Síria. Segundo dia da ofensiva turca contra curdos contabiliza mais de 200 mortos e 64 mil deslocados

(dr) UNRWA

ONU entrega ajuda humanitária na cidade de Yarmouk, na Síria

Após o segundo dia da ofensiva militar turca sobre forças curdas no nordeste da Síria, 228 militantes foram mortos até ao momento, revelou o Ministério da Defesa da Turquia.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos, que monitoriza a guerra civil de oito anos, informou que foram mortos pelo menos 23 combatentes das Forças Democráticas Sírias e seis combatentes de um grupo rebelde sírio apoiado por Ancara, noticiou o Expresso esta sexta-feira.

Aquelas forças, lideradas pela milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG), anunciaram que os ataques aéreos e os bombardeamentos turcos também mataram nove civis. Numa aparente ação de retaliação, seis pessoas, incluindo um bebé de nove meses, foram mortas pelo fogo de morteiros e foguetes disparados contra cidades fronteiriças turcas, segundo autoridades do sudeste da Turquia, citadas pela Reuters.

O Comité Internacional de Resgate informou que 64 mil pessoas na Síria fugiram desde o início da campanha, na quarta-feira. As cidades de Ras al-Ain e Darbasiya, a cerca de 60 quilómetros a leste, ficaram desertas. Várias aldeias terão sido feitas reféns.

A “catástrofe” dos ataques às prisões de terroristas

As Forças Democráticas Sírias têm sido os principais aliados dos americanos no terreno na luta contra o Daesh, o autoproclamado Estado Islâmico, desde 2014. Elas mantêm presos milhares de militantes do Daesh e dezenas de milhares dos seus familiares. Segundo o Departamento de Estado norte-americano, aquelas forças ainda detêm o controlo de todas as prisões com detidos do Daesh.

As autoridades curdas no nordeste da Síria disseram que uma prisão com “os criminosos mais perigosos de mais de 60 nacionalidades” fora atingida por bombardeamentos turcos. Os ataques às prisões podem revelar-se “uma catástrofe”, advertiram.

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, garantiu que os terroristas islâmicos não teriam oportunidade de reconstruir a sua influência na região. Ameaçou permitir que refugiados sírios na Turquia avancem para a Europa se os países da União Europeia se referirem à intervenção turca como uma ocupação. A Turquia abriga cerca de 3,6 milhões de pessoas que fugiram da guerra civil síria.

A “traição” e as ameaças de Washington

Ancara classifica a milícia YPG como terrorista por causa dos seus alegados laços ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão. Na quinta-feira, a polícia turca iniciou investigações criminais de vários deputados curdos e deteve várias pessoas na cidade de Diarbaquir, no sudeste da Turquia, acusando-os de terem criticado a incursão militar na Síria.

Após uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, o embaixador norte-americano nas Nações Unidas alertou que Ancara sofreria “consequências” não especificadas se não protegesse populações vulneráveis nem contivesse os militantes do Daesh.

A ofensiva, que começou poucos dias depois de Washington ter anunciado que não se oporia a uma iminente ofensiva turca, tem sido criticada em várias frentes, incluindo na frente doméstica. São diversos os congressistas, nomeadamente republicanos, a denunciar a decisão da Casa Branca de abrir caminho às forças turcas. Os curdos acusam os americanos de “traição” mas prometem lutar “até à última gota de sangue”.

Trump oferece-se para mediar conflito

Desde a retirada das tropas americanas para permitir o avanço da Turquia, o Presidente norte-americano, Donald Trump, tem assumido posições erráticas. Acossado pelas críticas, anunciou Na quinta-feira as “três opções” dos EUA: “enviar milhares de soldados e vencer militarmente, atingir duramente a Turquia com sanções ou mediar um acordo entre a Turquia e os curdos”.

Questionado sobre a opção que preferia, o Presidente norte-americano respondeu: “Espero que possamos mediar”.

Críticas ao avanço turco

Segundo noticiou o Público, o ministro dos Negócios Estrangeiros da República Checa deu a entender que pouco pode ser feito para se anular os riscos de uma nova tragédia humanitária na Síria: “Infelizmente, nesta altura, não temos outra possibilidade para acalmarmos a situação além da pressão diplomática”.

O comentário de Tomas Petricek, citado pela Reuters, junta-se a uma outra declaração proferida na quinta-feira pelo embaixador francês em Washington até junho passado, Gérard Araud, que parece confirmar a ideia de que há pouca margem de manobra na UE para enfrentar a Turquia.

“Os curdos combateram contra o Daesh porque eram o seu inimigo. Trabalhámos em conjunto porque o inimigo do meu inimigo é meu amigo. Fornecemos-lhes armamento e apoio aéreo. Estou convencido de que eles não tinham ilusões sobre um compromisso a longo prazo da nossa parte”, disse Gérard Araud no Twitter.

Na noite de quarta-feira, na Casa Branca, Donald Trump justificou a sua decisão de fazer recuar as tropas norte-americanas da fronteira síria com um argumento semelhante ao do antigo embaixador francês em Washington. Foi essa decisão que abriu as portas ao Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, para ordenar o início da Operação Fonte da Paz.

“Os curdos estão a lutar pelo seu território. Eles não nos ajudaram na II Guerra Mundial, na batalha da Normandia, por exemplo”, disse o Presidente dos EUA. “Para além disso, gastámos muito dinheiro a ajudá-los com munições, armamento, dinheiro e salários. Mas, dito isto, nós gostamos dos curdos”.

Para Ancara, as milícias curdas no Norte da Síria e os curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, no Sul da Turquia, são uma e a mesma coisa – findos os combates mais sangrentos contra o Daesh, as milícias curdas da Síria, apoiadas pelos EUA, ficam agora totalmente expostas ao avanço da Turquia.

No terreno, os ataques turcos concentram-se numa faixa de território sírio com cerca de 400 quilómetros de largura e mais de 30 quilómetros de profundidade. É esse o pedaço da Síria que Erdogan quer tirar dos curdos, com dois objetivos: cortar qualquer hipótese de ligação aos curdos na Turquia, e enviar para lá grande parte dos mais de três milhões de refugiados sírios que vivem em campos no território turco.

Conselho Europeu vai debater sanções contra a Turquia

A possibilidade de aplicação de sanções europeias contra a Turquia, após o desencadear da ofensiva contra as forças curdas no noroeste da Síria, vai ser debatida no Conselho Europeu da próxima semana, disse o governo francês, citado pela agência Lusa.

A secretária de Estado francesa para os Assuntos Europeus, Amélie Montchalin, disse esta sexta-feira que a “questão está sobre a mesa”, quando questionada sobre a ofensiva de Acara contra as forças curdas, aliadas do “Ocidente” na luta contra os radicais islâmicos. “O assunto vai ser debatido no Conselho Europeu da próxima semana”, acrescentou.

ZAP // //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas mediram o período de tempo mais curto de sempre

Uma equipa de físicos e metrologista da Universidade Goethe de Frankfurt, na Alemanha, anunciou que conseguiu medir o menor período de tempo já determinado - são 247 zeptosegundos, segundo os cientistas. O processo físico cuja …

Viagens expresso no Sistema Solar. Nave espacial pode chegar a Titã em apenas 2 anos

Uma equipa de cientistas está a trabalhar num propulsor de nave espacial que, segundo eles, poderia alcançar a misteriosa lua de Saturno, Titã, em menos da metade do tempo que o satélite Cassini demoraria. Apesar de …

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …