Uma só pessoa terá contaminado 700 no Diamond Princess

Franck Robichon / EPA

O navio Diamond Princess atracado no porto de Yokohama, no Japão

Uma única pessoa, infetada com o novo coronavírus no cruzeiro Diamond Princess, foi responsável por 697 infeções e sete mortes que ocorreram no navio japonês.

De acordo com um estudo, publicado recentemente na PNAS, o vírus idêntico ao de Wuhan, a província chinesa onde teve origem a pandemia, foi introduzido no barco por uma única pessoa ou por um grupo muito restrito, como uma família.

Os cientistas levaram a cabo uma análise genética exaustiva do vírus presente nas amostras nasais de 73 passageiros do cruzeiro infetados com covid-19 e concluíram que uma só pessoa foi responsável por 697 infeções e sete mortes que ocorreram no navio japonês.

A disseminação do vírus terá acontecido através de grandes grupos de passageiros nos eventos coletivos, mas também se espalhou através de contactos pessoais entre companheiros de camarote, antes e depois do isolamento no porto japonês de Yokohama.

De acordo com o Diário de Notícias, os autores do estudo conseguiram traçar a sequência completa de ADN do vírus que infetou os 73 passageiros que participaram na investigação e cujas amostras nasais foram recolhidas entre 15 e 17 de fevereiro.

Uma das principais conclusões é que todas as amostras partilham a mesma mutação, o que significa que todos os vírus a bordo têm origem numa única fonte. Além disso, concluíram que o vírus é praticamente idêntico ao de Wuhan, sugerindo assim que foi transmitido por alguém que esteve naquele local ou em contacto com alguém da província.

Ainda que seja possível que outros passageiros tenham introduzido outros vírus (uma vez que o estudo se debruça apenas sobre 10% dos infetados, essa possibilidade é dada como “muito improvável, dado que a mesma mutação está presente em 100% das amostras sequenciadas”.

Desde que foi introduzido no navio, o SARS-coV-2 propagou-se por grupos: dos participantes, 29 partilhava um vírus idêntico ao inicial, cinco apresentavam um vírus com mais uma mutação e seis pessoas um vírus com duas mutações.

As mutações ocorrem a um determinado ritmo e permitem identificar a evolução temporal, o que leva a crer que foi sendo transmitido de uns grupos para outros. Isto significa que os grupos de contágio não correspondem a uma determinada área do navio, mas, por exemplo, à partilha de mesas para as refeições.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a atirar rochas vulcânicas para telhados (para provar que são perigosas)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Canterbury está a lançar rochas vulcânicas para telhados na Nova Zelândia na esperança de ajudar os habitantes de Auckland a entender os perigos vulcânicos. "Auckland localiza-se num campo vulcânico …

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …