Sindicato quer que agressões a professores sejam crime público

José Sena Goulão / Lusa

As agressões são consideradas crime semipúblico, o que significa que apenas a vítima pode fazer queixa. Se passarem a ser consideradas crime público, qualquer pessoa poderá denunciar a situação.

O Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) vai lutar para que as agressões a professores sejam consideradas crime público e tenham penalizações mais pesadas e vai lançar uma plataforma para as vítimas denunciarem casos.

As várias histórias de violência contra professores e funcionários ocorridas esta semana dentro das escolas levaram o SIPE a avançar com medidas para combater o problema, contou à Lusa a presidente do sindicato, Júlia Azevedo.

Na próxima segunda-feira, o SIPE vai pedir junto do Ministério Público, do Ministério da Justiça e do Ministério da Educação “o reconhecimento de crime público para agressões a professores realizadas em contexto escolar, à semelhança do que acontece em situações de violência doméstica”.

Atualmente, estas agressões são consideradas crime semipúblico, o que significa que apenas a vítima pode fazer queixa. Se passarem a ser consideradas crime público, qualquer pessoa poderá denunciar a situação.

No mesmo dia, o SIPE prevê lançar também uma petição para que a Assembleia da República discuta o reconhecimento de agressões como crime público e penalizações mais pesadas para os agressores. Júlia Azevedo lembrou que na maior parte dos casos, agredir um professor ou um funcionário “não traz qualquer consequência para o agressor”.

A presidente do SIPE recordou um caso recente em que uma professora foi agredida na sala de aula por um aluno do 6.º ano e decidiu fazer queixa: “A direção da escola chamou os encarregados de educação, mas decidiu não aplicar nenhum processo disciplinar porque o aluno vinha de um meio desfavorecido. Quando a professora chegou à aula tinha lá o aluno”.

Numa outra escola, em Muralhas do Minho, dois professores e dois funcionários foram alvo de agressões físicas, que incluíram murros, e também decidiram fazer queixa. Ali, foi a GNR que alertou para os eventuais efeitos do processo: “A GNR disse que o tempo de atuação demora entre quatro a cinco meses e no final é normal que nada aconteça ao encarregado de educação que os agrediu”, recordou Júlia Azevedo.

“As pessoas que deram a cara com muita coragem já estão a pensar retirar a queixa porque ela não tem qualquer consequência”, lamentou. O sentimento de impunidade tem dois efeitos perversos: A repetição dos crimes por parte dos agressores e o abdicar de fazer queixa, segundo o SIPE.

O Sindicato decidiu também por isso criar uma plataforma – “Violência nas Escolas – Tolerância ZERO” – que terá uma linha de apoio às vítimas, para que possam “denunciar situações de agressão física e verbal sem medo de futuras represálias dos agressores”, contou.

O SIPE duvida das recentes declarações do Ministério da Educação que disse que deverá haver um decréscimo do número de agressões a professores. O sindicato lembrou que “na maioria das situações, os casos não são comunicados às autoridades através da apresentação de queixa, que apenas pode ser feita pela vítima”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Responder a Eu! Cancelar resposta

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …

Norte-americano detido depois de usar fundos da covid-19 para comprar um Lamborghini

As autoridades dos Estados Unidos detiveram um empresário que comprou um carro de luxo da marca Lamborghini com dinheiro que recebeu de programas federais para ajudar os afetados pelo novo coronavírus (covid-19). A notícia é …

FC Porto e Benfica disputam Supertaça a 23 de dezembro

O jogo da Supertaça, que vai opor o FC Porto ao Benfica e que deveria a abrir a temporada 2020/21, vai disputar-se a 23 de dezembro, anunciou, esta quarta-feira, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Em …