Só seis crianças em quase 96 mil vacinadas contra a covid-19 tiveram reações adversas

24

Salvatore Di Nolfi / EPA

Até 31 de dezembro, só 0,006% das crianças vacinadas contra a covid-19 notificaram o Infarmed de reações adversas.

O Jornal de Notícias avança, esta sexta-feira, que apenas seis crianças de um total de 95.797 notificaram a Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) de reações adversas aparentemente associadas à vacinação, até ao dia 31 de dezembro.

Destes seis casos, quatro foram considerados graves, incluindo um quadro de miocardite numa criança de 10 anos que já está recuperada.

A autoridade de saúde explicou ao jornal que não há certeza sobre se a miocardite foi mesmo provocada pela vacina, uma vez que sendo esta uma inflamação do músculo do coração causada habitualmente por infeções virais, isso “dificulta o estabelecimento de uma relação causal com a vacina”.

O Infarmed adianta ainda que há registos de “arrepios, dor no local de vacinação, mal-estar geral, pirexia [estado febril] e petéquias [pontos vermelhos na pele]”.

O processo de vacinação de crianças dos 5 aos 11 anos de idade teve início no fim de semana de 18 e 19 de dezembro, decorrendo desde quinta-feira e até domingo uma segunda fase.

A dose administrada é três vezes mais pequena que a aplicada a partir dos 12 anos.

Quase 50 mil crianças vacinadas quinta-feira

Cerca de 49.100 crianças entre os 5 e os 11 anos foram, até às 19h00 de quinta-feira, vacinadas contra a covid-19, segundo um balanço divulgado pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

Esta quinta-feira começou um segundo período de vacinação de crianças, estando agendadas, até domingo, mais de 105 mil vacinações.

Decorreu também a vacinação de utentes do grupo prioritário de vacinação da comunidade escolar, tendo sido vacinadas cerca de 23.000 pessoas, além de cerca de 4.900 profissionais das creches e ATL, também marcados para o mesmo dia.

Globalmente, segundo os dados divulgados pelos SPMS, ao longo de quinta-feira, foram realizadas mais de 84 mil inoculações nestas populações.

Na parte da manhã, de quinta até domingo, decorre a vacinação das crianças nesta faixa etária.

No período da tarde, e também até domingo, decore a vacinação de reforço contra a covid-19, em modalidade Casa Aberta através de senha digital, especificamente para a comunidade escolar, pessoal docente e não docente, lembra-se no comunicado dos SPMS.

“Os utentes elegíveis da Comunidade Escolar do ensino básico e secundário e das Respostas Sociais na infância que queiram vacinar-se com a dose de reforço, terão de efetuar previamente o pedido de senha digital no Portal COVID-19“, explicam os SPMS.

No comunicado alerta-se que para obter a senha digital os utentes devem pedi-la no dia em que querem ser vacinados e devem informar-se da disponibilidade do centro de vacinação pretendido. E no local apresentar documento comprovativo da profissão.

Só quinta-feira foram pedidas mais de 18.500 senhas digitais, segundo o comunicado.

No primeiro período para a vacinação de crianças entre os 5 e 11 anos, que decorreu no fim de semana de 18 e 19 de dezembro, foram vacinadas 95.752 crianças com a dose pediátrica da Pfizer.

  ZAP // Lusa

24 Comments

  1. Com 1 ano de vacinação em massa, quais são as conclusões da Ciência quanto aos efeitos secundários? Existem? Quais? Quantos?

    • Existem, até bastantes e na sua maioria relacionados com o coração, mas o que foi assumido é que o risco é mínimo em comparação com os efeitos mortais do covid.
      Porque cada 1 caso de efeito secundário a vacina previne a morte de 7 pessoas, como pode ver na comparação deste ano com o ano passado.

      Agora este risco aplica-se apenas aos adultos, se olharmos para os mesmos dados no universo pediátrico (até aos 18 anos) o caso muda radicalmente de figura e a pergunta que fique é se o risco compensa o benéfico… e qual é o benefício sabendo que até hoje em Portugal não tivemos óbitos pediátricos por covid e temos internamentos mínimos nas UCIs
      Fica ainda mais interessante quando separamos jovens saudáveis e com condições pre-existentes

  2. E que % das crianças saudáveis tiveram reações adversas ao virus covid?
    Quando um medicamento no mercado é responsável por + 10 reações adversas graves não é mandado tirar do mercado?
    Se as crianças não são grupo de risco com este vírus , nem a vacina as vai impedir de o transmitir, porque as expor a esse risco (por mais pequeno que seja)

    • Morreram 4 crianças (<12 anos) com COVID-19 em Portugal até ao momento e centenas ficaram em pior estado que estes 6 durante o período em que tiveram doentes. Não, não é no Facebook que encontra estas informações. Sim, estas informações estão disponíveis para quem se dê ao trabalho de procurar (ou seja, para quem queira mesmo saber a realidade das coisas).

      • Onde tirou esses dados ?
        O que foi reportado são 4 crianças nas UCIs desde março 2020 e três das quais com ore condições existentes e apenas 1 era saudável. (Todos sobreviveram)

        E sim 4 em um universo de todos em Portugal abaixo dos 18 é muito menos do que 6 em apenas 96000, tendo em conta que 4 foram em estado considerado grave.

        O uso de “só” na notícia é desnecessário, desrespeitoso para quem teve problemas e minimiza um problema grave criado pelo pânico na sociedade.
        Estamos a vacinar crianças para proteger o resto da sociedade adulta e atirando assim pela janela, a carta dos direitos da criança.

        Neste momento já se tem dados para dizer que os riscos da vacina nas crianças e jovens ( e apenas neste grupo, não confundir com os adultos) não compensa os ganhos visto que é um grupo pouco o nada afectado pelo virus.

        • Caro enxo,

          Está a brincar comigo? Acha que o número 4 vai aparecer numa escala de 0 a 7.000? Está a ser no mínimo desonesto. Veja o link para os dados que coloquei em baixo.

          Cumprimentos.

      • Boa tarde, a todos os que me acusam de inventar dados, aqui fica a fonte (compilada de todos os relatórios da DGS) e aprendam de facto a fazer a vossa pesquisa antes de virem mandar bitaites:

        https://github.com/dssg-pt/covid19pt-data

        Já agora aproveito que me digam quantas crianças morreram ou ficaram com algum tipo de sequelas por causa das vacinas. Mais uma vez digo: larguem o Facebook e sigam a ciência.

        Cumprimentos.

    • Não sei se as 4 crianças com menos de 12 anos que morreram de COVID até ao momento em Portugal concordam consigo. Provavelmente as centenas que ficaram de cama também não concordam, bem como os país e avós que ficaram infetados à sua conta.

        • Provavelmente de algum órgão que presta serviço a indústria feroz farmacêutica… Mas garanto, infelizmente, que já morreram muito mais crianças de outras doenças…

          • Infelizmente sim, mas de outras doenças. não é motivo para justificar a vacinação de covid.

            Para mais numa altura em que a terceira dose nos mais velhos já mostrou ser muito mais eficientes para salvar vidas, esta operação e perseguição ás crianças é um desperdício de recursos humanos que deveriam estar a vacinar a terceira dose.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.