Rússia quer ser observador associado da CPLP

premier.gov.ru

O presidente da Rússia, Vladimir Putin

A Rússia é um dos Estados que tem mostrado interesse em ser observador associado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), estatuto que registou um crescimento “exponencial”, disse à Lusa o secretário-executivo da organização.

“Temos tido contactos com a Federação Russa, exploratórios, sobre essa possibilidade. Mas até agora não houve nenhuma formalização”, afirmou o diplomata Francisco Ribeiro Telles, quando questionado sobre a possibilidade de o país vir a ser observador associado da CPLP.

Numa entrevista à Lusa, a propósito do seu primeiro ano de mandato como secretário-executivo, falou de “um interesse internacional crescente” pela organização e disse que vários Estados têm manifestado vontade e feito contactos no sentido de saberem o que faz a CPLP para estudarem uma eventual candidatura a observador associado.

O interesse destes e o crescimento, que considerou “exponencial”, do número de países que hoje já são observadores associados, demonstram como a CPLP desperta atenções a nível internacional. Em 2014, lembrou, a CPLP tinha três países observadores associados, hoje tem 18 e mais uma organização internacional (a Organização dos Estados Ibero Americanos – OEI).

Na próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo, previsivelmente em julho, em Luanda, “possivelmente” serão aprovadas as candidaturas, já formalizadas, de pelo menos mais seis países observadores: Roménia, Grécia, Qatar, Peru, Costa do Marfim e Estados Unidos, acrescentou. Outra candidatura que pode avançar também é a de Espanha, que entregou, em dezembro, a carta formal de manifestação de interesse para ser observador associado, explicou.

Face a “este crescimento exponencial dos observadores associados”, Ribeiro Telles reafirmou que a organização vai ter de refletir “até que ponto a CPLP lhes pode ser útil e eles podem ser úteis à CPLP”.

Segundo o secretário-executivo, que tomou posse a 15 de dezembro de 2018, mas assumiu funções a 1 de janeiro de 2019, esta reflexão conduzirá a uma proposta que deverá ser levada já à próxima cimeira de Luanda.

Em março ou abril, haverá uma reunião com os países observadores, para debater o novo papel que estes poderão ter na organização, apontou. Até essa reunião, “está a ser feito um trabalho interno, no sentido de se saber exatamente o que propor aos países associados”, explicou, considerando que há várias hipóteses em discussão.

Segundo o secretário-executivo da CPLP, há Estados-membros que falam num pagamento de quotas pelos países observadores. Mas, sublinhou: “Não sei se será esse o caminho”.

Para Ribeiro Telles, “outro caminho”, mais provável, “poderá ser os países observadores interessarem-se por projetos da própria CPLP, e financiarem-nos, isto é, numa cooperação trilateral, que passa pela CPLP, pelo Estado recetor e pelo país observador”. “Não estou a falar em termos de quotas, obviamente que não. Estou a falar em eles poderem participar em projetos que sejam do interesse de Estados-membros da CPLP, o que são coisas completamente diferentes”.

Para o diplomata, os interesses dos países que pretendem ser observadores associados da CPLP são diversos. Para alguns, a organização é vista “como uma plataforma linguística”, como é o caso dos que têm uma comunidade de falantes de português e “querem estabelecer um contacto mais estreito com a CPLP, no sentido de desenvolverem a língua portuguesa nesses países”.

O embaixador lembrou que há uma explosão demográfica em África, que “vai criar uma nova centralidade para a língua portuguesa no continente africano“, e os Estados “estão atentos a isso”, afirmou.

Para outros, a organização é olhada no “plano político”, porque a “CPLP tem tido sucesso também na área da diplomacia internacional“, sublinhou Ribeiro Telles, apontando como exemplos os contributos que a organização deu para a eleição de António Guterres para secretário-geral das Nações Unidas e do italo-brasileiro José Graziano para a FAO (Organização das Nações para a Alimentação e Agricultura).

