Salários dos CEO aumentaram mais de 40% em três anos

Inácio Rosa / Lusa

O presidente do conselho de administração do grupo Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos

A média das remunerações dos CEO das empresas cotadas na bolsa aumentou mais de 40% em três anos, um valor 46 vezes mais alto do que o custo médio que têm com os seus funcionários. 

Segundo o Diário de Notícias, a remuneração média dos presidentes executivos das empresas do PSI 20 foi de um milhão de euros, um valor que aumentou mais de 40% nos últimos três anos.

No total, estes CEO levaram para casa quase 16 milhões de euros em 2017, mais 4,6 milhões do que em 2014. De acordo com os cálculos do DN/Dinheiro Vivo, baseados nos dados dos relatórios e contas das empresas, em média, cada um ganhou 996 mil euros brutos, enquanto que há três anos a remuneração era de 708 mil euros.

Além disso, não foram apenas os salários dos responsáveis máximos a aumentar, também se verifica o mesmo com as remunerações dos outros elementos dos conselhos de administração. No total, escreve o jornal, o custo com estes responsáveis subiu 43%, ascendendo a 57,5 milhões de euros, mais 17 milhões do que em 2014.

No entanto, este valor é 46 vezes mais alto do que o custo médio que as empresas cotadas na bolsa têm com os seus trabalhadores. Há três anos, essa diferença era de 33 vezes. Segundo o diário, este valor ficou praticamente estagnado – 21,7 mil euros anuais.

Apesar disso, os custos com pessoal aumentaram 16% desde 2014 para 5,41 mil milhões de euros, uma subida explicada pelo maior número de trabalhadores. No final de 2017, empregavam quase 250 mil funcionários.

Nos últimos três anos, os lucros acumulados destas empresas subiram 50%, totalizando mais de 3,5 mil milhões de euros. Essa melhoria da rentabilidade é uma das explicações para as subidas das remunerações pagas aos gestores, recorda o DN.

De acordo com o jornal, o maior contributo para este fosso entre CEO e trabalhadores foi dado pela Jerónimo Martins. A dona do Pingo Doce pagou, em 2017, mais de dois milhões de euros ao presidente executivo, Pedro Soares dos Santos. Já o custo médio com cada trabalhador foi inferior a 13 mil euros, o mais baixo da bolsa portuguesa.

Já em 2014, o CEO teve tinha uma remuneração de 668 mil euros, 57 vezes acima da média dos seus trabalhadores. Neste momento, ganha mais 155 vezes do que os seus funcionários.

Por sua vez, António Mexia, o CEO que mais ganha na bolsa portuguesa, auferiu 2,29 milhões de euros, mais 39 vezes do que o custo médio da EDP com cada trabalhador. Há três anos, tinha ganho 1,15 milhões, mais 23 vezes do que os funcionários.

Segundo o jornal, outras empresas do PSI 20 com maiores discrepâncias são a Mota-Engil e a Sonae. Na construtora, Gonçalo Moura Martins ganhou quase 740 mil euros, mais 41 vezes do que os trabalhadores e, na dona do Continente, Paulo Azevedo auferiu 652 mil euros, mais 40 vezes do que o custo médio com trabalhador.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …