Salazar e Estado Novo vão ter um museu

António Oliveira Salazar

O Museu do Estado Novo, no Vimieiro, em Santa Comba Dão, cujas obras vão começar já em agosto, tem abertura programada para depois do verão.

Segundo o Expresso, depois de muita polémica em torno do espólio de Oliveira Salazar, que chegou até aos tribunais e à Assembleia da República, o Museu do Estado Novo vai mesmo abrir portas.

O semanário escreve que o museu situa-se no Vimieiro, em Santa Comba Dão, terra onde nasceu o Estadista português. As obras vão começar já em agosto e o espaço tem abertura programada para depois do verão.

“As obras começam dentro de duas a três semanas e a abertura de portas está prevista para daqui a três meses“, revelou ao Expresso Leonel Gouveia, presidente da autarquia.

Salazar, que morreu há precisamente 49 anos, foi um ditador que governou o país entre 1932 e 1968, tendo assumido ainda a pasta das Finanças. Foi promotor do chamado Estado Novo, assente em princípios tais como “deus, pátria e família”.

Com a imposição da censura, o regime utilizava ferramentas para controlar o povo como a polícia política (PVDE, posteriormente PIDE e depois DGS) e a Legião Portuguesa.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Enaltecer um Ditador, num País , hoje Democrático; é um contra censo de mau gosto !……….mas compreendo que alguns “Saudosistas” tendencialmente de extrema direita, irão em romaria venerar o seu ídolo !…Por mim é simplesmente um Individuo de má memoria !

    • Que mania dizerem que é de direita! é de direita o tanas! é do mais profundo “pobrezismo” tal como estamos a arriscar cair outra vez!

  2. Diria que já não é sem tempo e sem justiça. No exercício do meu direito de opinião, o Sr Prof. Dr. António de Oliveira Salazar, primeiro ministro das finanças e, depois, durante muitos anos, presidente do concelho de ministros, foi dos poucos estadistas em Portugal que nunca roubou o erário publico e, quando morreu, deixou na Caixa Geral de Depósitos, instituição financeira por ele criada, uma quantia de duzentos e tal contos, o que compara com o património deixado pelo Dr. Soares e por outros que ainda não morreram, alguns dos quais andam a contas com a justiça. Foram buscá-lo a Coimbra, onde era professor catedrático, para exercer o cargo de ministro das finanças; foi contrariado e, num dos discursos que pronunciou e que se encontra disponível em qualquer boa biblioteca pública para quem souber ler, disse preto no branco: «quando chegar a hora de mandar que se saiba obedecer». Portanto, não enganou ninguém, disse ao que ia e como tencionava proceder. E disse-o porque Portugal estava simplesmente falido, sem credibilidade e sem credores que lhe emprestassem um tostão, devido às tropelias, há instabilidade política, ao clima de terror, à bandalheira em que a chamada primeira república, decorrida entre 1910 e 1926, havia mergulhado Portugal. Salazar veio e impôs a ordem, o respeito, a legitimidade e credibilidade das instituições, de tal modo e por tal forma que em 1940 já as contas públicas eram sólidas e pode lançar o célebre Plano dos Centenários, ao abrigo do qual se construíram as escolas que não havia, se construiu um frota marítima que também não havia, as muitas célebres estradas em paralelo granítico, o inicio do aproveitamento hídrico com a construção de barragens de norte a sul do país (no norte de Portugal há o caso emblemático da construção do sistema Cávado- Rabagão: barragem de Paradela, dos Pisões, da Venda Nova, de Salamonde, da Caniçada, de Vilarinho das Furnas, onde hoje se banha tanto democrata, dizendo mal de Salazar), e muitas outras coisas que seria fastidioso enumerar. Que se construa, pois, um museu à memória de um homem que amou profundamente Portugal e que por ele deu tudo, sempre com rigor e disciplina, e frente ao qual os políticos de hoje são meros pigmeus, palhaços e, muitas vezes, ladrões, construir esse museu, digo, é de elementar justiça.