Os países já se aperceberam que a “CPLP funciona como um bloco em determinadas organizações internacionais” e acham que “vale a pena estar junto” dela, porque pode funcionar também para a eleição dos seus dirigentes, explicou.

Já no plano diplomático, Ribeiro Telles disse: “Tenho sentido que há países que se aproximam da CPLP porque não têm uma rede de embaixadas bastante completa em África, sobretudo na África Austral, e sentem que a CPLP é uma plataforma para chegar a esses países. Estou a falar sobretudo de países do Leste europeu”, referiu o diplomata.

Depois, ainda “há, obviamente”, os Estados que olham para a CPLP como “uma plataforma para estabelecer negócios e parcerias económicas com outros países, nomeadamente africanos”, concluiu o secretário executivo.

// Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Contraditoriamente, aceitaram a candidatura da Guiné Equatorial. Fazia mais sentido o Uruguai, país que já foi Portugal e onde também se fala português. Ainda por cima é um dos países mais desenvolvidos e civilizados da América do Sul! Talvez seja mesmo o país mais desenvolvido e civilizado da América do Sul. Tenho a certeza que uma candidatura do Uruguai seria aceite de imediato.

    • a guine equatorial nao foi proposta mas sim “obrigatoria a presença”. quem a trouxe foi o preisdente de angola (eduardo dos santos).
      é um pais que nao fala portugues, tem a pena de morte e é uma ditadura, mas como foi o eduardo a traze-la para a cplp todos se calaram e aceitaram

      se a russia que ser observador é porque tem alguma na manga, parece que nao chegou o que roubaram quando estiveram em angola na altura do agostinho neto

  2. Primeiramente gostaria de saber o quê um país observador faz na CPLP de concreto, por outro lado a associação aos Estados Unidos nunca é uma ideia muito sabia.

  3. Isto ė a Russia a precaver-se e a vigiar os seus interesses em África, eles estão cada vez mais a expandir-se em petróleo, armamento e outros negócios.

RESPONDER

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …

Covid-19. México investiga mercado negro de atestados de óbito falsos

As autoridades da Cidade do México anunciaram que estão a investigar um suposto mercado negro de atestados de óbito relacionado com a covid-19, no dia em que o país registou 625 mortes nas últimas 24 …

Astrónomos descobrem "réplica" do Sol e da Terra a três mil anos-luz

O que diferencia esta descoberta de outros exoplanetas parecidos com a Terra é que a sua estrela tem uma semelhança impressionante com o nosso Sol. Entre os dados da missão Kepler, uma equipa de investigadores identificou …

Sem romarias e festas, milhares de famílias estão a entrar em falência

Milhares de famílias cujo rendimento depende das romarias e festas populares estão a atravessar sérias dificuldades económicas. Os prejuízos ultrapassam os 50 milhões de euros. A suspensão das festas populares e romarias religiosas em todo o …

Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica MP e fala em "massacre psicológico"

Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, durante 11 dias, sem que a família tivesse conhecimento de que já …

"Vocês são uns ingratos". Vieira arrasa equipa após empate com o Tondela

Luís Filipe Vieira foi ao balneário falar com os jogadores após o empate com o Tondela. O presidente benfiquista mostrou-se irritado e acusou os futebolistas de ingratidão. Depois do empate do SL Benfica com o CD …

Costa tirou o tapete ao seu "super-ministro" (que é cada vez mais candidato a líder do PS)

Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, já foi um peso-pesado do Governo de António Costa, mas o primeiro-ministro desautorizou-o na discussão sobre o futuro da TAP, num claro sinal de que a "lua-de-mel" entre os …

Há dois candidatos na calha para suceder a Centeno. Siza Vieira fora da corrida

Pedro Siza Vieira era apontado como o favorito a suceder a Mário Centeno na pasta das Finanças, mas recusou essa possibilidade. Nelson de Souza e João Leão são agora os dois principais candidatos. Com a saída …