Sete universidades portuguesas têm regras ilegais de contratação de professores

Há sete universidades que contabilizam o trabalho dos professores a tempo parcial de forma ilegal. O Sindicato Nacional do Ensino Superior já apresentou queixas judiciais contra as sete universidades portuguesas.

Num parecer do ano passado, a Secretaria-Geral do Ensino Superior (SGES) analisou o regulamento em vigor e chegou à conclusão de que a forma como as universidades têm contabilizado o trabalho dos professores a tempo parcial é ilegal.

Em causa, estão sete universidades que o Sindicato Nacional do Ensino Superior garante que têm regulamentos iguais, tendo assim apresentado queixas judiciais contra as sete.

O ministro Manuel Heitor remeteu agora as conclusões da sua secretaria-geral para o Ministério Público e mandou a Inspeção-Geral de Educação e Ciência analisar a situação, avança o Público esta sexta-feira.

As instituições em causa são o Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, que faz parte da Universidade de Lisboa, a Universidade de Coimbra, a Universidade de Évora, a Universidade do Porto, a Universidade da Beira Interior, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e o ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

O Estatuto da Carreira Docente Universitária define um limite máximo de nove horas semanais de aulas para cada docente a tempo integral e as restantes 26 horas são destinadas a investigação, preparação de aulas, orientação de mestrados e doutoramentos e apoio a alunos.

No entanto, explica o jornal, quando contratam professores a tempo parcial, as universidades estabelecem como valor de referência para um contrato de 100% do tempo um total de 12 horas e não as nove.

Assim, os professores universitários com contrato a tempo parcial de 60% estão obrigados a dar oito horas de aulas. Um professor pode assim ser contratado para dar oito horas – menos uma do que o horário completo – e receber 60% do vencimento, se não estiver na carreira.

A SGES considera esta prática “materialmente ilegal” e diz que colide “com os critérios de comparabilidade e proporcionalidade subjacentes ao regime legal do trabalho a tempo parcial”.

Em declarações ao jornal, Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, desvaloriza a situação, classificando-a como um “pequeno problema” que não tem “impacto em todo o ensino superior”. O assunto foi encaminhado, como era seu “dever”, diz, e se for confirmada a ilegalidade é “facilmente corrigível“.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A ilegalidade não são as 12 h como aparece nas notícias! 12 h é o máximo que um docente pode ter e as 9h são a referência para quem está em dedicação exclusiva segundo o ECDU. O que as Universidades estão a fazer é contar que quem está a tempo parcial não faz investigação e as 35 h são contabilizadas apenas para aulas. Com estas “contas de merceeiro”, quem é contratado a tempo parcial terá que dar o dobro das aulas dos em dedicação exclusiva para ter o tempo integral. Estas contas até fariam algum sentido se o ordenado base para um docente doutorado a tempo integral não fosse tão baixo…

RESPONDER

Júlio Isidro recebe Medalha de Mérito Cultural

O Governo atribuiu a Medalha de Mérito Cultural ao locutor e apresentador de televisão Júlio Isidro, realçando o “inestimável trabalho de uma vida dedicada” ao audiovisual. A entrega da Medalha de Mérito Cultural foi feita, num …

EUA. Mulher é detida após tentar construir uma bomba numa loja da Walmart

Uma norte-americana foi detida numa loja da Walmart, na Florida, Estados Unidos (EUA), após tentar construir uma bomba dentro do estabelecimento comercial. A mulher, que tinha uma criança consigo, foi identificada pelo segurança quando andava sem …

Simeone reitera confiança em João Félix. "Acreditamos totalmente nele"

O técnico do Atlético de Madrid, Diego Simeone, voltou a falar de João Félix esta sexta-feira, reiterando toda a confiança no avançado de 20 anos. "A Supertaça foi mais um passo de experiência para um rapaz …

Ensino Superior com mais concursos para professores em 2019

As instituições de Ensino Superior abriram, em 2019, mais 948 concursos para a carreira docente do que em 2018, anunciou, esta quinta-feira, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. De acordo com uma nota do …

Paulo Gonçalves. Seguradoras atrasam autópsia e trasladação do corpo para Portugal

Paulo Gonçalves faleceu no domingo, aos 40 anos, na sequência de uma queda sofrida ao quilómetro 273 da sétima de 12 etapas do Rali Dakar. Exigências das seguradoras quanto a despistes toxicológicos ao corpo de Paulo …

Estivadores vão fazer greve em Setúbal e ameaçam fazer o mesmo em Lisboa

O Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL) revelou esta sexta-feira que vai entregar já na segunda-feira um pré-aviso de greve no Porto de Setúbal e ameaça fazer o mesmo no Porto de Lisboa. “Os trabalhadores …

Segundo maior diamante transforma-se em joias Louis Vuitton

Depois de cortado e polido, o segundo maior diamante da história será transformado numa coleção de joias da Louis Vuitton. A Lucara Diamond encontrou o diamante Sewelo, de 1.758 quilates, na sua mina do Botswana, no …

Filho do presidente da Câmara de Pedrógão Grande "sem memória" no caso da reconstrução de casas

O adjunto do presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Telmo Alves, que também é filho do autarca, disse em Tribunal que desconhece o processo de reconstrução das casas ardidas no incêndio no concelho, em 2017, …

Joacine não está inscrita no congresso do Livre

De acordo com o semanário Expresso, a deputada única do Livre não se inscreveu na reunião magna do partido, que se realiza este fim de semana, em Lisboa. A deputada do Livre, Joacine Katar Moreira, e …

"Há condições para avançar" com o alargamento da ADSE

"Há condições para avançar" com o alargamento da ADSE aos contratos individuais do Estado e aos precários regularizados no PREVPAP, disse Alexandra Leitão, esta sexta-feira, no Parlamento. A ministra da Modernização do Estado e da Administração …