    • Pode não ter roubado dinheiro, mas roubou o povo da liberdade, da dignidade e da vida.
      Mandou soldados para a morte, para defender colónias que pretendiam a liberdade. Essas podem não estar muito melhor, mas são livres. Se os papéis fosse invertidos fariamos o mesmo.
      Impediu o progresso do país, que culminou no atraso de 30 anos que temos em relação a muitos dos paises europeus.
      Censurava a liberdade de expressão, opinião, artistica, etc…
      Impunha a religião, fazendo lembrar tenuamente o que faz o estado islamico ao impor também a religião.
      Não roubou, mas fechou os olhos quando outros roubavam ou aceitavam “ofertas forçadas” à descarada. Toda a gente conhece histórias por exemplo dos gnr que entravam num café/restaurante/etc… e saiam sem pagar.
      Preseguição politica, torturas, prisão de adversários,…
      Para quem o defende, fazei um favor ao resto do povo português escolham outro ditador de outro país e emigrai. Há muitos no mundo.
      Sim, o nosso país tem problemas. Sim, muitos governantes roubam e roubaram (ou no minimo enriqueceram de forma rápida e dúbia). Mas somos livres de falar. Até já há investigações em curso (que muito provável até não var dar em nada). Já temos acesso ao exterior, a outras culturas e outros progressos. Com o salazar no poder, só alguns teriam acesso à internet.
      Precisamos de museu sobre o estado novo, mas para lembrar o mal que fez ao país, direta e indiretamente.

      • Concordo, excepto no que diz respeito à liberdade de falar. Até podemos tê-la, mas actualmente arriscamos muito ao fazê-lo.

RESPONDER

Banco de França vai testar moeda digital em 2020

O governador do Banco de França anunciou na quarta-feira o lançamento de testes no próximo ano para uma moeda digital, que pode servir de precedente para uma iniciativa do mesmo tipo à escala da zona …

Atlético de Madrid na corrida por Gabigol

O Atlético de Madrid entrou na corrida pela contratação de Gabigol, o artilheiro que está ao serviço do Flamengo por empréstimo do Inter de Milão. A notícia é avançada pelo jornal italiano Gazzetta Dello Sport, …

Australiana condenada a prisão por ter mentido no currículo

Uma australiana de 45 anos foi condenada a um ano de prisão efetiva por ter mentido no seu currículo para conseguir uma vaga no Governo regional, conta esta quinta-feira a ABC Australia. Veronica Hilda Theriault foi …

Homem da comunicação de Rui Rio pertence à maçonaria

João Tocha, o homem que o líder do PSD escolheu para fazer parte da sua comunicação, é maçon, avança a revista Visão esta quinta-feira. Em declarações à Visão, João Tocha, iniciado no Grande Oriente Lusitano …

Marco Silva despedido do Everton

O treinador português Marco Silva foi hoje despedido pelo Everton, clube da Primeira Liga inglesa de futebol, um dia depois do desaire por 5-2 no reduto do rival da cidade, o campeão europeu Liverpool. “O Everton …

Líder Supremo do Irão aprova medidas para reconhecer como "mártires" os mortos dos recentes distúrbios

O líder supremo do Irão aprovou as recomendações de um relatório oficial propondo o reconhecimento como "mártires" dos mortos nos recentes distúrbios no país sem que tenham "desempenhado qualquer papel", indicou esta quinta-feira o seu …

OE2020. Governo quer baixar preço da luz sem mexer no IVA

O Governo socialista está a estudar hipóteses "alternativas" para baixar o preço da luz sem mexer na taxa do IVA, devendo estas soluções constar já da proposta inicial do Orçamento de Estado para 2020 (OE2020). De …

Pelosi acionou votação para impeachment a Trump. "Os factos são incontestáveis"

A Presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, anunciou esta quinta-feira que o órgão irá avançar com a redação de acusações contra o Presidente norte-americano, no âmbito do processo de impeachment. “As ações …

Relação volta a contrariar Ivo Rosa. Depoimentos de Salgado nos casos BES e Monte Branco podem ser usados na Operação Marquês

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) autorizou a utilização na Operação Marquês dos depoimentos do banqueiro e arguido Ricardo Salgado, prestados nos processos Monte Branco e Universo GES/BES, contestando a decisão de Ivo Rosa, …

Carga fiscal subiu aos 35,4% em 2018. É o valor mais alto desde 2000

A carga fiscal em Portugal subiu dos 34,3% do PIB em 2017 para os 35,4% em 2018, o valor mais elevado desde 2000, acima da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento …