SNS tem 1855 ventiladores disponíveis em hospitais. Linha SNS 24 vai ser reforçada

Jean-Christophe Bott / EPA

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) dispõe atualmente de 1855 ventiladores em contexto hospitalar prontos a responder ao eventual agravamento da pandemia de covid-19 nos próximos meses, revelou esta sexta-feira o secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes.

O número foi avançado na conferência de imprensa sobre a evolução da situação pandémica em Portugal e traduz um aumento de 713 aparelhos, ou seja, cerca de 62% da capacidade instalada de ventilação mecânica face ao que existia no primeiro ‘pico’ de covid-19, entre março e abril, e que se situava então em 1142 equipamentos.

“Das compras que foram realizadas na pandemia para aumento da capacidade deste equipamento, 966 desses equipamentos já foram entregues, estão no território nacional, e 713 já se encontram nas unidades hospitalares. Aqui incluem-se compras, doações e equipamentos recuperados para lidar com este tema. Em contexto hospitalar temos 1855 ventiladores”, frisou o governante.



De acordo com Diogo Serras Lopes, os outros 253 ventiladores – entre os 966 assegurados desde o início da pandemia – que não foram ainda instalados no SNS “estão a ser testados e em vias de serem distribuídos pelos hospitais”, pelo que o governo não prevê neste momento a necessidade de reforço da capacidade de ventilação mecânica intensiva.

“A avaliação em relação à capacidade de ventilação é feita de forma permanente, mas, dada a ocupação em unidades de cuidados intensivos, não antevemos que seja necessária uma aquisição centralizada”, observou, sem deixar de fazer uma ressalva para compras isoladas: “É natural que existam compras de ventiladores, mas não antecipamos que seja necessária uma aquisição superior. Isso dependerá da evolução do contexto de pandemia”.

Capacidade de camas em enfermaria

A ideia de uma situação sob controlo foi igualmente passada pelo secretário de Estado da Saúde em relação à ocupação de camas com doentes covid em enfermarias e unidades de cuidados intensivos (UCI) na região de Lisboa e Vale do Tejo – a mais pressionada pela doença nesta fase -, com 364 e 68 pessoas internadas, respetivamente.

“Não é uma variação significativa face aos números anteriores, há capacidade atualmente. Já tivemos fases bastante diferentes na pandemia e já foi demonstrada a flexibilidade na expansão de camas. Essa capacidade existe e é uma situação que observamos diariamente, pelo que o sistema reagirá de acordo com as necessidades que forem surgindo”, afirmou o governante.

Adicionalmente, Diogo Serras Lopes elencou ainda os hospitais de retaguarda como solução para a expansão da capacidade de resposta, uma possibilidade que está prevista no plano para o outono-inverno de 2020, embora tenha reconhecido que “não foram muito utilizados na primeira fase” da covid-19 no país.

Já a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, considerou que só serão instalados como “último recurso” de assistência médica. “Não estão quantificados quantos serão necessários, poderão ser equacionados um para o Porto e outro para Lisboa, mas só serão ativados em caso de extrema necessidade. Um plano tem de pensar na contingência de uma situação mais drástica”, explicou, lembrando também que a sua instalação não se reveste de “elevada complexidade”.

Reforço da Linha SNS 24

Na mesma conferência, o secretário de Estado da Saúde anunciou que durante o outono serão contratados cerca de 650 profissionais para a linha SNS 24 que, além deste reforço, vai contar com dois novos centros de contacto.

O primeiro dos novos “call centers” já está em fase experimental e vai abrir na Covilhã. “Muito em breve abriremos mais um em Vila Nova de Gaia”, disse Diogo Serras Lopes, durante a habitual conferência de imprensa sobre a pandemia da covid-19.

Nos restantes centros de contacto do SNS 24, vai haver um reforço de profissionais, que deverá ser concluído antes do início do inverno, com a contratação de cerca de 650 profissionais. “(Este reforço) permitirá que passemos dos atuais 1.350 profissionais na linha SNS 24 para os dois mil ainda durante o outono”, avançou o secretário de Estado.

Numa intervenção inicial, o governante quis destacar o contributo da linha de saúde no combate à pandemia da covid-19, sublinhando o crescimento registado este ano: cerca de 82% em relação ao período homologo de 2019. “O crescimento de 2020 é, claro, ligado à pandemia da covid-19, mas só foi possível através de um investimento significativo em termos de reforço da capacidade”, sublinhou.

Segundo dados avançados pelo presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), o número recorde de cerca 200 mil chamadas recebidas em janeiro de 2019 foi ultrapassado em vários meses de 2020 e em dois deles o SNS 24 recebem mais de 300 mil contactos. Foi em março, no início da pandemia em Portugal, quando se registou o maior número de chamadas de sempre (388 mil), e em setembro.

“Mas ao contrário do que aconteceu em março, em que os tempos médios de espera dispararam, em setembro temos um tempo médio de espera que se tem mantido muito estável”, explicou Luís Goes Pinheiro.

Portugal contabiliza pelo menos 1.983 mortos associados à covid-19 em 77.284 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …