SNS tem 1855 ventiladores disponíveis em hospitais. Linha SNS 24 vai ser reforçada

Jean-Christophe Bott / EPA

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) dispõe atualmente de 1855 ventiladores em contexto hospitalar prontos a responder ao eventual agravamento da pandemia de covid-19 nos próximos meses, revelou esta sexta-feira o secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes.

O número foi avançado na conferência de imprensa sobre a evolução da situação pandémica em Portugal e traduz um aumento de 713 aparelhos, ou seja, cerca de 62% da capacidade instalada de ventilação mecânica face ao que existia no primeiro ‘pico’ de covid-19, entre março e abril, e que se situava então em 1142 equipamentos.

“Das compras que foram realizadas na pandemia para aumento da capacidade deste equipamento, 966 desses equipamentos já foram entregues, estão no território nacional, e 713 já se encontram nas unidades hospitalares. Aqui incluem-se compras, doações e equipamentos recuperados para lidar com este tema. Em contexto hospitalar temos 1855 ventiladores”, frisou o governante.

De acordo com Diogo Serras Lopes, os outros 253 ventiladores – entre os 966 assegurados desde o início da pandemia – que não foram ainda instalados no SNS “estão a ser testados e em vias de serem distribuídos pelos hospitais”, pelo que o governo não prevê neste momento a necessidade de reforço da capacidade de ventilação mecânica intensiva.

“A avaliação em relação à capacidade de ventilação é feita de forma permanente, mas, dada a ocupação em unidades de cuidados intensivos, não antevemos que seja necessária uma aquisição centralizada”, observou, sem deixar de fazer uma ressalva para compras isoladas: “É natural que existam compras de ventiladores, mas não antecipamos que seja necessária uma aquisição superior. Isso dependerá da evolução do contexto de pandemia”.

Capacidade de camas em enfermaria

A ideia de uma situação sob controlo foi igualmente passada pelo secretário de Estado da Saúde em relação à ocupação de camas com doentes covid em enfermarias e unidades de cuidados intensivos (UCI) na região de Lisboa e Vale do Tejo – a mais pressionada pela doença nesta fase -, com 364 e 68 pessoas internadas, respetivamente.

“Não é uma variação significativa face aos números anteriores, há capacidade atualmente. Já tivemos fases bastante diferentes na pandemia e já foi demonstrada a flexibilidade na expansão de camas. Essa capacidade existe e é uma situação que observamos diariamente, pelo que o sistema reagirá de acordo com as necessidades que forem surgindo”, afirmou o governante.

Adicionalmente, Diogo Serras Lopes elencou ainda os hospitais de retaguarda como solução para a expansão da capacidade de resposta, uma possibilidade que está prevista no plano para o outono-inverno de 2020, embora tenha reconhecido que “não foram muito utilizados na primeira fase” da covid-19 no país.

Já a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, considerou que só serão instalados como “último recurso” de assistência médica. “Não estão quantificados quantos serão necessários, poderão ser equacionados um para o Porto e outro para Lisboa, mas só serão ativados em caso de extrema necessidade. Um plano tem de pensar na contingência de uma situação mais drástica”, explicou, lembrando também que a sua instalação não se reveste de “elevada complexidade”.

Reforço da Linha SNS 24

Na mesma conferência, o secretário de Estado da Saúde anunciou que durante o outono serão contratados cerca de 650 profissionais para a linha SNS 24 que, além deste reforço, vai contar com dois novos centros de contacto.

O primeiro dos novos “call centers” já está em fase experimental e vai abrir na Covilhã. “Muito em breve abriremos mais um em Vila Nova de Gaia”, disse Diogo Serras Lopes, durante a habitual conferência de imprensa sobre a pandemia da covid-19.

Nos restantes centros de contacto do SNS 24, vai haver um reforço de profissionais, que deverá ser concluído antes do início do inverno, com a contratação de cerca de 650 profissionais. “(Este reforço) permitirá que passemos dos atuais 1.350 profissionais na linha SNS 24 para os dois mil ainda durante o outono”, avançou o secretário de Estado.

