Sondagens dão maioria pró-UE no Parlamento Europeu (mas eurocéticos crescem)

As sondagens para o Parlamento Europeu apontam para uma maioria de partidos pró-União Europeia (UE), apesar de os partidos eurocéticos ganharem terreno em relação à composição que resultou das eleições de 2014.

Entre os 751 assentos parlamentares em jogo, de acordo com a projeção do Politico, haverá uma maioria 467 deputados provenientes de partidos pró-UE, contra 257 que são eurocéticos. Há ainda 27 deputados de forças políticas cuja posição em relação à UE não é totalmente clara.

Ainda assim, quando analisados os deputados que deverão caber a cada um dos grupos políticos que se concentram em Bruxelas, os números tornam-se mais dispersos e deixam adivinhar tempos de negociações difíceis logo desde o início, em que cabe ao Parlamento Europeu eleger o próximo presidente da Comissão Europeia.

Para chegar a uma maioria, são precisos 376 deputados. O que se torna evidente nesta sondagem é que vai ter de haver algum tipo de entendimento entre bancadas para viabilizar uma solução para a liderança Comissão Europeia — e para aprovar diplomas nos próximos cinco anos.

De acordo com o Politico, o maior grupo continuará a ser o do Partido Popular Europeu (PPE, onde se inclui o PSD, CDS e MPT), com 168 deputados — suficiente para ficar em primeiro mas bem longe dos 214 de 2014 e uma queda significativa dos 288 em apenas 10 anos, contando a partir das eleições de 2009.

Logo a seguir, ainda em segundo mas também em queda, está a Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (S&D, onde se insere o PS). Aquele grupo poderá ficar-se pelos 147 deputados.

Segue-se depois o grupo dos liberais, do ALDE, onde está inserido o PDR, de Marinho Pinto. O Politico prevê 104 deputados a este grupo — uma subida dos 83 nas eleições de 2014, para a qual muito contribui a entrada do Renaissance, de Emmanuel Macron, nas suas fileiras.

Seguem-se depois a aliança ENF, que junta vários partidos da extrema-direita e direita radical eurocética. Ali, além da Liga (Itália), estão os franceses União Nacional (ex-Frente Nacional), os holandeses do PVV, os britânicos do UKIP e também os austríacos do FPÖ. Para este grupo eurocético, o Politico prevê 73 deputados — o que faz deste o quarto maior grupo em Bruxelas.

Logo a seguir deverá ficar o ECR, também de tendência eurocética e de direita. Por ali, deverão ficar 59 deputados. Seguem-se depois os Verdes (pró-UE, ecologistas e alguns regionalistas), com 54 deputados; o GUE/NGL (extrema-esquerda e esquerda radical com diferentes matizes de euroceticismo, onde está a CDU e o Bloco de Esquerda, com 50 deputados).

Por fim, há a soma do Movimento 5 Estrelas e do Partido do Brexit, de Nigel Farage. Somadas, as duas tendências eurocéticas deverão ter 49 deputados. A fechar, estão ainda 47 deputados para partidos novos e cuja posição em relação à UE não é ainda clara.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bancos querem passar a cobrar por grandes depósitos. Particulares escapam

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos defendem que é preciso cobrar aos grandes clientes por depósitos de grande dimensão. Particulares e pequenas e médias empresas escapariam desta medida. A ideia foi lançada pelo …

Filho de Bolsonaro já não vai ser embaixador em Washington

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, anunciou na terça-feira, na Câmara dos Deputados, que desistiu da sua indicação para embaixador do país em Washington, nos Estados Unidos (EUA). Na véspera, Jair Bolsonaro, que …

OE2020. Catarina Martins critica chantagem da Comissão Europeia a cada ano

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou esta terça-feira a chantagem da Comissão Europeia em relação a Portugal repetida a cada legislatura e a cada ano, reiterando a disponibilidade "para negociar um Orçamento do Estado …

Maior parte das escolas não cumprem lei de 2009 sobre a educação sexual

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão surge num relatório …

Pouco poder, mas algum. Deputados únicos podem desencadear revisão da Constituição

Os deputados únicos não têm poder para pedir a votação do programa de Governo, ao contrário dos grupos parlamentares, nem podem sozinhos censurar o Executivo, mas podem desencadear, como qualquer parlamentar, um processo de revisão …

Funcionários públicos esperam entre 100 e 280 dias para se poderem reformar. Processo pode ser acompanhado online

A atribuição das novas pensões de reforma aos funcionários públicos está a demorar, em média, entre 100 a 280 dias - ou seja, entre três e mais de nove meses. A revelação foi feita esta terça-feira, …

"Onde está o Varandas?". Claques não faltaram à vitória do Sporting em hóquei em patins

Apesar das quebras de protocolos, Juventude Leonina e Diretivo Ultras XXI marcaram presença no jogo desta terça-feira de hóquei em patins entre o Sporting e a Oliveirense. Na noite desta terça-feira, o Pavilhão João Rocha foi …

Do azedume às contas do passado. Críticos internos atacam Rio

Depois de Rui Rio ter anunciado esta segunda-feira que se recandidata à liderança do PSD, os críticos internos vieram a público. Acusam-no de querer dividir o partido e ajustar contas com o passado e esperam …

"Acho ridículo que sejam feitas obras, portas ou não", diz Ventura

O CDS que não quer o líder do Chega no meio dos seus deputados e a solução pode mesmo passar por abrir uma porta especial para o deputado. "Acho ridículo", comenta André Ventura. Na última conferência …

Duas vitórias em 14 jogos. Benfica quer travar o calvário da Champions

O Benfica recebe esta quarta-feira o Lyon, estando praticamente obrigado a ganhar para seguir em frente na competição milionária. Apesar de reconhecer a dificuldade, Rúben Dias acredita os encarnados vão voltar aos bons resultados. A …