Supremo confirma condenação do Santander por swap especulativo

Pranav Bhatt / Flickr

-

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou o acórdão que havia condenado o Santander Totta a pagar 2,2 milhões de euros a uma empresa com a qual celebrou um contrato swap considerado nulo.

No início deste ano o banco tinha sido condenado a devolver 2,2 milhões de euros, mais juros, à empresa Fábrica de Papéis dos Cunhas, de Lousada, mas apresentou um pedido de nulidade que foi agora recusado pelo tribunal, que “confirmou a decisão anterior”, afirmou Pedro Marinho Falcão, advogado do queixoso.

Segundo o advogado, “perante o reforço da confirmação do Supremo Tribunal de Justiça para o pagamento por parte do Santander Totta, este banco não pode mais recorrer da decisão”.

Contactada pela agência Lusa, fonte oficial do Santander Totta adiantou, contudo, que o banco está “a equacionar a possibilidade de pedir a uniformização de jurisprudência“, uma vez que há duas decisões do Supremo – uma relativa à empresa Cardoso e Costa Construções e outra envolvendo a Turismadeira – “em que os acórdãos são em sentido contrário a este”.

Em causa está um contrato de permuta de taxas de juro celebrado entre o banco e a empresa de Lousada Fábrica de Papéis dos Cunhas, que entretanto faliu e mudou a designação para Sweatbusiness.

De acordo com Marinho Falcão, a decisão judicial decorreu do entendimento pelo STJ do carácter “especulativo e, por isso, nulo”, do contrato, uma vez que “não havia uma verdadeira cobertura de risco inerente a um contrato de empréstimo”.

“Por que é que o STJ veio a considerar que este contrato era especulativo? Porque na relação entre o banco e o cliente não havia uma verdadeira cobertura de risco inerente a um contrato de empréstimo, mas apenas um contrato cuja lógica estava assente num elemento aleatório, que era o aumento ou a diminuição da taxa de juro. Se a taxa de juro aumentasse, o cliente ganhava. Se diminuísse, o cliente tinha de pagar ao banco. Desgarrado de qualquer tipo de contrato de financiamento, isto é um contrato puramente especulativo”, argumentou o advogado em declarações à agência Lusa.

Ao entender que o contrato é especulativo, explicou, o STJ concluiu que é nulo, por violar a ordem pública e uma regra constitucional, o artigo 99, segundo a qual não é permitido o exercício de atividades especulativas que ponham em causa o interesse dos cidadãos.

“Há portanto, na sequência desta decisão do STJ, uma clara lógica de proteção do cliente contra atividades financeiras, bancárias, de natureza especulativa”, sintetizou, resumindo o acórdão do STJ, a que a agência Lusa teve acesso.

Pedro Marinho Falcão classifica a decisão do STJ como “uma porta-bandeira”, salientando que “levou a que vários outros casos foram analisados, nomeadamente envolvendo o Santander Totta e diferentes empresas”.

Em 2012, a primeira instância de Lisboa tinha já decretado a nulidade do contrato swap entre o Santander Totta e a Fábrica de Papéis dos Cunhas, numa decisão posteriormente reiterada pelo Tribunal da Relação, embora com uma diferente argumentação, tendo então o Santander interposto recurso para o Supremo Tribunal de Justiça.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Setor da restauração diz que os apoios e horários estabelecidos aumentam a “escravização"

Segundo um documento da PRO.VAR, dois em cada três (66,4%), dos estabelecimentos localizados em centros comerciais, ponderam apresentar pedidos de insolvência. O trabalho tem por base um inquérito a empresas do sector realizado entre os dias …

Ucrânia diz que Rússia não responde a pedido de conversações, mas conta com o apoio da NATO

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, disse que ainda não conseguiu falar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para discutir a escalada do conflito no Leste da Ucrânia. A Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de …

"O trabalho liberta." Polícia comunica pichagem nazi no Porto ao Ministério Público

A Polícia Municipal vai comunicar ao Ministério Público (MP) uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, com a frase nazi "o trabalho liberta". Uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, …

Um morto e um ferido em tiroteio junto a hospital em Paris. Atirador encontra-se em fuga

Um tiroteio numa rua no bairro 16 da capital francesa causou a morte de um segurança do hospital Henry Dunant e ferimentos muito graves numa utente. Os disparos deram-se em frente ao hospital Henry Dunant, …

Bloco de Esquerda quer plano nacional de férias de Verão financiado pelo Governo

O Bloco de Esquerda vai entregar um projeto de lei na Assembleia da República para que o Governo defina um programa de férias de Verão. Catarina Martins, coordenadora do partido, frisa que a maior parte …

Índia ultrapassa Brasil e é o segundo país mais afetado pela covid-19

A Índia é o segundo país mais afetado pela pandemia de covid-19, ultrapassando o Brasil, depois de registar um valor máximo de 168 mil novas contaminações nas últimas 24 horas. O país, com 1,3 mil milhões …

Dois anos depois, mulher de Assange pede que Reino Unido pressione EUA para acusações caírem

A mulher de Julian Assange, Stella Moris, disse que a Grã-Bretanha seria mais forte a fazer campanha contra regimes autoritários se pressionasse o Governo Biden a retirar o seu apelo para o extraditar sob acusações …

Operação Marquês. Ministério Público pede alargamento do prazo previsto na lei para recorrer

Depois da decisão instrutória tomada pelo juiz Ivo Rosa, os procuradores Rosário Teixeira e Vítor Pinto já entregaram um requerimento a pedir 120 dias para o recurso. O alargamento do prazo passaria assim a ser …

Duas mortes e 271 infetados em 24 horas. Rt continua a subir em Portugal

O boletim da DGS desta segunda-feira dá conta de mais 271 novos casos. Registaram-se ainda mais duas mortes por covid-19. Segundo a DGS existem 25.784 casos ativos, menos 176 do que na véspera, e há mais …

Maioria dos pobres em Portugal trabalha (os "três D" da pobreza e 4 perfis que são uma "supresa")

Um quinto da população portuguesa é pobre e a maior parte das pessoas em situação de pobreza trabalha, mantendo vínculos laborais sem termo. As conclusões são de um estudo promovido pela Fundação Francisco Manuel dos …