Suécia diz que não prestou qualquer “assistência financeira ou apoio militar” aos Curdos

Tolga Bozoglu / EPA

Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan

A Suécia negou prestar qualquer “assistência financeira ou apoio militar” a grupos ou entidades curdas na Síria. Afirma que a Turquia está a usar isso para evitar que a Suécia e a Finlândia adiram à NATO.

A negação de qualquer apoio chega num momento em que delegações da Suécia e da Finlândia eram esperadas na capital turca, Ancara, para conversações que tentassem ultrapassar as objeções da Turquia às suas candidaturas à NATO.

A Turquia cita o apoio dos países nórdicos ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e outros grupos que a Turquia rotula como terroristas, bem como as restrições à exportação de armas impostas contra Ancara.

“A Suécia é uma importante ajuda humanitária à crise síria, através de contribuições globais a agentes humanitários”, afirmou Ann Linde, Ministra dos Negócios Estrangeiros, em entrevista ao jornal Aftonbladet.

“A cooperação no nordeste da Síria é levada a cabo principalmente através das Nações Unidas e organizações internacionais”, acrescentou a ministra.

“A Suécia não presta apoio direcionado aos curdos sírios ou às estruturas políticas ou militares do nordeste da Síria, mas a população nestas áreas está, evidentemente, a participar nestes projetos de ajuda”, realçou, de acordo com a abc News.

A Turquia enumerou cinco “garantias concretas” que exige da Suécia, incluindo o que afirmou ser “o fim do apoio político ao terrorismo”, uma “eliminação da fonte de financiamento do terrorismo”, e o “fim do apoio ao armamento” ao PKK e a um grupo de milícias curdas filiadas ao partido. As exigências incluíam também o levantamento das sanções de armas contra a Turquia e a cooperação global contra o terrorismo.

Listado como um grupo terrorista pela Turquia, Estados Unidos e União Europeia — do qual a Suécia e a Finlândia são membros — o PKK tem feito uma campanha contra a Turquia desde 1984. Dezenas de milhares de pessoas morreram no conflito.

A Turquia publicou no Twitter que tem vindo a solicitar a extradição de militantes curdos e outros suspeitos desde 2017, mas não recebeu uma resposta positiva de Estocolmo.

Entre outras coisas, Ancara alegou que a Suécia tinha decidido oferecer 376 milhões de dólares para apoiar os militantes curdos em 2023, e que lhes tinha fornecido equipamento militar, incluindo armas anti-tanque e drones.

Na segunda-feira, o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse que a Turquia iria lançar uma nova operação militar na Síria, para assegurar a fronteira sul do país.

As delegações suecas e finlandesas discutiram as objeções da Turquia com Ibrahim Kalin, porta-voz do Presidente Recep Tayyip Erdogan, e com o Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros turco Sedat Onal.

A delegação sueca foi chefiada pelo Secretário de Estado Oscar Stenström, enquanto Jukka Salovaara, o subsecretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, liderou a delegação finlandesa.

Na reunião anual do Fórum Económico Mundial em Davos, o Ministro dos Negócios Estrangeiros finlandês Pekka Haavisto afirmou que “compreendia que a Turquia tinha algumas das suas próprias preocupações de segurança face ao terrorismo”.

“Pensamos que temos boas respostas para ele, porque também fazemos parte da luta contra o terrorismo. Portanto, pensamos que esta questão pode ser resolvida”, sublinhou Haavisto.

Jens Stoltenberg, secretário-Geral da NATO, realçou que a aliança Atlântica fará “o que sempre faz” e “isto é sentar-se e abordar as preocupações quando os aliados expressam preocupações”.

Stoltenberg está confiante de que a aliança militar será capaz de “resolver estas questões e de chegar a acordo, para depois acolher a Finlândia e a Suécia como membros”. Todos os atuais 30 países da NATO devem concordar em abrir a porta a novos membros.

Stoltenberg disse ter falado com Erdogan, e o presidente levantou as mesmas questões que tinha levantado publicamente : “Trata-se de terrorismo, trata-se de preocupações sobre o PKK, e também, claro, da necessidade da Turquia adquirir as armas de que considera necessitar”.

“Parte da solução é também reconhecer que apesar do facto de existirem opiniões diferentes entre os aliados da NATO sobre questões relacionadas com a Turquia, também temos de reconhecer que a Turquia é um aliado importante. A Turquia é o aliado que mais tem sofrido ataques terroristas — muito mais do que qualquer outro membro da NATO”, acrescentou.

A Suécia acolheu centenas de milhares de refugiados do Médio Oriente nas últimas décadas, incluindo curdos étnicos da Síria, Iraque e Turquia.

Depois de ser firmemente contra a adesão à NATO durante décadas, a opinião pública em ambos os países mudou após a invasão russa da Ucrânia a 24 de fevereiro, com níveis recorde de apoio à adesão à aliança.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.