Há sete eurodeputados indiciados de crimes (incluindo corrupção e homicídio)

O eurodeputado social-democrata Álvaro Amaro disse na terça-feira em Estrasburgo que não vai refugiar-se no estatuto de imunidade, estando “até ao último segundo disponível para prestar todos os esclarecimentos perante a Justiça portuguesa”. Há mais seis eurodeputados indiciados por diversos crimes.

Álvaro Amaro, eleito pelo PSD, é um dos eurodeputados envolvidos em casos judiciais nos seus países. No novo hemiciclo de Estrasburgo, há, pelo menos, outros seis casos, envolvendo crimes de corrupção, rebelião e até de homicídio, noticiou a Rádio Renascença na quarta-feira.

Um dia antes de tomar posse como eurodeputado, o ex-autarca da Guarda pagou uma caução de 40 mil euros para aguardar julgamento em liberdade. Foi constituído arguido a 12 de junho no âmbito da operação “Rota Final“, conduzida nesse dia pela Polícia Judiciária (PJ) e decorrente de uma investigação iniciada em 2017 pelo Ministério Público.

A investigação tem como alvos 18 autarquias do Norte e Centro do país e o grupo de transportes Transdev, cujas empresas terão faturado 28 milhões de euros em negócios fraudulentos com as câmaras municipais visadas. Álvaro Amaro é tido, segundo informou uma fonte da PJ à Rádio Renascença, como “a figura central na ligação entre as várias partes sob investigação”.

Sobre ele e os restantes arguidos pendem suspeitas da prática de corrupção, tráfico de influências, participação económica em negócio, prevaricação e abuso de poder.

Além do pagamento da caução, o eurodeputado foi proibido pelo tribunal de Viseu de contactar com as outras quatro pessoas indiciadas no processo. Depois de tomar posse em Estrasburgo, onde vai integrar a Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural (AGRI), garantiu aos jornalistas: “Jamais usarei o estatuto de imunidade parlamentar e estarei disponível para prestar todos os esclarecimentos”.

Outro dos casos é Yannis Lagos, eleito pelo Aurora Dourada (extrema-direita), na Grécia. De acordo com a procuradoria no julgamento em curso contra vários membros do movimento neonazi, Yannis Lagos – líder do núcleo do partido na região de Piréus – desempenhou um papel preponderante em todos os casos sob investigação.

Essa investigação envolve o homicídio do rapper antifascista Pavlos Fyssas – mais conhecido como Killah P., morto à facada aos 34 anos, em 2013 – e dois ataques mortais – um contra um grupo de unionistas PAME, outro contra um grupo de pescadores egípcios -, que tiveram lugar na região pela qual Yannis Lagos foi eleito.

Alguma imprensa grega viu na sua nomeação para as eleições europeias uma estratégia do Aurora Dourada para reforçar a narrativa de que houve elementos do partido a agirem sozinhos sem interferência da hierarquia nos eventos em questão.

Yannis Lagos e o atual líder do Aurora Dourada, Nikos Michaloliakos, foram libertados em 2015 depois de terem passado 18 meses em prisão preventiva, o máximo previsto na lei grega. Foram detidos em 2013 sob acusações de gestão de rede criminosa, pelo alegado envolvimento no homicídio de Killah P. e por outros crimes.

Ambos estão proibidos de sair da Grécia, pelo que o assento de Yannis Lagos no Parlamento Europeu está e continuará vago, ainda que o Governo grego, ao contrário do espanhol, não o tenha impedido de tomar posse. As alternativas são obter autorização especial das autoridades nacionais para ocupar o seu lugar no órgão legislativo da UE ou o Executivo em Atenas propor outro nome para ocupar esse assento.

Nils Usakovs, eleito pelo Harmonia (centro-direita), na Letónia, é ex-presidente da Câmara de Riga, a capital do país, e foi suspenso do cargo que ocupou durante quase 10 anos por suspeitas de ter facilitado o uso indevido de fundos camarários por membros da sua autarquia, através de contratos fictícios, despesas pessoais, contrafação de documentos e uso dos mesmos.

Na segunda-feira, um dia antes de tomar posse como eurodeputado, o gabinete letão de prevenção e combate à corrupção nomeou-o suspeito na investigação criminal, relacionada com aquisições duvidosas pela Riga satiksme, a empresa municipal de transportes. O facto de ser considerado “suspeito” e não “testemunha” no processo não significa que tenha sido indiciado, embora aumente as probabilidades de o ser.

Olivier Hoslet / EPA

O ex-presidente do governo da Catalunha, Carles Puigdemont

Os espanhóis Carles Puigdemont (Partido Democrata Europeu Catalão), Toni Comín (coligação Juntos pela Catalunha) e Oriol Junqueras (Esquerda Republicana da Catalunha), são acusados de rebelião, sedição e uso indevido de fundos por terem avançado com a consulta popular à independência da Catalunha no final de 2017. Os dois primeiros estão exilados em Bruxelas e o terceiro está preso preventivamente há 19 meses.

