Tomou posse Emmanuel Macron, o mais jovem presidente francês desde Napoleão

Emmamuel Macron tomou hoje posse do cargo de Presidente da República de França, tornando-se, com 39 anos, o mais jovem chefe de Estado do país desde Luis Napoleão Bonaparte (1848-1852), sobrinho de Napoleão Bonaparte, presidente aos 40.

No seu primeiro discurso como presidente francês, Emmanuel Macron destacou que “os franceses elegeram a esperança e o espírito de conquista. O mundo e a Europa necessitam hoje, mais do que nunca, de uma França forte e segura do seu destino“, que traga a voz da liberdade, que saiba inventar o futuro, afirmou.

O novo Presidente francês prometeu trabalhar para que a Europa seja “refundada e relançada” e tudo fazer para combater o terrorismo e o autoritarismo e resolver a crise dos refugiados.

Precisamos de uma Europa mais eficaz, mais democrática, mais política”, salientou Emmanuel Macron, no seu discurso. Os franceses “escolheram a esperança e o espírito de conquista”, acrescentou Macron, que na sua lista de desafios colocou também “os excessos de capitalismo no mundo” e as alterações climáticas.

O presidente cessante, François Hollande, já tinha deixado o Palácio do Eliseu, recebendo aplausos dos convidados e dos populares que se encontravam em frente do edifício, depois de ter passado a pasta a Emmanuel Macron.

Hollande e Macron estiveram reunidos a sós no gabinete presidencial durante cerca de 40 minutos. Tal como acontece nos Estados Unidos, um dos momentos altos da passagem de testemunho foi a transmissão da senha de lançamento de bombas nucleares.

Os dois estadistas trocaram informações sobre os habituais segredos de Estado, e o presidente cessante faz algumas recomendações que considera importantes, após o que Macron visitou o Posto de Comando Júpiter, uma espécie de bunker na ala leste do palácio, capaz de resistir a um ataque nuclear.

Depois do encontro com o anterior presidente, o novo chefe de Estado acompanhou François Hollande ao automóvel e voltou à entrada do palácio, dando a mão à mulher, Brigitte Trogneux.

Patrick Kovarik / EPA

o presidente cessante Francois Hollande (D) acompanhado pelo seu sucessor Emmanuel Macron (E) à saída do Palácio do Eliseu

O presidente cessante Francois Hollande acompanhado pelo seu sucessor Emmanuel Macron à saída do Palácio do Eliseu

O candidato que derrotou a extrema-direita

Emmanuel Macron lançou-se na corrida presidencial francesa projetando a imagem de um político novo e descomprometido, “nem de direita nem de esquerda”, e fica na história por ter derrotado a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen.

Emmanuel Macron nunca tinha sido eleito e demitiu-se do cargo de ministro da Economia (2014-2016) do governo do presidente François Hollande para apresentar a candidatura.

Com a passagem à 2ª volta da líder da extrema-direita, Marine Le Pen, Macron teve apoio de dezenas de políticos, empresários, intelectuais, artistas e cientistas, incluindo o republicano François Fillon e o socialista Benoît Hamon, derrotados na primeira volta e representantes dos dois partidos que partilharam o poder nas últimas cinco décadas.

A imprensa francesa qualifica-o de “puro produto da intelectualidade”: filho de um casal de médicos, saído das escolas de elite, banqueiro de investimentos até entrar na política em 2012 como conselheiro de Hollande. Dessa experiência, e da de ministro, Macron diz ter retirado um ensinamento central: o da disfunção do sistema político.

Disse-se candidato da “verdadeira indignação” e da renovação, face “às mesmas caras” da classe política “há 30 anos”: “Isto não pode continuar assim!”.

Francois Mori / EPA

Emmanuel Macron toma posse como presidente da França

Emmanuel Macron toma posse como presidente da França

Nas palavras de Hollande, numa reunião recente, “Macron teve a intuição, precisamente porque estava fora da vida política tradicional, de que os partidos de governo criaram as suas próprias fraquezas, perderam atratividade e estavam desgastados, cansados e envelhecidos”.

