Face às sanções norte-americanas, a batata é a salvação do Irão

A economia iraniana está em sérias dificuldades devido às sanções norte-americanas impostas ao país. Os iranianos recorrem agora à batata numa tentativa frustrada de combater a fome.

Várias empresas têm deixado de vender bens ao Irão com medo de violar as sanções norte-americanas. Os preços subiram e os iranianos estão a fazer tudo ao seu alcance para evitar a fome. O país dependia muito das importações para alimentar o seu povo, mas agora vê-se obrigado a distribuir senhas de alimentação para carne congelada.

De forma a combater este problema, o Governo iraniano pôs mãos à obra e ordenou duplicar a produção de batatas. O Irão está a construir uma gigante reserva deste tubérculo para evitar inquietação social entre as massas. Desde 2015, o país já produziu 5 milhões de toneladas de batata.

Com o aumento da produção em várias regiões, o ministro da Agricultura espera que se produzam 5,1 milhões de toneladas de batata só este ano. E, segundo o OZY, a produção poderia ser bem maior, não fossem as cheias que inutilizaram mais de 260 mil hectares de terra.

A depreciação do rial iraniano torna bastante mais lucrativo aos produtores nacionais venderem a batata no estrangeiro. No entanto, o Governo iraniano baniu a exportação de batatas, de forma a que o mercado doméstico fosse completamente saciado pela produção nacional.

“A política agrícola do Irão sempre enfatizou a segurança e a auto-suficiência alimentar por causa do medo de que as sanções estrangulassem o Irão“, disse Hooshang Amirahmadi, professor universitário e especialista em economia iraniana. “Como as batatas são fáceis de cultivar, elas encaixam-se nesse modelo e tornaram-se comuns entre a classe média baixa”.

Assumindo-se como o 13º maior produtor mundial de batatas, o Irão tem quase 160 mil hectares dedicados à produção deste tubérculo. Aliás, a nível gastronómico, a batata é um ingrediente muito comum em vários pratos iranianos.

Apesar do acentuado aumento do preço, um quilo de batatas custa apenas cerca de 0,64€ no Irão — um preço consideravelmente mais baixo do que, por exemplo, em Portugal.

“As autoridades iranianas querem ter a certeza de que o mercado não enfrenta escassez de batatas, porque isso pode gerar mais divergências se os preços subirem“, disse Sina Azodi, conselheiro na empresa de consultoria Gulf State Analytics.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …