Tensão no Mediterrâneo. Macron envia ajuda militar à Grécia em conflito com a Turquia

(dr) Ministère des Armées

O porta-helicópteros da Marinha Francesa Tonnere

O presidente Emmanuel Macron anunciou, quarta-feira, o envio de forças francesas para o Mediterrâneo Oriental. A intenção turca de procurar petróleo e gás no fundo do mar, tem criado tensão política entre a Grécia e a Turquia – dois países tradicionalmente envolvidos em disputas diplomáticas e militares. Agora os franceses pretendem fornecer assistência militar à Grécia.

De acordo com o Wall Street Journal, à medida que os EUA se desligam dos conflitos no Mediterrâneo Oriental, a França tem-se envolvido mais nas questões políticas que ocorrem na zona. O país é a potência militar mais forte da União Europeia, e é a única nação com armas nucleares.

Agora, o governo de Macron está mais uma vez a enfrentar a Turquia, que é também membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO). Esta decisão, anunciada no Twitter em francês e grego, posiciona a França como um ator importante na disputa marítima sobre potenciais campos de gás e petróleo no Mediterrâneo Oriental.

De acordo o Ministério da Defesa francês, a frota destacada para o Mediterrâneo inclui a fragata La Fayette, o porta-helicópteros de assalto anfíbio Tonnerre e dois caças Rafale.

A Turquia enviou esta semana o navio de exploração sísmica Oruc Reis, acompanhado por navios de guerra, para a área que pretende dominar. O país tem feito reivindicações sobre o que a Grécia e o Chipre consideram ser as suas próprias zonas económicas exclusivas, pretendendo com isso alargar o seu território marítimo para conseguir explorar petróleo e gás.

Foi neste contexto que o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakiso, pediu ajuda a Macron, que expressou solidariedade com qualquer membro da UE que veja a soberania contestada, e considera que “a situação no Mediterrâneo é alarmante, pois as decisões unilaterais da Turquia em questões de exploração de petróleo provocam tensões”.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse por seu turno que o seu país não tem como objetivo alimentar a tensão na região, mas sim defender os seus interesses nacionais. “Não vamos deixar ninguém nos enganar sobre o que é nosso”.

Num discurso televisivo, esta quinta-feira, Erdogan garantiu que “não é a Turquia que aumenta a tensão no Mar Mediterrâneo, mas sim uma mentalidade grega que tenta ignorar a Turquia e a República da Turquia do Chipre do Norte”, num referência às reivindicações turcas no norte de Chipre, que não são reconhecidas internacionalmente.

O apoio por parte dos franceses à Grécia pode também ter origem nas relações pouco amistosas que Macron e Erdogan desenvolveram nos últimos anos — especialmente depois de uma força naval turca quase ter atacado uma fragata francesa que transportava armas das Nações Unidas, ao largo da Líbia, em junho. Macron acusou a Turquia de “responsabilidade criminal” por fomentar a guerra civil na Líbia.

A Turquia tem vindo a contestar há muito tempo que as ilhas gregas tenham direito a uma zona económica exclusiva (ZEE). Em novembro do ano passado, o país assinou um acordo de delimitação marítima, com um dos dois governos da Líbia, que corta grande parte da zona da Grécia. Este mês, a Grécia e o Egito selaram um acordo rival de delimitação da ZEE que se sobrepõe às reivindicações turcas e líbias.

Ismail Hakki Pekin, ex-chefe de inteligência militar da Turquia, considera que os franceses querem “eliminar a Turquia por causa do gás natural e do petróleo na região do Mediterrâneo. Este é o principal motivo da disputa entre a Turquia e a França”.

Contudo, um alto funcionário francês garante que responder às ações turcas no Mediterrâneo deve ser uma prioridade para toda a UE, e não só para a França. “Erdogan preenche o vazio, assume posições e cria situações que parecem perigosas para nós. É um problema de estabilidade estratégica que está muito perto da UE ”, explica o funcionário.

As autoridades francesas temem que o papel ativo da Turquia na guerra civil na Líbia, para onde enviou milhares de militantes sírios, dê a Erdogan a capacidade de enviar migrantes para a UE.

A influência turca começa também a ganhar peso no Líbano, especialmente entre os muçulmanos sunitas da classe trabalhadora no norte do país. O vice-presidente da Turquia, Fuat Oktay, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, chegaram a Beirute no dia seguinte à visita de Macron, prometendo ajuda à reconstrução e oferecendo cidadania turca aos libaneses que afirmam ter ascendência turca.