Nenhum foi autorizado a tomar posse no Parlamento Europeu, havendo quem especule que os entraves impostos por Madrid terão como objetivo impedi-los de obter a imunidade parlamentar inerente ao cargo de deputado europeu.

Para poderem tomar posse, Carles Puigdemont e Toni Comín tinham de ter estado em Madrid para prestarem juramento no Congresso espanhol com os restantes políticos eleitos para representar o país na UE. Pediram para o fazer in absentia, sabendo que o regresso a Espanha os poria atrás das grades juntamente com Oriol Junqueras. Madrid não deixou.

Nenhum foi ainda condenado por qualquer crime. Os dois que vivem em auto-exílio preferiram não correr o risco de se deslocar a França para o arranque da legislatura na terça-feira, por temerem ser deportados ao abrigo do pedido de extradição apresentado pelas autoridades espanholas.

Eleito pelo Força Itália, Silvio Berlusconi, de 82 anos, por três vezes primeiro-ministro, volta a ocupar um cargo político pela primeira vez desde 2013, quando foi forçado a abdicar do seu assento no Senado italiano após ter sido declarado culpado do crime de fraude. No âmbito desse caso, foi condenado a prestar serviço público – acabou a tocar piano para doentes de Alzheimer numa casa de saúde.

Absolvido em vários casos e condenado num apenas, o mais velho eurodeputado desta legislatura é atualmente arguido em dois processos no seu país-natal: um por suspeitas de suborno de senadores para derrubarem o Governo de Romano Prodi em 2006, outro por alegada difamação de Antonio di Pietro, um ex-magistrado do Ministério Público.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Que raio de tradução… SINDICALISTAS do PAME (Central sindical dos trabalhadores gregos). Unionistas só no original em inglês.

RESPONDER

Rússia ameaça retaliar face às sanções "hostis" do Reino Unido

A Rússia ameaçou responder às sanções "hostis" anunciadas por Londres contra 59 pessoas e entidades, 25 delas russas. A Rússia vai responder às sanções "hostis" anunciadas pelo Governo britânico contra 49 pessoas e organizações, 25 das …

Ministério dispensa quase todos os alunos da renovação de matrículas (após ataques informáticos e o desespero dos pais)

As matrículas online são agora obrigatórias apenas para os alunos que no próximo ano lectivo vão iniciar os 5.º, 7.º e 10.º anos de escolaridade. O anúncio é feito pelo Ministério da Educação depois das …

"Estavam prontos para bater". Atleta Ricardo dos Santos vai processar polícia londrina

O atleta português Ricardo dos Santos disse na segunda-feira que não demorou mais de 20 segundos a parar o carro, quando lhe foi pedido pelas autoridades em Londres, e garantiu que vai processar a polícia …

Motorista de autocarro em morte cerebral depois de agressões de passageiros em França

Um motorista de autocarro foi declarado em morte cerebral esta segunda-feira, em França, depois de ter sido agredido no domingo por passageiros a quem recusou a entrada no transporte público. No domingo à noite, um motorista …

Erro de laboratório origina 20 casos em dois clubes da Liga búlgara

Vinte pessoas estão infetadas com o novo coronavírus, após um futebolista com covid-19 ter participado no duelo entre o Cherno More e o Tsarko Selo, da Liga búlgara, devido ao erro de um laboratório, foi …

Soleimani foi assassinado de forma "ilegal e arbitrária", considera perita da ONU

A relatora especial da ONU, Agnes Callamard, considera que os Estados Unidos não apresentaram provas suficientes para justificar o ataque. Uma especialista da ONU concluiu que o general iraniano Qasem Soleimani, morto num raide norte-americano …

Bolsonaro infetado com covid-19

A imprensa brasileira confirmou, esta terça-feira, que o Presidente Jair Bolsonaro está infetado com covid-19. O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, testou positivo à covid-19. De acordo com a Globo, a informação foi avançada pelo próprio, …

Costa avisa que vem aí a "fase mais crítica" dos incêndios e pede prevenção

O primeiro-ministro participou numa reunião de acompanhamento e monitorização sobre prevenção e combate a fogos florestais e advertiu, esta terça-feira, que Portugal entra agora na fase mais crítica. Esta terça-feira, o primeiro-ministro advertiu que Portugal entra …

"Fracasso" no combate à covid-19. Diretora de Saúde de Israel demite-se

Siegal Sadetzki, diretora dos serviços públicos do Ministério da Saúde de Israel, denunciou o "fracasso" das autoridades em retardar a propagação da covid-19 no país, apresentando a sua demissão. Uma responsável do Ministério da Saúde de …

Quase 900 professores vão entrar nos quadros do Ministério da Educação

Quase 900 professores vão entrar nos quadros do Ministério da Educação, no âmbito do concurso externo imposto ao Estado pela União Europeia. Mais de 800 professores passaram a integrar os quadros do Ministério da Educação através …