Silêncio no metro e máscaras artesanais proibidas. França dá tudo para evitar novo confinamento

Face à ameaça de novas variantes do coronavírus que serão mais contagiosas, o Governo francês está a tomar novas medidas para evitar a propagação do vírus, tudo com o intuito de evitar um terceiro confinamento geral.

As novas variantes do coronavírus, em especial a inglesa e a sul-africana, estão a obrigar vários países a rever as recomendações de prevenção contra a pandemia de covid-19.

Em França, um decreto governamental publicado na semana que findou proíbe o uso de algumas máscaras artesanais em tecido que não serão suficientemente filtrantes perante as novas variantes que são muitos mais contagiosas.

O ministro da Saúde, Olivier Véran, veio a público reforçar a recomendação, alertando os franceses para que “não usem mais a máscara artesanal que fizeram em casa”.

Véran também recomenda que evitem usar as máscaras industriais em tecido menos filtrantes, as ditas de “categoria 2” que só filtram 70% das partículas.

Assim, o Governo francês sugere aos cidadãos que usem máscaras cirúrgicas, aquelas que têm uma face azul e outra branca, ou máscaras FFP2 que são mais protectoras, ou ainda as máscaras de tecido industriais da categoria 1 que filtram 90% das partículas.

As máscaras cirúrgicas filtram, pelo menos, 95% das partículas, enquanto que as FFP2 bloqueiam 94% dos aerossóis que são as partículas mais finas.

Áustria e Baviera tornam máscaras FFP2 obrigatórias

A Áustria e a Baviera, na Alemanha, tornaram as máscaras FFP2 obrigatórias nos estabelecimentos comerciais e nos transportes públicos.

Estas máscaras FFP2 são mais caras – podem ser quase 10 vezes mais caras do que as máscaras cirúrgicas.

Na Áustria, estão a ser vendidas a 59 cêntimos por unidade nos supermercados, tendo sido isentadas do pagamento de IVA.

O Governo francês vai enviar cerca de “45 milhões de máscaras [da categoria 1] a 7 milhões de franceses cuja situação [financeira] não lhes permite equiparem-se”, prometeu o ministro da Saúde.

Entretanto, a comunidade científica divide-se quanto a estas recomendações, com especialistas a alegarem que as máscaras FFP2 implicam esforços respiratórios que as tornam impossíveis de usar ao longo do dia.

Há até quem defenda que podem mesmo levar as pessoas a descuidarem-se mais nas restantes medidas de protecção por se sentirem mais seguras.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) também recomenda que as máscaras FFP2 sejam destinadas apenas aos profissionais de saúde.

“Evitar falar e telefonar” nos transportes públicos

As decisões do Governo francês baseiam-se em decisões do Alto Conselho de Saúde Pública (HSCP) e Olivier Véran nota que as recomendações quanto às máscaras devem ser encaradas como um “princípio de precaução” face a novas variantes menos conhecidas.

A Academia Nacional de Medicina (ANM) de França nota que “a eficácia das máscaras” que estão disponíveis para o público em geral, como as cirúrgicas, “nunca foi criticada desde que sejam utilizadas correctamente“, conforme cita o Le Figaro.

A Academia ainda nota que os estudos indicam que a maioria das contaminações tem ocorrido em circunstâncias que permitem retirar a máscara.

Apesar da ameaça das novas variantes, a entidade também contesta a ideia de aumentar o distanciamento físico de 1 para 2 metros de distância entre duas pessoas, igualmente defendida pelo Governo francês. É “um propósito defensável em teoria, mas inaplicável na prática”, conclui a ANM.

Assim, a Academia de Medicina aconselha antes que, por exemplo, nos transportes públicos, onde não é possível manter a distância física recomendável, as pessoas devem recorrer a uma “precaução muito simples: evitar falar e telefonar”.

A entidade acredita que não se devem “modificar os gestos barreira tal como foram definidos e melhorados durante vários meses” e que o importante é apelar aos “bons comportamentos”, nomeadamente, ao uso contínuo da máscara no espaço público, “mesmo quando a distância física se torna superior a 1 metro”.

A ANM frisa ainda a importância de as pessoas cobrirem a boca e o nariz com a máscara e de a substituírem ao cabo de quatro horas de uso ou quando fica húmida.

Além disso, nota que o estado das máscaras de tecido deve ser controlado depois de cada lavagem com detergente, sendo que quando revelam traços de deterioração, devem ser deitadas fora.

