Só uma espécie terrestre verá o Sol morrer (e não é o Homem)

Tido como inevitável, o fim da vida na Terra gera habitualmente muita curiosidade, sobretudo quando se questiona que formas de vida conseguiriam, nesse futuro inóspito, sobreviver num mundo sem seres humanos.

E uma possível resposta foi dada esta semana por cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido. A espécie mais indestrutível do Mundo é um pequeno organismo de que provavelmente nunca ouviu falar – e vai sobreviver até ao dia em que o Sol morrer.

Num estudo publicado na revista Scientific Reports, investigadores britânicos concluem que o tardígrado, um microrganismo de oito patas também conhecido como urso d’água, pode viver até 10 mil milhões de anos, sobreviver a temperaturas de -273 a 150°C, e será provavelmente a última espécie a desaparecer da Terra.

Os tardígrados, espécie pertencente ao filo dos artrópodes, animais segmentados com exoesqueleto, podem sobreviver 30 anos sem alimento ou acesso à água, no mar profundo ou no vazio do espaço sideral. O ano passado, cientistas japoneses conseguiram ressuscitar um exemplar de urso de água encontrado congelado, há 30 anos, no Polo Sul.

Os cientistas britânicos analisaram a possibilidade de uma catástrofe global a uma escala cósmica que pudesse ocorrer na Terra, considerando três cenários possíveis: o impacto de um grande asteróide, a explosão de uma supernova nas proximidades do Sol, e uma explosão de raios gama.

Segundo os autores do estudo, todos estes eventos são improváveis, e mesmo assim a extensão do seu impacto não seria suficientemente forte para, por exemplo, ferver os oceanos do planeta e destruir estes microrganismos.

“Para nossa surpresa, descobrimos que, embora as supernovas próximas ou os grandes impactos de asteróides fossem catastróficos para as pessoas, os tardígrados não seriam afectados”, defendem os autores do estudo.

“Parece que a vida, uma vez que tenha começado, é difícil de eliminar completamente”, explica David Sloan, co-autor da pesquisa e investigador no Departamento de Física da Universidade de Oxford.

A resistência dos tardígrados e a sua capacidade de sobrevivência na Terra, que já é surpreendente nos cenários mais inóspitos, poderia ajudar a entender o que pode existir no espaço – e que a humanidade ainda nem sequer conhece.

“Os tardígrados são o mais próximo de indestrutível que temos na Terra, mas é possível que existam outros exemplos de espécies resistentes em outros locais do universo. Neste contexto, temos na Terra um caso real que nos ajuda a procurar vida em Marte e noutras áreas do sistema solar”, diz o investigador brasileiro Rafael Alves Batista.

Se tardígrados são as espécies mais resistentes da Terra, quem sabe que mais existe?”, pergunta Rafael Alves Batista, co-autor e investigador no Departamento de Física da Universidade de Oxford.

3 COMENTÁRIOS

  1. eventualmete estes organismos sobrevivendo entre estas temperaturas -273 a 150°C com certeza não irão ver o fim da nossa estrela em aproximadamente 10 bilhões de anos .
    daqui a 7 bilhões de anos estes seres não aguentarão a temperatura do sol na terra , que irá ser muito superior a 150ºC .

    Basta ver este documentário .
    https://www.youtube.com/watch?v=QuHr3ErT34I

    • provavelmente e tendo em conta as capacidades atuais, até lá terão tempo de evoluir e porventura o “range” de -273 a 150 irá aumentar … enfim, dou-lhes entre 8 e 9 bilhões; vale uma aposta !?

RESPONDER

O veterano da 2ª Guerra que inspirou Dunkirk viu o filme - e chorou

O filme Dunkirk está a superar todas as expetativas: além de liderar nos EUA está a ter uma excelente aceitação nos mercados internacionais e Portugal não é exceção. No entanto, a aprovação de um espetador “especial”, …

Escândalo de fuga de informação confidencial provoca crise no Governo sueco

O primeiro-ministro da Suécia, o social-democrata Stefan Löfven, anunciou esta quinta-feira que os ministros do Interior, Anders Ygeman, e Infraestruturas, Anna Johhansson, vão deixar o Executivo após o escândalo provocado no país pela fuga de …

Rússia terá usado perfis falsos no Facebook para espiar campanha de Macron

A Agência Reuters noticia que agentes secretos russos tentaram espiar a campanha de Macron, para as eleições francesas. Como? Criando perfis falsos para se fazerem "amigos" de membros da campanha. Agentes ligados aos Serviços Secretos russos …

Cientistas chineses desenvolvem possível inibidor do vírus Zika

Uma equipa de investigadores chineses desenvolveu um possível inibidor do vírus Zika baseado em moléculas, que foi testado em ratos e poderá ajudar a combater a propagação do vírus entre seres humanos. Segundo o jornal Shanghai …

Fundador da Amazon ultrapassou Bill Gates e é o novo homem mais rico do mundo

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, tornou-se nesta quinta-feira pela primeira vez no homem mais rico do planeta, com uma fortuna que supera 90 mil milhões de dólares. De acordo com a revista "Forbes", que …

Augusto Inácio esteve retido nas instalações do Zamalek e teve que recorrer à embaixada poortuguesa

O treinador português esteve impedido de sair das instalações do Zamalek, no Egito, por seguranças do clube, tendo sido obrigado a pedir auxílio à representação portuguesa no Cairo - que interveio prontamente. No final, ficou …

Fumar pode aumentar a sensibilidade ao stress

Fumar pode aumentar a sensibilidade ao stress, revela um estudo feito em cobaias pelo Centro Nacional para a Pesquisa Científica da França (CNRS) e publicado nesta terça-feira na revista “Molecular Psychiatry“. Contrariando a ideia popular que …

Índia: Criança de dez anos pede para abortar

O Supremo Tribunal indiano aceitou estudar o caso de uma criança de 10 anos, grávida de 26 semanas, cujos pais pediram autorização para fazer um aborto fora do prazo legal. Vários médicos vão examinar a …

Criança inglesa desaparecida na Praia da Luz foi encontrada

Uma criança de nacionalidade inglesa esteve desaparecida desde o início da tarde desta quinta-feira na praia da Luz, em Lagos, Algarve, estando as autoridades policiais a efetuar buscas sobre o seu paradeiro, disse à Lusa …

Nova tecnologia permite extrair energia cinética aos veículos e transformá-la em energia elétrica

Uma equipa que envolve especialistas do Porto, de Lisboa e de Coimbra está a desenvolver uma tecnologia para ser aplicada na superfície de pavimentos rodoviários, que permite extrair energia cinética aos veículos e transformá-la em …