A colecionar medalhas e inimigos, Sun Yang volta a ser alvo de protesto no Mundial de Gwangju

Esteban Biba / EPA

Sun Yang, medalha de ouro nos 200m livres do Rio 2016

Ao receber uma segunda medalha de ouro no Mundial de Desportos Aquáticos que decorrem em Gwangju, na Coreia do Sul, o chinês Sun Yang voltou a ser alvo de protestos de atletas.

Na noite de 4 para 5 de setembro, num período fora do quadro internacional de competições, Sun Yang chegou a casa e tinha uma brigada anti-doping à sua espera para fazer testes e recolher amostras. Segundo o Observador, das três pessoas presentes, apenas uma teria acreditação própria para o efeito.

Depois de ter falado com o seu treinador e com o seu advogado, o chinês foi encorajado a não assinar os papéis e a mãe, depois de ter ido buscar um martelo, destruiu os tubos, uma vez que nem tudo estaria conforme estipulado a nível de pedido de análises, dos técnicos e do próprio modus operandi.

Mas esta não foi a primeira vez que o desportista surgiu associado a um episódio envolvendo questões de doping. Em maio de 2014, Sun Yang foi suspenso por 90 dias pela Associação Chinesa de Natação depois de ter acusado um estimulante que entrara na lista de substâncias proibidas quatro meses antes apenas em períodos de competição.

O nadador justificou-se, dizendo que tinha sido um medicamento receitado por um médico para tratar as palpitações que sofre desde 2008 e, ao mesmo tempo, acrescentou não saber que era algo que entretanto tinha sido vetado.

Segundo o diário, surgiu uma guerra entre a WADA, Agência Mundial Antidopagem, e a CHINADA, Agência Chinesa Anti-Doping por causa da revelação tardia dos resultados e a sanção mínima que foi aplicada. No entanto, as suspeitas em torno do primeiro campeão olímpico chinês já têm mais tempo. Aliás, nos Jogos de 2012 já tinham sido faladas imprensa internacional.

Sun Yang já apresentou sinais de depressão e esteve, inclusive, evolvido noutras polémicas nas piscinas, nomeadamente em 2015 quando falhou a final dos 1.500 metros livres dos Mundiais de Kazan depois de ter tido um desentendimento com a nadadora brasileira Larissa Oliveira na zona de aquecimento, tendo mesmo tentado acertar com uma cotovelada na atleta.

Agora, nos Mundiais de Gwangju, o chinês fez história, mas também vestiu a capa de vilão. Conforme noticia o Observador, logo no primeiro dia, o desportista tornou-se o primeiro nadador de sempre a sagrar-se campeão na mesma distância em quatro edições consecutivas.

Quando saiu da piscina, só contou com a reação da claque chinesa. Logo depois, a festa acabou por ser abortada pela recusa de Mack Horton em entrar numa fotografia com os medalhados ao lado do vencedor e do italiano Gabrielle Deti, que ganhou o bronze. “Não quero partilhar o pódio com alguém que faz o que ele faz”, justificou.

Já na segunda final, dos 200 metros livres, o vencedor foi Danas Rapsys, mas acabou por ser desclassificado por falsa partida. Sun Yang conquistou assim mais uma medalha de ouro em Mundiais, a 11.ª entre 16 pódios conseguidos em Mundiais desde 2011.

No entanto, também Duncan Scott, britânico que acabou por subir ao pódio pelo “azar” de Rapsys, se recusou a surgir na fotografia com o vencedor. “És um perdedor, eu ganhei”, reagiu o nadador chinês.

Aos 27 anos, dentro e fora das piscinas, Sun Yang continua a ser notícia. O diário adianta que o jovem desportista tem ainda em curso um processo por ter destruído as amostras recolhidas em setembro do ano passado, depois do recurso apresentado pela Agência Mundial Antidopagem à decisão da Federação Internacional de Natação em fazer só uma advertência ao chinês pelo seu comportamento.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O Projeto Galileu quer provar a existência de aliens através da tecnologia deixada para trás

Investigadores vão centrar o seu trabalho na procura de objetos físicos associados a equipamento tecnológico extraterrestre, em oposição às pesquisas anteriores que se focaram em sinais eletromagnéticos. Um grupo de investigadores de Universidade de Harvard está …

O tesouro dos Templários pode estar escondido debaixo de uma casa em Inglaterra

Um historiador inglês alega que um edifício histórico em Burton, em Inglaterra, é onde está escondido o lendário tesouro dos Templários. Existem várias lendas sobre um tesouro que alguns templários conseguiram esconder do rei francês Filipe …

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro. No entanto, isto não quer dizer que o nosso planeta esteja a ficar inclinado. Mais de 5.000 quilómetros abaixo de …

Incêndios devastam sul da Europa e obrigam a retirar moradores e turistas

Dezenas de aldeias e hotéis foram este domingo evacuados nas zonas turísticas do sul da Turquia devido a incêndios que começaram há cinco dias e já mataram oito pessoas no país, devastando também regiões da …

Há uma empresa a transformar as cinzas de entes queridos em diamantes

Uma empresa norte-americana transforma cinzas de entes queridos — e animais de estimação — em diamantes, que podem ser colocados em anéis ou colares. Lidar com a morte de um ente querido é sempre uma altura …

Pianista de aeroporto ganhou 60 mil dólares em gorjetas

Tonee "Valentine" Carter, que toca piano num aeroporto norte-americano, ganhou 60 mil dólares (cerca de 50.800 mil euros) depois de um estranho partilhar um vídeo seu a tocar. Tonee "Valentine" Carter, de 66 anos, não é …

Youtubers denunciam campanha de fake news contra vacina da Pfizer

De acordo com a imprensa brasileira, uma agência de marketing terá tentado que influenciadores digitais de todo o mundo partilhassem desinformação sobre as vacinas contra a covid-19. A denúncia foi feita por alguns dos influenciadores …

Na Tailândia, a legalização do aborto enfrenta "resistência espiritual"

Desde fevereiro, qualquer pessoa que procure fazer um aborto na Tailândia consegue fazê-lo legalmente, pelo menos no primeiro trimestre. Ainda assim, muitos médicos e enfermeiros recusam-se a levar a cabo o procedimento. A advogada Supecha Baotip …

Haiti. Viúva do presidente assassinado implica seguranças no crime

Martine Moise, a viúva do presidente haitiano Jovenel Moise — assassinado na sua residência por um comando armado no início de julho — descreveu abertamente o ataque e partilhou as suas suspeitas sobre o crime …

Covid-19. Portugal regista 2.306 novos casos e aumento nos internados

Portugal registou este domingo 2.306 novos casos de infeção por covid-19 e mais oito mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).  Portugal regista este domingo oito mortes atribuídas à covid-19, 2.306 novos casos …