“É uma corrida contra o tempo”

Enquanto isso, o ministro da Saúde endurece o tom e avisa que o Governo pode ser “obrigado a tomar medidas mais duras”, incluindo um terceiro confinamento geral.

Olivier Véran lembra que a variante inglesa é “mais contagiosa”, mas para já ainda não será dominante em França. Actualmente, estará presente em 1% a 1,5% do total dos novos casos diários, ou seja, em “cerca de 200 a 300 casos por dia”, segundo o Le Figaro.

Mas isto “é uma corrida contra o tempo para evitar que se espalhe”, avisa Olivier Verán.

França registou nesta sexta-feira, 22 de Janeiro, mais 649 mortes e mais de 23 mil casos novos de infecção.

O país já vacinou com a primeira dose 963.139 pessoas.

Susana Valente Susana Valente, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. E em Portugal continuo a ver “máscaras sociais” colocadas parcialmente ou mesmo por baixo do queixo.

    Mais gritante foram as políticas de “relaxamento” por porte do Governo no Natal e Fim de Ano; agora estamos no topo; claro que no topo dos piores.

    Que tal nos focarmos nas boas práticas, e numa política verdadeiramente robusta para inverter verdadeiramente a curva, com fiscalização e penalização de quem não cumpre — a questão é que quem não o faz está a colocar em risco a sua, a da sua família, e a vida de todos nós.

    Medidas rígidas, fiscalização, penalizações precisam-se asap!!!

  2. Este País é uma Miséria, os Portugas cada vez cumprem menos as regras sanitárias, depois o resultado é este. Terceiro Mundo.

RESPONDER

Luís Correia lança-se a Castelo Branco, num movimento que ainda não tem nome

O movimento ainda não tem nome e a apresentação da candidatura não tem data marcada, mas Luís Correia já assumiu que vai liderar uma candidatura independente à Câmara Municipal de Castelo Branco. Luís Correia vai testar …

Pavilhão de escola de Matosinhos fechado devido a estirpe de legionella

O pavilhão desportivo da Escola Secundária Abel Salazar, em Matosinhos, está fechado devido à presença de uma estirpe de legionella detetada nas canalizações, mas que "não constitui qualquer perigo para a saúde", confirmou a câmara …

TAP regista um prejuízo recorde de 1,2 mil milhões em 2020

Com menos 12,4 milhões de passageiros transportados, a TAP apresentou um resultado líquido negativo de 1,230 mil milhões de euros em 2020, contra um prejuízo de 106 milhões de euros em 2019, segundo dados enviados …

Chega organiza Convenção para "Governar Portugal" no fim de maio, mas promete "uso das máscaras"

O Chega vai organizar a sua III Convenção Nacional entre 28 e 30 de maio, em Coimbra, tendo por base a moção estratégica "Governar Portugal" do presidente reeleito, André Ventura, disse hoje à Agência Lusa …

Falta de plano e reservas face à viabilidade. Banco de Fomento chumba empréstimo à Groundforce

O Banco Português de Fomento (BPF) não aprovou o empréstimo de 30 milhões de euros pedido pelo Conselho de Administração da Groundforce, por não haver um plano de reestruturação da empresa e por falta de …

Operação Lex. Juiz Luís Vaz das Neves arrisca reforma compulsiva

O juiz Luís Vaz das Neves, ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa e arguido na Operação Lex, arrisca passar à aposentação compulsiva.  De acordo com o Correio da Manhã, que avança a notícia esta quinta-feira, …

Nove administradores e 24 diretores. Banco de Fomento já terá fechado estrutura

O jornal ECO avança, esta quinta-feira, que a estrutura do Banco Português de Fomento vai contar com nove administradores, dos quais quatro são executivos, e 24 diretores. A estrutura do Banco de Fomento já estará fechada, …

Guerra aberta no PSD. Rui Rio arrisca repreensão, Adão Silva pode perder o mandato

Rui Rio, presidente do PSD, e Adão Silva, líder do grupo parlamentar, estão a ser alvo de um processo disciplinar aberto pelo Conselho de Jurisdição do partido e arriscam sanções. A decisão ainda não está tomada, …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Um terramoto devastador pode abalar a Nova Zelândia nos próximos 50 anos

Um novo estudo revela que as hipóteses de a Falha Alpina da Ilha do Sul da Nova Zelândia provocar um terramoto devastador nos próximos 50 anos são muito maiores do que se pensava.  Um estudo conduzido …