“Só aumentariam as insuficiências”. Médicos respondem a carta aberta da Ordem que pede uso dos privados

Giuseppe Lami / EPA

Um grupo de médicos respondeu à carta aberta assinada pelo atual bastonário da Ordem dos Médicos e quatro ex-bastonários, que defendem uma maior utilização dos serviços de saúde privados para responder à situação gerada pela pandemia de covid-19.

De acordo com o Observador, o grupo, onde se incluem Ana Jorge, ex-ministra da Saúde, Isabel do Carmo, antiga dirigente da Ordem dos Médicos, e João Goulão, Coordenador Nacional para os Problemas da Droga, não se sente representado pela carta assinada pela Ordem dos Médicos. “Poderá haver médicos concordantes com essa carta, por coincidirem com os seus objetivos. Nós não. Não nos sentimos representados”, afirmam na carta publicada no jornal Público.

O atual e cinco antigos bastonários da Ordem dos Médicos escreveram uma carta aberta sobre a urgente mudança de estratégia do SNS e entrada dos privados na resposta à pandemia e à saúde em geral. A esta, a ministra da Saúde, Marta Temido, respondeu com uma pergunta: “Porque é que nos estão a empurrar?”.

Agora, segundo este grupo de médicos, a proposta expressa pelo bastonário e outros membros e ex-membros da Ordem só aumentaria “as insuficiências que se apontam ao SNS, bem como o que os portugueses teriam de pagar pela sua saúde”.

A carta amplia “em tom alarmista” as dificuldades do SNS, “sobretudo derivadas da pandemia”, para com isso defender a utilização de serviços privados.

Sendo a Ordem dos Médicos “uma entidade de direito público, de inscrição obrigatória”, o grupo lembra que “as posições expressas pelos seus órgãos eleitos têm de corresponder ao máximo denominador comum” e que “não é lícito” que “a natural credibilidade da Ordem dos Médicos seja mobilizada para as posições pessoais de ex-bastonários e do seu bastonário atual. Descrevendo um ambiente de perigo iminente, vaticinando a falência do SNS e amplificando as suas dificuldades, desassossegando e perturbando a saúde mental das famílias e, sobretudo, das pessoas mais idosas e isoladas”, lê-se.

“É bom que se tenha respeito pelas verdadeiras tragédias. É bom que se contribua para a perceção do risco de forma racional e transmitindo a serenidade necessária a quem de facto tem de fazer escolhas todos os dias e tomar as precauções para prevenir o contágio”, escreveram.

Defendendo a “estrutura” e o espírito do SNS, os médicos explicam “a resposta exemplar” durante a primeira vaga que, na sua opinião, não se deveu apenas “à abnegação dos médicos e outros profissionais”.

Estes médicos consideram que recorrer ao privado é “levar o SNS a comprar (ainda mais) serviços aos estabelecimentos privados, aqueles que, no início da crise, praticamente fecharam, logo disseram que não recebiam doentes com covid-19 e enviaram grávidas positivas para os serviços públicos”.

“A concretização da proposta de operacionalização do chamado ‘sistema’ de saúde’, com ‘normalização’ da compra de serviços de saúde a prestadores privados, subverteria o conceito constitucional do Serviço Nacional de Saúde. O sentido da melhoria do SNS é exatamente o contrário: reforço da capacidade interna, para melhor servir a população em todas as necessidades de saúde e não apenas nas que dão lucro”, concluem.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito bem!!
    Ainda se está para perceber quais os interesses defendidos pelo Bastonário da Ordem dos Médicos e amigos – o SNS e a saúde dos portugueses já percebemos que não são!!

  2. Eu se fosse o bastonário sentir-me-ia muito envergonhado depois de ler esta carta e poria o cargo à disposição de quem melhor o soubesse desempenhar. Então o sr. bastonário vem para a praça pública defender os interesses do sector privado esquecendo os interesses dos mais desfavorecidos, mais atingidos pela pandemia, achando que nada deve ao sector público? E a sua formação? Foram os privados que para ela contribuíram? O SNS da saúde precisa de ajudas e não de despesas extras! É impossível que não haja um jogo de interesses por trás disto tudo! E esta é que é a verdadeira tragédia.

RESPONDER

Da "política do filho único" a incentivos à natalidade: como a China tem mudado a sua estratégia populacional

A China está a planear incluir novas medidas para estimular a taxa de natalidade do país e lidar com o rápido envelhecimento da população. A estratégia passa pelo “plano de cinco anos” que deverá estar …

Vacinação será “grande prioridade” de presidência portuguesa da UE

O primeiro-ministro português, António Costa, referiu hoje que a vacinação contra a covid-19 deverá ser uma das “grandes prioridades” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), após um encontro com o presidente do …

No Cambodja, os aldeões usam "espantalhos mágicos" para afastar a covid-19

Os aldeões do Cambodja têm evitado a pandemia de covid-19 sem máscaras nem distanciamento social, mas sim com "espantalhos mágicos" que espantam o vírus mortal. Os dois espantalhos de Ek Chan, um aldeão de 64 anos, …

O Arecibo desabou. É o fim de uma era à procura de vida extraterrestre

O Observatório de Arecibo, em Porto Rico, morreu. Três semanas depois de um dos principais cabos de sustentação da sua cúpula ter desabado, danificado irremediavelmente o radiotelescópio, o icónico caçador de vida extraterrestre antecipou-se à …

O maior elevador panorâmico do mundo tem vista para os cenários de Avatar

Com o recente lançamento de fotografias subaquáticas dos bastidores do Avatar 2 e a notícia de que Avatar 3 está quase a terminar as filmagens, não há melhor momento para revisitar o parque nacional que …

Pandemia tirou comida da mesa, mas deu asas a startup que transforma plástico do mar em máscaras

A startup portuguesa Skizo transformou a pandemia numa oportunidade de crescimento. Quando faltava comida nalgumas mesas, a empresa de produção de sapatilhas e bolsas passou a fazer máscaras a partir de plástico retirado dos oceanos …

Na Irlanda, o Pai Natal é considerado um "trabalhador essencial"

A Irlanda fez esta semana um anúncio especialmente dedicado às crianças, afirmando que o Pai Natal é considerado um trabalhador essencial no país e, por isso, não terá as suas deslocações restringidas no período natalício. …

Mais 2400 novos casos. Portugal ultrapassa os 300 mil desde o início da pandemia

Portugal ultrapassou hoje a barreira dos 300 mil casos de covid-19 desde o início da pandemia no país, em março, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou mais 2.401 novos casos, tendo passado a contabilizar …

Medidas para o Natal conhecidas no sábado. Passagem de ano com todas as restrições

O primeiro-ministro, António Costa, adiantou hoje que no sábado anunciará as medidas para o Natal “com as melhores condições possíveis”, mas avisou desde já que “a passagem do ano vai ter todas as restrições”. “O Governo …

Os assentos do meio da Delta Air Lines vão continuar vazios

A companhia norte-americana Delta Air Lines anunciou esta semana que continuará a manter os assentos do meio vazios, mantendo a política de distanciamento social decretada por causa da pandemia de covid-19. A bloqueio destes lugares intermediários …