/

Os trabalhadores que acumulam empregos em teletrabalho — e em segredo

Com a normalização do teletrabalho nos últimos anos, há cada vez mais pessoas que acumulam dois empregos a tempo inteiro — e em segredo.

Têm dois endereços de e-mail profissionais, dois computadores, dois patrões e… dois salários.

Com o aumento do trabalho remoto, há cada vez mais pessoas que têm, em segredo, dois empregos, aproveitando o facto de estarem longe dos olhos dos empregadores.

De acordo com a BBC, não é raro encontrar pessoas empregadas à procura de trabalho adicional, como por exemplo vender joias no Etsy, ser condutor da Uber depois do horário de trabalho ou montar móveis ao fim de semana.

Mas o “duplo emprego” é diferente: um funcionário pode acumular empregos a tempo inteiro, separados mas simultâneos, em computadores diferentes. E não é um fenómeno totalmente novo — há pessoas que o fazem há anos na indústria da tecnologia.

Isaac (nome fictício), um homem com quase 40 anos de São Francisco, nos Estados Unidos, tem dois empregos a tempo inteiro há anos e diz que ganha mais de 600 mil dólares (cerca de 515 mil euros) por ano.

Em abril, Isaac lançou o site Overemployed, onde escreve artigos sobre como manter vários empregos remotos — e a regra número um é não falar sobre o assunto.

Nos últimos 20 anos, alguns trabalhadores exploraram esta possibilidade na indústria de tecnologia. Mas, agora, devido à pandemia de covid-19, há trabalhadores de diversos campos em todo o mundo que ficaram em teletrabalho, o que aumentou as oportunidades para que tenham mais do que um emprego a tempo inteiro.

Isaac contou, em declarações à BBC, que o Overemployed recebe visitas de todo o mundo e abrange todas as idades, desde pessoas com pouco mais de 20 anos — que podem ter um “duplo estágio” — até pessoas com 60 ou mais anos.

Mas a maioria dos utilizadores pertence à faixa etária entre os 35 e os 40 anos, pessoas que “já têm muita experiência e estão um pouco cansadas do mundo corporativo”.

De forma geral, tanto antes como durante a pandemia, Isaac afirma que é raro saber de alguém que tenha sido apanhado porque, por norma, isso só acontece quando a pessoa é descuidada.

No entanto, o norte-americano soube de um caso em que um spyware apanhou um programador a fazer um script que não deveria no computador do seu trabalho principal — e foi despedido.

Isaac defende que o emprego duplo não significa necessariamente dias de trabalho excessivamente longos: os trabalhadores podem dedicar 30 horas por semana ao seu emprego original, por exemplo, e usar o tempo que seria preenchido por reuniões não obrigatórias para manter um segundo emprego.

Legalmente, o duplo emprego é uma situação delicada. Para que seja possível, é preciso ter em atenção o tipo de contrato assinado pelo funcionário para o emprego original — não se podem quebrar acordos de não-concorrência.

Além disso, é uma situação extremamente controversa ou até considerada antiética.

Mas, para quem consegue fazer a combinação funcionar — tanto relativamente à legalidade quanto à logística —, Isaac defende que os trabalhadores em duplo emprego têm muito a ganhar.

Uma das razões que levam os trabalhadores a assumir um segundo emprego secreto em tempo integral é a diversificação de fontes de renda, para ganhar dinheiro de forma mais eficiente. Mas Isaac acredita que o dinheiro não é o único motivo.

Catherine Chandler-Crichlow, diretora-executiva de gestão de carreiras da Faculdade de Administração Ivey, da Western University em Ontário, no Canadá, concorda e afirma que o estereótipo dos trabalhadores em duplo emprego, “que tentam secretamente ganhar mais dinheiro”, não é necessariamente correto.

“Como fomos forçados a trabalhar de casa, as pessoas provavelmente começaram a perguntar-se: ‘Onde é que as minhas habilidades podem ser otimizadas?’; ‘Quais são as minhas verdadeiras paixões?'”, afirmou.

Chandler-Crichlow disse ainda que esse conceito é muito relevante para a discussão do duplo emprego. Alguém pode ter, por exemplo, um emprego como analista financeiro, mas também gostar de outra coisa, como programação ou de escrever. A situação atual de trabalho remoto generalizado permite que esse analista encontre um emprego a programar ou escrever.

“Agora, sou eu quem controla o que eu gostaria de fazer e onde gostaria de passar o meu tempo”, acrescentou a especialista, considerando que para os trabalhadores em grupos sócio-económicos inferiores, manter diversos empregos é um meio de sobrevivência.

E Erin Hatton, professor de Sociologia na Universidade Estadual de Nova Iorque concorda.

“Talvez [os trabalhadores estejam] a tentar coisas novas. Acho que este é um momento de ajustar as contas com o mundo do trabalho e discutir o papel desempenhado pelo trabalho nas nossas vidas”, disse.

O duplo emprego pode “libertar as pessoas para avaliar outros empregos, talvez conseguir um trabalho adicional que não pague tão bem, mas que seja mais significativo”, continuou.

Por isso, não é coincidência que cada vez mais pessoas estejam a tentar coisas novas. “Acho que a pandemia pode ter incentivado as pessoas a pensar mais profundamente no que passam a vida a fazer e concluir que provavelmente poderiam fazer mais”, afirma Chandler-Crichlow.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.