Os cientistas da NASA publicaram recentemente um conjunto de imagens no portal Earth Observatory …

ONU revela provas de envolvimento do Governo russo no envenenamento de Navalny

Especialistas da ONU que investigaram o envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, disseram esta segunda-feira que as provas apontam para um "provável envolvimento" de altos funcionários do Estado russo. As duas investigadoras, que durante …

Saída de Costa e regresso de Passos Coelho "pode mudar de alto a baixo a trajetória da vida política"

Luís Marques Mendes e António Costa Pinto debateram a política nacional pós-pandemia. Convergiram na convicção de que a legislatura chegará ao fim, em 2023, mas uma saída de cena de Costa e um regresso de …

"O próximo Bruno Fernandes?". Pedro Gonçalves em destaque na BBC

"Terá o Sporting encontrado o novo Bruno Fernandes?", pergunta a BBC num artigo em que destaca o papel de Pedro Gonçalves na transformação do Sporting num candidato ao título. As exibições de Pedro Gonçalves não têm …

Tortura e prisões arbitrárias após o 25 de Abril. Marcelo retirou selo de "secreto" ao Relatório das Sevícias

A Presidência da República retirou a classificação de "secreto" ao chamado "Relatório das Sevícias" que analisou os acontecimentos entre o 25 de Abril de 1974 e o 25 de Novembro de 1975, concluindo que houve …

Com a situação "longe de estar tranquila", Temido diz que é prematuro falar sobre reabertura das escolas

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse esta terça-feira que a situação pandémica em Portugal está "longe de estar tranquila" e por isso considera que ainda não é altura para falar da reabertura das escolas …

Jorge Jesus ainda acredita e traça plano para chegar ao título

Com o SL Benfica a 13 pontos da liderança, muitos já descartam as 'águias' da corrida pelo título. No entanto, o treinador benfiquista, Jorge Jesus, acredita que ainda será possível. "Claro que acredito, há muita coisa …