Contudo o domínio da Turquia no Líbano não é tão forte quanto o da França. Segundo Alain Aoun, “para os libaneses, a França continua a ser a pátria-mãe”. O legislador libanês explica que “a visita de Macron (após as explosões) quebrou o isolamento que estávamos a sentir no Líbano. Veio aqui como porta-voz da comunidade internacional, não apenas como presidente da França”.

Com cada vez mais compromissos na agenda internacional, os franceses correm o risco de se expandirem demais, advertiu François Heisbourg, um conselheiro especial da Strategic Research Foundation, que foi assessor de Macron em questões de defesa e segurança nacional.

Para Heisbourg este envolvimento de França, em questões no mediterrâneo oriental pode não ser assim tão benéfico para a política externa do país. “Estamos a tentar fazer malabarismos com a bola da Líbia, estamos a tentar fazer malabarismos com a bola do Mediterrâneo Oriental, estamos a tentar fazer malabarismos com a bola do Líbano e, enquanto isso, também temos esse a questão do Níger”, disse Heisbourg.

“Há demasiadas bolas no ar”, considera o ex-assessor de Macron, que compara a política externa de França a uma prática de malabarismo.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. “O país é a potência militar mais forte da União Europeia, e é a única nação com armas nucleares.”
    Então… e a Inglaterra? Deixou de ter armas nucleares!?

RESPONDER

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve. Contudo, os especialistas têm dúvidas em relação à necessidade de vacinar os mais jovens. Atualmente há apenas uma vacina contra a covid-19, …

Netanyahu não conseguiu formar Governo em Israel. Segue-se Lapid

Esta quarta-feira, Reuven Rivlin, Presidente de Israel, chamou Yair Lapid, líder do partido Yesh Atid, para lhe entregar a responsabilidade de formar um Governo que consiga o apoio do Knesset (Parlamento). O partido de Yair Lapid, …

Almofada de prevenção contra a pandemia. Câmara de Lisboa quer pedir 20 milhões à banca

A Câmara Municipal de Lisboa quer contrair um empréstimo de 20 milhões de euros junto do BPI, uma almofada de prevenção para fazer face às despesas correntes emergentes do combate à pandemia de covid-19. O Público …

Resort Zmar

BES, falência e um fundo abutre. Resort Zmar "deve 60 milhões de euros ao Estado"

Os proprietários das casas privadas do empreendimento turístico Zmar, na Zambujeira do Mar, em Odemira, continuam a protestar contra o alojamento de imigrantes por causa da covid-19. Isto numa altura em que se revela que …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …

Deputado do Bloco acusado de violência doméstica avança com queixa em tribunal

Catarina Alves, ex-namorada do deputado Luís Monteiro, acusa-o de violência doméstica. O bloquista nega as acusações e diz que vai apresentar queixa no tribunal. Luís Monteiro vai apresentar queixa contra a ex-namorada que o acusou de …

Gestão do Novo Banco vai receber bónus de 3,9 milhões em 2022

A equipa de administração do Novo Banco tem à sua espera um bónus de 3,9 milhões de euros no próximo ano. O banco registou prejuízos de 1.329 milhões de euros no ano passado. O Novo Banco …

Ainda não há planos para vacinar voluntários com AstraZeneca e J&J (nem dados sobre combinação de vacinas)

A vacinação de voluntários com menos de 60 ou 50 anos que aceitem receber as vacinas da AstraZeneca ou da Johnson & Johnson ainda não tem planos ou datas para arrancar. A Comissão de vacinação …

Celebrar ou cancelar Napoleão? 200.º aniversário da morte do imperador desperta debate em França

No 200.º aniversário da morte de Napoleão Bonaparte, o presidente francês Emmanuel Macron optou por fazer o que os seus antecessores evitaram. Ao escolher colocar uma coroa de flores esta quarta-feira no túmulo de Napoleão sob …

Costa começa a namorar a esquerda. Negociações do Orçamento arrancam em julho

O Governo está a preparar-se para arrancar com as reuniões preliminares de negociação do Orçamento do Estado para 2022. O Público avança, esta quinta-feira, que os encontros formais vão ser realizados com os partidos de esquerda …