O seu programa é de inspiração social-liberal, prometendo reconciliar “liberdade e proteção”, reformar o subsídio de desemprego, criar apoios para os jovens de bairros desfavorecidos e “olhar para a classe média”, “esquecida pela direita e pela esquerda”.

Europeísta “assumido” mas com pouca experiência internacional, tentou reforçar esta vertente com uma visita ao Líbano e outra a Berlim, onde se reuniu com a chanceler alemã, Angela Merkel, junto de quem suscita, segundo a imprensa, “interesse e simpatia”.

O seu discurso, politicamente transversal, agrada sobretudo aos jovens urbanos e aos empresários, mas não é popular junto das classes populares, sobretudo rurais, pela globalização que defende.

Contrariamente aos outros candidatos, Macron expôs na campanha a vida privada, aparecendo frequentemente com a mulher, Brigitte, 24 anos mais velha e sua antiga professora.

Francois Mori / EPA

A nova primeira-dama da França, Brigitte Trogneux, assiste à tomada de posse de de Emmanuel Macron

A nova primeira-dama da França, Brigitte Trogneux, assiste à tomada de posse de de Emmanuel Macron

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Deslocações na Páscoa limitadas ao concelho de residência

O Governo vai limitar as deslocações dos portugueses durante o período de Páscoa aos concelhos de residência de permanência. De acordo com o Jornal de Notícias, que avança a notícia esta quinta-feira, entre a quinta-feira Santa …

"Dos mais novos no mundo a morrer." Bebé de seis semanas morre de covid-19 nos EUA

Morreu, nos Estados Unidos, um bebé de seis semanas, que estava hospitalizado desde o fim de semana, na sequência de uma infeção provocada pela covid-19. Um bebé de seis semanas, que estava hospitalizado desde o fim …

Reyes seguia a 187 km/h quando sofreu acidente mortal

O futebolista José Antonio Reyes conduzia a 187 km/h quando rebentou um pneu do carro, provocando o acidente que causou a morte ao antigo jogador do Benfica, indica o relatório pericial da Guarda Civil. A investigação …

OMS está "muito preocupada com o rápido aumento da infeção"

A OMS mostra-se preocupada com a evolução do número de infetados pelo novo coronavírus e pede o perdão da dívida para os países mais vulneráveis. O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) diz estar muito …

Cerco sanitário prolongado em Ovar. "Situação ainda não está controlada"

A Direção-Geral de Saúde decidiu prolongar a cerca sanitária no concelho de Ovar por mais 15 dias, avança o Jornal de Notícias esta quinta-feira. De acordo com o matutino, as autoridades de saúde vão permitir …

Liga belga propõe fim do campeonato e o Club Brugge campeão

A Liga de futebol da Bélgica recomendou esta quinta-feira que se dê por terminada a época 2019/20 do campeonato e a “aceitação da classificação atual” que faz do Clube Brugge campeão, devido ao novo coronavírus …

Pico da pandemia pode ser tardio. "Só saberemos quando começarmos a descer"

A diretora-geral da Saúde disse que ainda não é possível saber quando é que será o pico da covid-19 em Portugal, alertando que este pode ser tardio, uma vez que uma progressão mais lenta da …

"China esconde a severidade deste vírus há meses", acusam serviços secretos dos EUA

Os Estados Unidos concluíram que a China falseou os dados sobre a severidade do novo coronavírus, indica um relatório dos serviços de inteligência norte-americanos divulgado esta quarta-feira a vários senadores. A agência Bloomberg aludiu esta quinta-feira …

Forças Armadas aceitaram líder do CDS como voluntário

O Jornal de Notícias escreve esta quinta-feira que as Forças Armadas aceitaram o líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, como voluntário para ajudar nas ações desenvolvidas na luta contra a covid-19 durante o estado …

Portugal duplica capacidade de ventilação. Oito profissionais de saúde nos cuidados intensivos

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, anunciou esta quinta-feira a duplicação dos equipamentos de ventilação e garantiu uma distribuição equilibrada dos testes de despistagem. “Entre ofertas, compras e empréstimos, estaremos em condições de duplicar …