Numa intervenção inicial, o governante quis destacar o contributo da linha de saúde no combate à pandemia da covid-19, sublinhando o crescimento registado este ano: cerca de 82% em relação ao período homologo de 2019. “O crescimento de 2020 é, claro, ligado à pandemia da covid-19, mas só foi possível através de um investimento significativo em termos de reforço da capacidade”, sublinhou.

Segundo dados avançados pelo presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), o número recorde de cerca 200 mil chamadas recebidas em janeiro de 2019 foi ultrapassado em vários meses de 2020 e em dois deles o SNS 24 recebem mais de 300 mil contactos. Foi em março, no início da pandemia em Portugal, quando se registou o maior número de chamadas de sempre (388 mil), e em setembro.

“Mas ao contrário do que aconteceu em março, em que os tempos médios de espera dispararam, em setembro temos um tempo médio de espera que se tem mantido muito estável”, explicou Luís Goes Pinheiro.

Portugal contabiliza pelo menos 1.983 mortos associados à covid-19 em 77.284 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nicarágua. Ex-rainha de beleza detida (e libertada) após candidatar-se às eleições

As autoridades de Nicarágua detiveram na quarta-feira, libertando de seguida, a ex-rainha de beleza Berenice Quezada, dois dias após esta se registar como candidata nas eleições de 7 de novembro. Segundo a coligação Citizens for Liberty, …

DGS autoriza competições da FPF com 33% de público

Os jogos das competições organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) podem ter uma ocupação de 33% dos recintos desportivos, segundo um parecer técnico da Direção-Geral da Saúde (DGS) a que a agência Lusa teve …

Novas "caixas" transformam eletricidade e areia em painéis solares

A Terrabox é uma espécie "fábrica de células solares" que só necessita de areia e eletricidade. Se for um sucesso, a tecnologia vai à Lua e a Marte. A Maana Electric, uma empresa sediada no Luxemburgo, …

Tribunal europeu autoriza hospital britânico a retirar o suporte de vida a bebé. Pais recusam

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos rejeitou um recurso da família de Alta Fixsler, uma bebé de dois anos, que não come ou respira sozinha, autorizando o Manchester University NHS Foundation Trust a retirar-lhe o …

Equipa com astrónomos portugueses descobre planetas que podem ter água

Uma equipa internacional de astrónomos, incluindo portugueses, descobriu um sistema de planetas fora do Sistema Solar que podem ter água à superfície, no interior ou na atmosfera, divulgou esta quinta-feira o Observatório Europeu do Sul …

México processa fabricantes de armas dos EUA para tentar deter comércio ilegal

O Governo do México lançou uma ação civil num tribunal do Massachusetts, nos Estados Unidos (EUA), contra um conjunto de fabricantes por "comércio negligente", visando deter o "tráfico ilegal" de armas através da fronteira, destinadas …

Afinal, Messi não vai renovar com o Barcelona

O internacional argentino não vai renovar contrato com o FC Barcelona, confirmou, esta quinta-feira, o clube catalão. Em comunicado publicado no seu site oficial, o FC Barcelona explica que, "apesar de ter chegado a acordo" com …

A Guerra Fria eclodiu nas piscinas de Tóquio. E promete continuar pelos Olímpicos fora

Após a final dos 200 metros costas, o nadador norte-americano Ryan Murphy sugeriu que acabara de participar numa prova que "provavelmente não foi limpa". O comentário foi interpretado como uma acusação a Evgeny Rylov, medalhado …

Moderna admite a necessidade de terceira dose da vacina este ano

A empresa biotecnológica norte-americana Moderna admitiu esta quinta-feira que será necessária uma terceira dose da sua vacina contra a covid-19 antes do fim do ano, devido ao esperado aumento de contágios causado pela variante Delta …

Marcelo insiste na vacinação dos jovens dos 12 aos 15. "Temos de ter paciência"

O Presidente da República considerou, esta quinta-feira, que as dúvidas relativas à vacinação dos jovens entre os 12 e os 15 anos não são "tanto dúvidas de princípio, quanto de momento", afirmando que "tudo tem …